Menu
Busca quinta, 09 de abril de 2020
(67) 9860-3221

Artesanato terena é atração em exposição no Rio

03 janeiro 2004 - 09h09

Por mais de 40 dias, a cerâmica terena sul-mato-grossense vai ocupar a ampla Sala do Artista Popular, no Centro Nacional de Folclore e Cultura Popular do Rio de Janeiro. A exposição é mais um passo no processo de afirmação cultural e auto-sustentação das aldeias indígenas, iniciado este ano pela Fundação de Cultura de Mato Grosso do Sul, explica o arquiteto Mário Sérgio Cabral, gerente de Patrimônio Histórico do Estado. Cerca de 500 peças selecionadas serão levadas ao Rio especialmente para a exposição. Parte do acervo estará à venda. São pratos, vasos, moringas, panelas, uma variedade de utensílios domésticos em tamanhos e formatos diversos, mas com uma marca única e inconfundível: a delicada pintura terena. Mário Sérgio Cabral revela uma curiosidade que ajuda a entender a peculiaridade dessas cerâmicas.“Os terena não tinham o hábito de pintar sua cerâmica. Mas como sempre foram mercantilistas, ao travar contato com os portugueses, já no início do século XVIII, introduziram mudanças nas peças a fim de conquistar os novos compradores. Percebe-se, assim, que os desenhos são inspirados das rendas portuguesas.”Expor esses produtos no mais famoso centro cultural do País coroa trabalho de meses, que teve a orientação de dois antropólogos, técnicos da Fundação de Cultura de Mato Grosso do Sul e, principalmente, apoio dos ceramistas terena. Por sua relevância econômico-social, o projeto faz parte do programa Fome Zero Indígena, pois além de resgatar a cultura representa uma importante fonte de renda para a aldeia.A idéia era fomentar a cerâmica terena, bastante reduzida e desvirtuada, pois as peças já não tinham a resistência de antigamente e prestavam-se basicamente como suvenir. Isso feito, a próxima etapa é divulgar e abrir mercado para o produto, tanto estadual como nacional. Ao retornar do Rio de Janeiro, a exposição será mostrada para os sul-mato-grossenses.Para melhorar a qualidade da cerâmica, o primeiro passo foi localizar entre os terena de 17 aldeias de Aquidauana, Miranda e Nioaque, aqueles que preservavam a técnica de fabricação dos ancestrais. Foram selecionadas 18 ceramistas, que monitoraram o trabalho dos demais indígenas. Três destas monitoras estarão no Rio de Janeiro durante a exposição, mostrando como transformam argila em arte.“Depois que os indígenas reaprenderam a fazer a cerâmica através das técnicas originais, pedimos que fabricassem 500 peças para montar a exposição. Quando retornamos às aldeias nos surpreendemos com a quantidade do estoque. Em poucos dias, fizeram mais de 1,7 mil peças”, conta Mário Sérgio Cabral. O excedente será todo comercializado. A Fundação já está negociando com supermercados um espaço para o produto.Os terena estão otimistas e eufóricos com a perspectiva de emplacar sua cerâmica. “Hoje eles se sustentam plantando mandioca, milho, feijão. As índias percorrem longas distâncias com cestas sobre a cabeça para vender esses produtos de casa em casa na cidade. A fabricação de cerâmica vai mantê-los na própria aldeia, e, quando o mercado estiver consolidado, vão ganhar muito mais”, explica Mário Sérgio. 

Deixe seu Comentário

Leia Também

CAMPO GRANDE
Bandidos ameaçaram cortar dedos de mãe e filho feitos reféns em assalto
ECONOMIA
Emendas do senador Nelsinho atende Dourados e mais quatro municípios
AQUIDAUANA
Homem que emprestou moto a autor de feminicídio responderá criminalmente
REGIÃO
Pagamento das parcelas do FCO empresarial está suspenso até dezembro
JURADO DE MORTE
Jovem arremessa ‘pombos’ para dentro de presídio para quitar dívida
DOURADOS
Dupla é presa acusada de tentativa de homicídio e fazer criança como escudo
PANDEMIA
Paraguai estende quarentena e fronteiras permanecem fechadas
JUSTIÇA
Proprietária deve ser ressarcida pela venda de imóvel adquirido há 25 anos
POLÍTICA
Cidades brasileiras registram panelaço contra presidente Bolsonaro
FIGUERÃO
Traficante se esconde em pântano, mas é preso com 733 quilos de maconha

Mais Lidas

DOURADOS
Mulher tenta desviar de buraco, é atropelada por carreta e morre
DOURADOS
Assassinos de homem no Parque das Nações roubaram celular de testemunha
DOURADOS
Na volta ao atendimento, populares formam filas longas em frente a agências bancárias
DOURADOS
Mulher morta em acidente cursava pedagogia e terá corpo levado a Naviraí