Menu
Busca segunda, 18 de fevereiro de 2019
(67) 9860-3221
POLÍTICA

Aécio e Alckmin iniciam neste domingo disputa para suceder Dilma

05 julho 2015 - 11h00

Oficialmente, a 12ª Convenção Nacional do Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB) neste domingo, em Brasília, vai eleger seu presidente, além dos dirigentes dos conselhos de Ética, Fiscal e Político. Mas o que estará verdadeiramente em jogo a partir das 8h é a batalha nos bastidores para decidir quem será o candidato à Presidência em 2018, quando a oposição prevê que o Partido dos Trabalhadores chegará em frangalhos. Por debaixo dos panos, Aécio Neves, que será reconduzido à presidência tucana, e o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, se armam para disputar a indicação, que só acontecerá em 2017.

Alckmin, reeleito governador de São Paulo ano passado, advoga o direito de enfrentar Dilma, após abrir mão da candidatura para Aécio em 2014. Já o senador mineiro acena com os 48,3% dos votos válidos no último pleito, ou 51 milhões de votos, para garantir que vencerá, se for o candidato do maior partido de oposição.

“Vamos encerrar esse ciclo perverso de governo do PT e iniciar um outro, virtuoso, onde haja responsabilidade fiscal, desenvolvimento econômico e, principalmente, avanços sociais”, disse Aécio, em mensagem convocando os tucanos a participarem da convenção.

Já Alckmin, que tem um discurso mais moderado em relação ao de Aécio Neves, que chegou a defender o impeachment da presidenta Dilma Rousseff, centralizará sua fala nas causas da crise que está vivendo o país. A idéia do governador, que falará antes de Aécio, é reafirmar que não tem interesse no “quanto pior, melhor”, discurso muito usado e defendido pelo ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (1994/2002).

Alianças para enfraquecer o PT em 2016

Uma das estratégias de Aécio, que será reconduzido à presidência do partido, cargo que ocupa desde maio de 2013, é apostar em alianças nos municípios. A estratégia do senador mineiro é enfraquecer ao máximo o PT, para que o partido de Dilma perca capilaridade e chegue ainda mais fraco nas eleições presidencias. Para tanto, está disposto a abrir mão de candidaturas próprias em 2016. Aécio defende que o partido se alie antes mesmo do primeiro turno aos candidatos mais fortes, e garanta palanques para o PSDB na campanha para presidente.

Deixe seu Comentário

Leia Também

ECONOMIA
Beneficiários de programas sociais tem conta de luz com tarifa reduzida
DOURADOS
Ano Letivo da Rede Municipal de Ensino começa nesta segunda-feira
TRÊS LAGOAS
Polícia Federal prende seis e apreende quase uma tonelada de cocaína
INFORME PUBLICITÁRIO
Altas temperaturas elevaram consumo de energia em MS
TEMPO
Segunda-feira de sol com aumento de nebulosidade em Dourados
SHOWBIZZ
Isis Valverde completa 32 anos, posa de biquíni e filosofa na web
CICLISMO
Bonito Cross fecha primeira edição com Mountain Bike e Duathlon
UFGD
Estão abertas as inscrições para o 6º Festival Douradense de Música
ECONOMIA
Ao menos 14 órgãos abrem inscrições para preencher quase mil vagas
EMPRÉSTIMO
Sem regra rígida para consignado, bancos mantêm assédio a idosos

Mais Lidas

DOURADOS
Após denúncia anônima, Polícia fecha “boca de fumo” no jardim Itália
POLÍCIA
Para defender a mãe de agressão, adolescente mata padrasto a tiros
Homem é assassinado a tiros de pistola na região de fronteira
TRÁFICO
Homem de 27 anos é preso com 185 quilos de maconha em residência