Menu
Busca sexta, 17 de janeiro de 2020
(67) 9860-3221

Alckmin ignora crise e diz que não mudará campanha

19 agosto 2006 - 12h15

O candidato do PSDB à Presidência, Geraldo Alckmin, ignorou a crise de sua campanha e afirmou ontem que vai manter seu estilo. "Vou manter o estilo paz, amor e trabalho, que é o que está faltando aí", afirmou ao desembarcar em Teresina (PI), no final da manhã. "Não vou fazer uma campanha errática. Não vou fazer campanha baseada em pesquisa. Vou fazer campanha falando do Brasil, mostrando que o Brasil pode avançar mais", avisou. Alckmin evitou os problemas internos de sua campanha e esquivou-se de tecer comentários sobre as declarações do senador Antonio Carlos Magalhães (PFL-BA), que um dia elevou a temperatura da crise ao cobrar do candidato mais críticas ao principal adversário, o presidente e candidato à reeleição pelo PT, Luiz Inácio Lula da Silva. Ainda que tenha dito que não mudará o tom da campanha, Alckmin alfinetou Lula, sem citá-lo nominalmente. Ao comentar que o Brasil pode crescer mais, afirmou: "O Brasil está indo de marcha ré, indo (em direção) na roubalheira. O povo está muito desiludido. Na chegada a Teresina, Alckmin também minimizou o fato de as campanhas do PSDB em pelo menos seis Estados (SP, MG, PE, CE, RS e PR) não fazerem referências à sua candidatura. "Não tem problema nenhum. A campanha estadual é uma coisa, a federal é outra", insistiu. Apesar do discurso do tucano, os presidentes do PSDB, Tasso Jereissati (CE), e do PFL, Jorge Bornhausen (SC), já determinaram aos comandos estaduais das siglas que incluam o nome do presidenciável tucano nos programas eleitorais gratuitos dos Estados a partir da semana que vem. "O Bornhausen já mandou colar o nome dos deputados ao do Alckmin", confirmou o senador José Jorge (PFL-PE), vice de Alckmin. "Na semana que vem a vinheta (com o nome de Alckmin) vai estar nos programas estaduais", acrescentou José Jorge, que junto com o senador Heráclito Fortes (PFL-PI) recepcionou Alckmin no aeroporto de Teresina ontem. Do PSDB, apenas o candidato a governador do Piauí, Firmino Filho, estava presente no momento que o presidenciável tucano desembarcou no Estado. Sobre as declarações de ACM, Heráclito afirmou que a crítica pode ser "pedagógica". José Jorge, por sua vez, disse que a campanha terá várias fases. A atual é de apresentar o candidato, segundo ele. "A segunda etapa é uma mistura de propostas e críticas", explicou, acrescentando que o discurso mais aguerrido terá de aparecer. "Como pode a oposição não ter críticas?" As informações são do Correio Braziliense.

Deixe seu Comentário

Leia Também

RURAL
Semagro discute com setor produtivo criação do fundo agropecuário
SAÚDE
Anvisa interdita todas as marcas de cerveja Backer vendidas no país
RIBAS DO RIO PARDO
Malote com mais de R$ 37 mil de lotérica é roubado por dupla em moto
ECONOMIA
Feriados em dias úteis podem gerar perda de R$ 20 bilhões este ano
CORUMBÁ
Polícia pede prisão preventiva de pai que estuprou criança e ainda filmou
INTERNACIONAL
Bolsonaro deve assinar de 10 a 12 acordos comerciais em viagem à Índia
ECONOMIA
Detran dá 10 dias para regularizar veículos apreendidos antes de leilão
POLÍCIA
Peão é levado para hospital em estado gravíssimo após cair de cavalo
FUTEBOL
Pré-Olímpico: seleção sub-23 estreia contra domingo contra o Peru
CAPITAL
Empresário vai procurar polícia sobre morte de veterinária, diz defesa

Mais Lidas

DOURADOS
Dono de borracharia sofre ferimentos com explosão ao encher pneu
DOURADOS
Motorista envolvido em acidente com morte no domingo se apresenta à polícia
DOURADOS
Homem é preso por destruir celular em operação deflagrada para esclarecer homicídio
POLÍCIA
Mulher é presa após furtar loja de departamentos em Dourados