Menu
Busca quinta, 13 de dezembro de 2018
(67) 9860-3221

BB deve devolver em dobro tarifas cobradas de universitários

01 agosto 2006 - 15h58

O Ministério Público Federal em Santa Catarina conseguiu obter na Justiça Federal a condenação do Banco do Brasil (BB) a devolver em dobro os valores cobrados indevidamente dos clientes universitários, em função da transformação da conta BB Campus em BB Universitária. A mudança aconteceu em 2003 e implicou a cobrança de tarifa mensal por serviços que eram gratuitos. O procurador da República Carlos Augusto de Amorim Dutra, autor da ação civil pública, conseguiu provar que a alteração unilateral por parte do BB violou o Código de Defesa do Consumidor (CDC).O MPF propôs a ação em novembro de 2004, depois que dois estudantes universitários protocolaram uma representação no MPF, noticiando que abriram a conta BB Campus com tarifas gratuitas, conforme noticiava publicidade veiculada pelo próprio banco. Depois, sem informação prévia, ocorreu a substituição para a BB Universitária, com tarifação em nome de serviços não solicitados pelos consumidores. A denúncia deu origem ao procedimento administrativo que culminou na propositura da ação perante a Justiça Federal, contra, ainda, do Banco Central do Brasil (Bacen).Para o procurador Amorim Dutra, a questão independe do valor da tarifa (R$3,00), ou em relação à oferta de serviços gratuitos de forma permanente. Segundo Dutra, o MP é contrário à prática abusiva e ilegal adotada pelo BB que contraria disposição do CDC, consistente na transformação da conta com a imposição de serviços não solicitados, sem a consulta dos consumidores sobre o interesse em adquirir os produtos agregados à nova conta, "cheia de produtos, serviços e vantagens exclusivas por apenas R$ 3,00 mensais", como dizia a publicidade do BB.A Justiça Federal também homologou acordo sobre a questão, firmado entre o MPF e o BB ano passado. O acordo não contemplou, porém, a devolução dos valores cobrados indevidamente, porque o BB não aceitou a inclusão da cláusula. De acordo com a Justiça, a restituição é obrigatória e está prevista no CDC, que assegura aos consumidores o direito a receber de volta, em dobro e com juros e correção, quantias pagas sem obrigação. A devolução deve ser feita por meio de crédito em conta ou convocação do ex-correntista, se for o caso. A ordem deve ser cumprida a partir da data em que não for mais possível recorrer.

Deixe seu Comentário

Leia Também

SHOWBIZZ
Ana Hickmann é perseguida e entra em pânico: “Estou apavorada”
TAURUS
Eu apoio o projeto Natal para Todos - Dourados Brilha
BOAS FESTAS
Operação apreende drogas, equipamentos de informática e investiga caso suspeito de pedofilia
UFGD
Mestrado Profissional em Administração abre seleção para professores
BRASIL
PF deflagra operação para investigar fraude no Ministério do Trabalho
LOTERIA
Mega-Sena acumula mais uma vez e prêmio vai a R$ 42 milhões
BOAS FESTAS
Ação conjunta mira traficantes em Dourados
SAÚDE
Bolsonaro passa por avaliação médica nesta quinta em São Paulo
PROTESTO
Agentes penitenciários fazem ato por mais segurança na PED
DEBATE
Dourados sedia evento que visa a redução de infecções em UTI’s

Mais Lidas

DOURADOS
Idoso é preso por abusar de criança durante três anos: “ela fazia porque gostava”
REGIÃO
Rapaz é encontrado enforcado às margens da MS-156
DOURADOS
Jovem que matou namorada e filha é indiciado por duplo feminicídio
PANTANAL
Homem rodeado por jacarés é resgatado de riacho em MS