Menu
Busca sexta, 16 de novembro de 2018
(67) 9860-3221
MERCADO

Abertura de mercado dos EUA para importação de carne in natura de MS desafia criadores

30 junho 2015 - 17h15

Da Redação

O anúncio do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) nesta segunda-feira (29) sobre a liberação de Mato Grosso do Sul e outros 13 estados para exportar carne in natura para os Estados Unidos estimula os pecuaristas, mas também os desafia, uma vez que terão de apresentar grande volume, com lotes padronizados e qualidade de excelência. Para ampliar as exportações e agradar os norte-americanos, a aposta de criadores e pesquisadores está na apresentação da raça Nelore, com a possibilidade de abate precoce, além do cruzamento industrial que propricia homogeneização da carne.

Para atender o novo mercado, o criador da Camapuã, Bruno Grubisich, aposta no cruzamento industrial de raças europeias com a Nelore. “Há algum tempo olhamos para esse nicho de produção de carne premium, mas com a abertura dos Estados Unidos, fica mais evidente e urgente a demanda de proteína com grau de sangue taurino mais acentuado. No Brasil já existe uma demanda considerável que nos direcionou na seleção genética apurada que agora tem total potencial de atender o paladar americano”, destaca Grubisich.

Segundo o pesquisador da Embrapa Gado de Corte, Leonardo Nieto, os americanos habituados ao consumo de carnes nobres poderão se surpreender com a pecuária brasileira, mas isto dependerá do empenho do profissional no campo. “A aceitação vai decorrer do desempenho do produtor rural brasileiro em desenvolver e apresentar os melhores cruzamentos. Uma das soluções que Mato Grosso do Sul pode apresentar para agradar ainda mais o mercado externo é o abate precoce de Nelore, por exemplo, raça produzida em grande escala que se destinada à indústria ainda jovem, apresenta uma carne macia e saborosa”, considera o pesquisador.

Nieto alerta ainda que os criadores sul-mato-grossenses se destacam e devem ofertar uma proteína vermelha que subirá no conceito dos Estados Unidos. “Já há algum tempo que os criadores da região se preparam para o desenvolvimento de animais precoces, o que acarreta em maior qualidade em curto espaço de tempo, diminuindo o desafio desta região em atender outros países”, enfatiza o pesquisador da Embrapa.

Visualizando as altas exportações de carne dos Estados Unidos nos últimos anos, que causou queda do rebanho daquele país, o criador de Nelore Ciclo Curto (NCC), Rubens Catenacci, se apresenta como preparado para qualquer demanda. “A raça nelore precisa ser apresentada com todo o seu potencial para os americanos. Por meio da suplementação conseguiremos oferecer carne de qualidade e em grande escala, garantindo rentabilidade, estabilidade do setor e satisfação dos clientes exteriores”, salienta o proprietário da Fazenda 3R, que alimenta seus bezerros com pastagem e ração específica, alimentação capaz de aumentar em até 1,2 quilos por dia o peso do animal.

Para o zootecnisa Marcelo Fedrizzi Pinto, Mato Grosso do Sul está apto para atender diversos mercados, mas no Brasil ainda falta a linearidade da produção americana. “Em toda propriedade visitada nos Estados Unidos há uma semelhança bastante considerada na qualidade de estrutura dos animais, bem como cobertura de gordura, rendimento de carcaça e outras características que no Brasil oscila muito de uma fazenda para outra. Temos de focar em questões técnicas como essa para entrarmos fortemente em novos mercados, sem data marcada para sair”, pontuou o zootecnista durante o Circuito ILPF em Camapuã.

Dentro deste cenário, o empresário e produtor rural, Ricardo Almeida Cordeiro, considera que além do trabalho no campo há necessidade de um primoroso trabalho de marketing interno entre os pecuaristas do País, que deverão se unir para alcançar resultados significativos. “Só atingiremos o topo das exigências de nossos clientes externos com uma boa apresentação e homogeneização dos nossos produtos. A partir de agora é essencial que o marketing institucional coloque a proteína brasileira como referência para outros países e que fidelize o mercado com nosso novo cliente”, finaliza Cordeiro, proprietário da Rica Comunicação in Agribusiness.

Deixe seu Comentário

Leia Também

FAMOSOS
Gracyanne Barbosa sensualiza com enxada e provoca: "cavando a cova das inimigas"
PREMIADO
Promoção da Sicredi Centro-Sul MS entrega carro 0km para associado de Itaquiraí
BRASIL
Prazo para renovação de contratos do Fies é prorrogado
SEGURANÇA
Agência destaca importância do uso de cinto de segurança em ônibus
DOURADOS
Vacinação antirrábica segue até sábado na região do Ouro Verde
BRASIL
Novo prazo para aderir ao Refis Rural vai até 31 de dezembro
BRASIL
Cientistas sintetizam molécula que elimina vírus da hepatite C
AUDIÊNCIA
Grupo irá acompanhar processos criminais envolvendo indígenas de MS
TV
Pedro Bial dá selinho em Pabllo Vittar e dispara: "Estou meio Hebe hoje"
BATAGUASSU
Motorista sem CNH bate carro em poste de radar

Mais Lidas

CAMPO GRANDE
Empresário é executado e filho fica ferido em atentado
CAMPO GRANDE
Empresário executado na Capital era avalista em dívida de R$ 40 milhões
SUSTO
Veículo com placas de Dourados fica destruído ao ser atingido por vagões de trem
DOURADOS
Dupla armada rouba moto para assaltar empresa e levar R$ 3 mil