Menu
Busca sábado, 18 de janeiro de 2020
(67) 9860-3221

Agrotóxicos 30% mais barato chega ao mercado em 30 dias

12 agosto 2006 - 10h11

Dentro de 30 dias o segundo agrotóxico genérico homologado pelo Mapa (Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento) estará no marcado sul-mato-grossense. O novo produto, cujo princípio ativo é o Paraquat, custará entre 20% e 30% mais barato que o original Gramoxil, fabricado pela Syngenta.

No Estado o herbicida indicado para lavouras de soja e algodão é comercializado em média por R$ 24 o litro e a previsão é de que o genérico seja vendido por valores entre R$ 15,40 e R$ 17,60. Conforme o coordenador geral de Agrotóxicos do Mapa, Luis Eduardo Pacifici Rangel, o produto, antes monopolizado pela multinacional, será trazido de Taiwan (país asiático) e não há estimativa do volume de importação.

De acordo com os produtores rurais, a liberação dos agroquímicos genéricos é uma reivindicação antiga da classe. Há pelo menos 10 anos o setor pleiteia a autorização da importação e fabricação dos produtos, mas, de acordo com Rangel, não houve morosidade do Mapa na homologação dos agrotóxicos genéricos. Ele defende que antes não havia uma legislação que permitisse a importação e fabricação dos produtos, cuja patente já acabou.

Os parâmetros de equivalência dos produtos foram estabelecidos recentemente pela FAO (Organização para Alimentação e Agricultura), ligada à ONU (Organização das Nações Unidas). “O ministro [Luiz Carlos Guedes] nos pediu prioridade na avaliação dos genéricos. Queremos otimizar os processos, mas esbarramos na falta de um quadro de pessoal para atuar na área”, frisa, negando que o pedido de agilidade na aprovação dos equivalentes seja uma forma de compensar a demora na liberação dos produtos.

A comercialização do primeiro agrotóxico genérico brasileiro foi autorizada há cerca de dois meses pelo Mapa. Trata-se do Rodazin, que tem como princípio ativo o Carbendazin. Rangel explica que o fungicida, que serve para as lavouras de soja e feijão, já possuía genéricos no mercado. A diferença é que agora foi possível conseguir uma redução no valor do registro do produto, o que fez com que fosse possível alcançar uma leve redução no preço de mercado do agrotóxico.

Segundo ele, como o agroquímico já possuía equivalentes no mercado, a diferença no valor não será tão significativa como no caso do Paraquat, monopolizado pela Syngenta. No País o produto é comercializado por 11 empresas que detém o princípio ativo. O agrotóxico original, fabricado pela Bayer, pode ser encontrado nas revendas por cerca de R$ 24. O Rodazin custa em torno de R$ 2 a menos, sendo comercializado por em média R$ 22. Para Rangel, o preço do produto já está muito próximo do custo de produção, por isso a diferença não é maior.

Deixe seu Comentário

Leia Também

CAPITAL
Florista ferida a tiros está em coma e ex segue internado sob escolta policial
EDUCAÇÃO
Após queixas de alunos, ministro admite erro na correção do Enem
TRÊS LAGOAS
Menina de 4 anos é internada em estado grave após ser picada por escorpião
MIRANDA
Motociclista morre ao bater de frente contra Fiat/Uno na BR-262
CULTURA
Regina Duarte quer uma conversa 'olho no olho' com Bolsonaro
ECONOMIA
Jucems registra abertura de mais de sete mil empresas em 2019
PONTA PORÃ
Do interior de veículo, homem atira contra namorada de 22 anos
PRÊMIOS
Nota Dourada terá primeiro sorteio na proxima segunda-feira
CRIME AMBIENTAL
Aposentado é autuado em R$ 6 mil por desmatamento em área protegida
PRAZO
IFMS encerra amanhã seleção para professores de educação especial

Mais Lidas

CAPITAL
Veterinária deixa motel em surto e morre embaixo de caminhão
DOURADOS
Homem é preso por destruir celular em operação deflagrada para esclarecer homicídio
DOURADOS
'Rua do medo' tem dois entregadores assaltados em 10 dias
TRÁFICO
Polícia flagra esquema de venda de droga no cartão em Dourados