Menu
Busca domingo, 09 de agosto de 2020
(67) 99659-5905

Aluno gay será indenizado em R$ 50 mil

07 junho 2011 - 12h26

Em tempos em que muito se discute o combate ao bullying no ambiente escolar, não se concebe que o Estado, a quem incumbe promover a o respeito à diversidade em seus diversos matizes, incluindo a orientação sexual, permita e, mais que isso, incentive uma palestra de conteúdo homofóbico que venha a acirrar a discriminação existente na sociedade.

O fundamento é do Tribunal de Justiça de São Paulo, que condenou o governo paulista a pagar indenização, por danos morais, a um estudante homossexual da rede pública. Motivo: palestra na qual um médico urologista tinha como tarefa orientar os alunos sobre homossexualismo. O valor da indenização foi arbitrado no correspondente a cem salários mínimos (cerca de R$ 50 mil).

Ao falar para estudantes da Escola Estadual Professora Maria Augusta Corrêa, o médico carregou no preconceito. Segundo testemunhas, associou violência e uso de drogas ao homossexualismo. A afirmação provocou a ira de um grupo de alunos que chegou a fazer um abaixo-assinado reclamando providências à direção da escola.

Em depoimento, uma professora reconheceu que o palestrante foi infeliz em algumas de suas declarações. Segundo ela, o médico disse que o mundo está sob o domínio da maldição e citou como exemplos a violência, o uso de drogas e a separação de casais. E, segundo a professora, disse ainda que o homem foi criado para se relacionar com uma mulher e vice-versa e quando isso não acontece também haveria um mal.

“De fato, ainda que o palestrante não tenha afirmado diretamente que homossexuais são criminosos, é nítido que, ao associar violência e uso de entorpecentes – duas condutas penalmente relevantes – ao homossexualismo, buscou desqualificar tal opção sexual, causando evidente constrangimento ao apelante e a outros alunos homossexuais que eventualmente estivessem assistindo à palestra”, entendeu o relator, Mauro Fukumoto.

Para o desembargador, apesar do palestrante não ser professor da rede pública, o Estado está na obrigação de responder pelo que foi dito na palestra, uma vez que se tratava de iniciativa da direção da escola. O relator ainda destacou que o mesmo médico fez palestras semelhantes em outras escolas da rede pública e a sua forma de pensar era certamente de conhecimento da Administração.

Deixe seu Comentário

Leia Também

SAÚDE
Campanha Agosto dourado: mães com Covid-19 devem continuar amamentando
CRIME AMBIENTAL
Infratores levam multa de R$ 10 mil por incêndio e transporte de motosserras
REGIÃO
Mulher foragida da Justiça acaba presa em Aparecida do Taboado
ESTADO
No dia em que MS ultrapassa a marca de 500 óbitos, ato de amor aos pais é respeitar isolamento social
LÍBANO
Bolsonaro convida Temer para chefiar missão humanitária
DOURADOS
Vítimas mais recentes da Covid-19, idosos foram notificados há mais de um mês
MOBILIZAÇÃO
Campanha promove paternidade no Brasil e no exterior
REGIÃO
Polícia flagra 245 quilos de maconha transportados em motos estrangeiras
PANDEMIA
Mato Grosso do Sul já soma 101 mortes causadas pelo novo coronavírus somente em agosto
TRÁFICO
Mulher sai de Dourados com filho de quatro anos e é presa com droga presa ao corpo

Mais Lidas

DOURADOS
Homicídio ocorreu após madrugada de farra e confusões na Jaguapiru
PANDEMIA
Paciente internado em Dourados morre de coronavírus
DOURADOS
Equipe do Samu se desloca para atender vítima de facadas em bairro
PANDEMIA
Cerca de 90% douradenses diagnosticados com Covid estão recuperados