Menu
Busca quinta, 24 de maio de 2018
(67) 9860-3221
CAMPANHA FIEMS

Aluno gay será indenizado em R$ 50 mil

07 junho 2011 - 12h26

Em tempos em que muito se discute o combate ao bullying no ambiente escolar, não se concebe que o Estado, a quem incumbe promover a o respeito à diversidade em seus diversos matizes, incluindo a orientação sexual, permita e, mais que isso, incentive uma palestra de conteúdo homofóbico que venha a acirrar a discriminação existente na sociedade.

O fundamento é do Tribunal de Justiça de São Paulo, que condenou o governo paulista a pagar indenização, por danos morais, a um estudante homossexual da rede pública. Motivo: palestra na qual um médico urologista tinha como tarefa orientar os alunos sobre homossexualismo. O valor da indenização foi arbitrado no correspondente a cem salários mínimos (cerca de R$ 50 mil).

Ao falar para estudantes da Escola Estadual Professora Maria Augusta Corrêa, o médico carregou no preconceito. Segundo testemunhas, associou violência e uso de drogas ao homossexualismo. A afirmação provocou a ira de um grupo de alunos que chegou a fazer um abaixo-assinado reclamando providências à direção da escola.

Em depoimento, uma professora reconheceu que o palestrante foi infeliz em algumas de suas declarações. Segundo ela, o médico disse que o mundo está sob o domínio da maldição e citou como exemplos a violência, o uso de drogas e a separação de casais. E, segundo a professora, disse ainda que o homem foi criado para se relacionar com uma mulher e vice-versa e quando isso não acontece também haveria um mal.

“De fato, ainda que o palestrante não tenha afirmado diretamente que homossexuais são criminosos, é nítido que, ao associar violência e uso de entorpecentes – duas condutas penalmente relevantes – ao homossexualismo, buscou desqualificar tal opção sexual, causando evidente constrangimento ao apelante e a outros alunos homossexuais que eventualmente estivessem assistindo à palestra”, entendeu o relator, Mauro Fukumoto.

Para o desembargador, apesar do palestrante não ser professor da rede pública, o Estado está na obrigação de responder pelo que foi dito na palestra, uma vez que se tratava de iniciativa da direção da escola. O relator ainda destacou que o mesmo médico fez palestras semelhantes em outras escolas da rede pública e a sua forma de pensar era certamente de conhecimento da Administração.

Deixe seu Comentário

Leia Também

CORPÃO
Gracyanne mostra flexibilidade em pole dance e impressiona por cinturinha
POLÍTICA
PT lançará pré-candidatura de Lula no dia 09 de junho, diz Gleisi
PARAÍSO DAS ÁGUAS
Engenheiro morre em acidente após carro passar em buraco e capotar
LOTERIA
Confira as dezenas sorteadas da Mega-Sena nesta quarta-feira
ESPORTES
Equipe Dourados Sobre Rodas é destaque em competição em Goiás
CORRUPÇÃO
TJ/MS revoga habeas corpus de ex-segurança do governador de MS preso
PRAZO
Continuam abertas as inscrições para 5º Festival Douradense de Música
JUSTIÇA
Acusado de matar homem por suspeita de furto de bicicleta vai a júri
FUTEBOL
Dias de jogos do Brasil na Copa do Mundo não serão feriado
DEBATE
MPT discute logística reversa de embalagens em Mato Grosso do Sul

Mais Lidas

TRAGÉDIA
Douradense morre em acidente na MS-270
RODOVIAS BLOQUEADAS
Greve dos caminhoneiros pode paralisar indústria em Dourados
MANIFESTAÇÃO
Caminhoneiros bloqueiam três trechos da BR-163 em Dourados
OPERAÇÃO OIKETIKUS
Gaeco volta às ruas contra "máfia do cigarro"