Menu
Busca segunda, 16 de julho de 2018
(67) 9860-3221

Aluno gay será indenizado em R$ 50 mil

07 junho 2011 - 12h26

Em tempos em que muito se discute o combate ao bullying no ambiente escolar, não se concebe que o Estado, a quem incumbe promover a o respeito à diversidade em seus diversos matizes, incluindo a orientação sexual, permita e, mais que isso, incentive uma palestra de conteúdo homofóbico que venha a acirrar a discriminação existente na sociedade.

O fundamento é do Tribunal de Justiça de São Paulo, que condenou o governo paulista a pagar indenização, por danos morais, a um estudante homossexual da rede pública. Motivo: palestra na qual um médico urologista tinha como tarefa orientar os alunos sobre homossexualismo. O valor da indenização foi arbitrado no correspondente a cem salários mínimos (cerca de R$ 50 mil).

Ao falar para estudantes da Escola Estadual Professora Maria Augusta Corrêa, o médico carregou no preconceito. Segundo testemunhas, associou violência e uso de drogas ao homossexualismo. A afirmação provocou a ira de um grupo de alunos que chegou a fazer um abaixo-assinado reclamando providências à direção da escola.

Em depoimento, uma professora reconheceu que o palestrante foi infeliz em algumas de suas declarações. Segundo ela, o médico disse que o mundo está sob o domínio da maldição e citou como exemplos a violência, o uso de drogas e a separação de casais. E, segundo a professora, disse ainda que o homem foi criado para se relacionar com uma mulher e vice-versa e quando isso não acontece também haveria um mal.

“De fato, ainda que o palestrante não tenha afirmado diretamente que homossexuais são criminosos, é nítido que, ao associar violência e uso de entorpecentes – duas condutas penalmente relevantes – ao homossexualismo, buscou desqualificar tal opção sexual, causando evidente constrangimento ao apelante e a outros alunos homossexuais que eventualmente estivessem assistindo à palestra”, entendeu o relator, Mauro Fukumoto.

Para o desembargador, apesar do palestrante não ser professor da rede pública, o Estado está na obrigação de responder pelo que foi dito na palestra, uma vez que se tratava de iniciativa da direção da escola. O relator ainda destacou que o mesmo médico fez palestras semelhantes em outras escolas da rede pública e a sua forma de pensar era certamente de conhecimento da Administração.

Deixe seu Comentário

Leia Também

GATA
Atriz Taís Araújo exibe corpão em clique de biquíni na praia
LIMINAR
Justiça proíbe Crivella de usar máquina para beneficiar grupos religiosos
4ª FASE
Copa Assomasul fecha rodada em Itaquiraí com 10 equipes classificadas
QUADRILHA
Motorista cai no golpe do falso frete, é feito refém e perde caminhão
TECNOLOGIA
Tribunal de Justiça aprimora a proteção contra ameaças digitais
CAMPO GRANDE
Caminhoneiro é preso por desviar carga de carne para revender
SIDROLÂNDIA
Prefeitura abre concurso com 207 vagas e salários de até R$ 11 mil
BATAGUASSU
Motorista perde o controle e abandona carro carregado com maconha
UFGD
Chamada Pública seleciona Cases de Sucesso de Empresas Juniores
MARACAJU
Ladrões invadem fazenda e furtam soja avaliada em R$ 70 mil

Mais Lidas

ACIDENTE
Douradense morre horas depois de cair do cavalo em fazenda
DOURADOS
Homem é assassinado na porta da própria casa
RESIDENCIAL BONANZA
Homem atropela casal em Dourados após ser contrariado
BUSCAS
Pai busca notícias sobre filho adolescente desaparecido em Dourados