Menu
Busca quarta, 30 de setembro de 2020
(67) 99659-5905

Base aliada fica com os principais cargos da CPI do MST

10 dezembro 2009 - 15h32

O governo conseguiu impor o ritmo que lhe convém à CPI mista do MST e empurrou para o ano que vem os trabalhos. O esforço, agora, se concentra em não carimbá-la como uma comissão de inquérito parlamentar específica contra o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra e deixar o embate bem morno, quase frio, sem capacidade de produzir nenhum fato relevante em ano eleitoral.

Depois de diversos adiamentos, os parlamentares instalaram a CPI e elegeram o senador Almeida Lima (PMDB-SE) como presidente e o deputado Jilmar Tatto (PT-SP) como relator. Ao deputado Onyx Lorenzoni (DEM-RS) coube o papel protocolar e burocrático de vice-presidente. E ontem foi só isso, apesar dos protestos de parlamentares da oposição. Não houve apresentação de plano de trabalho, pedido de audiência e nem requisição de informações sobre o objeto do inquérito: os repasses federais a entidades ligadas à reforma agrária.

A próxima reunião da CPI está marcada para quarta-feira, quando Tatto deverá apresentar seu plano básico de voo. Sete dias depois, o Congresso entra em recesso e, como os aliados não querem investigação em cima da base do governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, não há o menor interesse em trabalhar nas férias.

Além de relegar a CPI ao segundo plano das prioridades, como tem sido praxe no governo Lula, os aliados do Palácio do Planalto começaram o primeiro dia poupando o MST de qualquer ataque. "Não é uma CPI do MST, mas uma comissão para investigar contratos agrários entre entidades", disse o relator Jilmar Tatto.

O governo já estabeleceu como estratégia colocar a Confederação Nacional da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) sempre que a oposição tentar focar a investigação nos sem-terra. "Quando a oposição se deu conta da CPI que eles pediram, era tarde demais para recuar. Viram que não é possível investigar só o MST", alfinetou Tatto. A deputada Manuela D%u2019Ávila (PCdoB-RS) também fez coro para retirar o foco dos sem-terra. "Não é uma CPI para investigar o MST", sustentou.

Reforma agrária
O deputado Moreira Mendes (PPS-RO) criticou a postura do governo. "Nós vamos nos entrincheirar nessa CPI para fazer uma investigação séria%u201D, disse. O deputado Onyx Lorenzoni adotou um tom mais conciliador. "Com diálogo e parlamentares que querem responder aos anseios da população, a gente chega lá. Queremos revisar os 30 anos da reforma agrária no Brasil, ninguém tem interesse em acobertar ou esconder o que quer que seja", disse.

O MST é um movimento sem representação oficial. Por isso, para receber dinheiro do governo federal, os repasses são feitos para entidades como a Associação Nacional de Cooperação Agrícola (Anca) e a Confederação das Cooperativas de Reforma Agrária. O Tribunal de Contas da União (TCU) realizou investigações que resultaram no bloqueio de contas da Anca, justamente por injetar ilegalmente a verba federal nos sem-terra.

Deixe seu Comentário

Leia Também

DOURADOS
Gaeco deixa edifício com documentos apreendidos após mais de 5h
PANDEMIA
Com quase 70 mil casos de coronavírus, MS ultrapassa 1.300 óbitos
LIBERTADORES
Flamengo recebe Del Valle em jogo com cara de revanche
OPERAÇÃO DECIBÉIS
Mandados em operação contra fraudes em licitações são cumpridos em outros dois bairros
BR-463
Dupla é presa com cocaína escondida em caixa de som
DOURADOS
Juiz mantém prisão preventiva de acusado pela morte de secretário municipal
BRASILEIRÃO
Corinthians recebe Atlético-GO em jogo remarcado pela primeira rodada
SITIOCA BELA VISTA
Em Saveiro branca, desconhecidos invadem casa e furtam vários pertences
DOURADOS
Idoso é abordado por desconhecido e tem celular roubado na região do Jardim Flórida II
IBGE
Taxa de desocupação fica em 13,8% no trimestre de maio a julho

Mais Lidas

REGIÃO
Homem que disse ter encontrado mulher morta volta atrás e confessa feminicídio
LAGUNA CARAPÃ
Homem sente falta de esposa, vai procurar e a encontra morta em poço
DOURADOS
Disputa pela prefeitura tem dois milionários e total de bens chega a R$ 13 milhões
CAPITAN BADO
Ataque de pistoleiros a veículo deixa dois mortos na fronteira