Menu
Busca quinta, 23 de janeiro de 2020
(67) 9860-3221
RURAL

Alvo de boicote do governo brasileiro, Irã é maior comprador do milho de MS

29 julho 2019 - 09h08Por André Bento

Recente alvo de boicote do governo brasileiro, que se recusou a abastecer dois navios com sua bandeira por causa de embargos impostos pelos Estados Unidos e só reconsiderou a decisão após ordem do STF (Supremo Tribunal Federal), o Irã é quem mais compra milho produzido em Mato Grosso do Sul. No primeiro semestre deste ano, 71,90% das exportações estaduais desse cereal tiveram como destino aquele país.

Relatório elaborado pelo Departamento Técnico do Sistema Famasul (Federação da Agricultura e Pecuária de Mato Grosso do Sul) a pedido do Dourados News detalha que de janeiro a junho de 2019 o setor produtivo sul-mato-grossense comercializou 405,6 mil toneladas de milho, volume 65,63% superior ao exportado em igual período de 2018.

Em menção a dados da Secretaria de Comércio Exterior do Ministério da Economia, Indústria, Comércio Exterior e Serviços, a Federação aponta que as exportações de milho no semestre renderam US$ 71,7 milhões à economia estadual, alta de 77,58% em relação ao passado.

Desse montante, US$ 51,5 milhões foram pagos somente pelo Irã, principal destino das exportações de milho sul-mato-grossense até junho deste ano. O país localizado na Ásia Ocidental respondeu, sozinho, por 71,90% dessas negociações.

O segundo principal comprador desse cereal cultivado em Mato Grosso do Sul, Japão, importou US$ 5,7 milhões, 8,01% do volume total.

Outros compradores do milho sul-mato-grossense neste ano foram a Malásia, que pagou US$ 5.550 milhões por 31.120 mil toneladas, Vietnã, US$ 3.670 milhões por 20.901 mil toneladas, Taiwan, US$ 2.910 milhões por 13.002 mil toneladas, Líbano, US$ 1.362 por 8.157 mil toneladas, Coréia do Sul, US$ 559 mil por 3.316 mil toneladas, Cuba, US$ 348 mil por 1.957 mil toneladas, e Arábia Saudita, US$ 2 mil por 14 toneladas.

SAFRA

Na safra atual de milho, o mais recente Boletim Casa Rural do Siga MS (Sistema de Informação Geográfica do Agronegócio) revelou que a colheita já avançou por mais de 43% da área cultivada no Estado, de aproximadamente 1,918 milhão de hectares.

Com produtividade média de 88 sacas por hectare, a projeção da Aprosoja-MS (Associação dos Produtores de Soja de Mato Grosso do Sul) é de 10,127 milhões de toneladas a serem produzidas.

NAVIOS

Os navios iranianos alvo de boicote do governo brasileiro foram abastecidos pela Petrobras neste final de semana, após determinação do STF. Atracadas no porto de Paranaguá, no Paraná, as embarcações são alvos de embargo do governo norte-americano, razão pela qual houve a recusa de reabastecimento.

De acordo com a Agência Brasil, os navios MV Termeh e MV Bavant ficaram 50 dias parados com aproximadamente 100 mil toneladas de milho destinadas ao Irã, cargas avaliadas em mais de R$ 100 milhões. 

Deixe seu Comentário

Leia Também

ESTADO
Ação conjunta da polícia em MS desvenda sequestros no interior de SP
DOURADOS
PM prende cadeirante e comparsa por tráfico de drogas próximo ao Ginásio Municipal
BELEZA E ESTÉTICA
Drenagem linfática: tudo sobre a técnica que elimina a celulite e o inchaço
TRÊS LAGOAS
Homem que matou namorado da ex vai responder por crime em liberdade
DOURADOS
Assassinato na Vila Rosa aconteceu por ciúmes durante manutenção em porta
ESTADO
Detran inicia leilão de veículos apreendidos em Dourados na próxima semana
POLÍTICA EXTERIOR
Presidente Jair Bolsonaro embarca hoje para visita oficial à Índia
STF
Ministro Luiz Fux suspende criação de juiz das garantias por tempo indeterminado
LOTERIA
Mega-Sena pode pagar prêmio de R$ 35 milhões nesta quinta-feira
FUTEBOL
Águia Negra estreia no estadual com vitória sobre Pontaporanense

Mais Lidas

UFGD
Aluna branca aprovada em Medicina como indígena aponta engano na inscrição
VILA ROSA
Homem morre após ser atingido por facada no pescoço em bairro de Dourados
EMPREGO
Empresa abre 136 vagas para classificadores de grãos em Dourados e região
CRIME
EXCLUSIVO: Sucessor de Minotauro é trazido para Dourados em meio a crise penitenciária na fronteira