Menu
Busca quinta, 27 de fevereiro de 2020
(67) 9860-3221

Aftosa: vacinas serão entregues em Ponta Porã e Corumbá

29 dezembro 2003 - 16h59

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento formaliza nesta segunda-feira, 29, a doação de 1 milhão de doses de vacina contra a febre aftosa à Bolívia e outras 500 mil ao Paraguai. A Delegacia Federal da Agricultura em Mato Grosso do Sul entregará as vacinas aos serviços de sanidade animal do Paraguai, em Ponta Porã, e da Bolívia, em Corumbá. Juntos, os dois países têm um rebanho de 17 milhões de cabeças.O Brasil tem 82% de seu rebanho de 183 milhões de cabeças reconhecidos como livres da doença. Há mais de dois anos sem registro de casos da doença, o Brasil lidera o processo de prevenção e combate à aftosa no continente sul-americano. Para manter esse status internacional, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva fez, em março, durante visita à feira de Campo Grande, a doação de 1 milhão de doses de vacinas ao Paraguai e outras 500 mil à Bolívia.Em julho, o ministro Roberto Rodrigues participou de um encontro emergencial, com a presença do então presidente boliviano Gonzalo Sánchez de Lozada e seis ministros da Agricultura do continente, para discutir políticas e estratégias regionais de combate à aftosa na América do Sul. O novo esforço de imunização beneficiará os rebanhos bovinos dos departamentos bolivianos de Santa Cruz de La Sierra, na fronteira com o Mato Grosso do Sul, e do Beni, vizinho de Rondônia. “Buscamos aprimorar a vigilância de nossas fronteiras e aumentar a cooperação com os países vizinhos”, diz Jamil Gomes de Souza, diretor substituto do Departamento de Defesa Animal do ministério. Recentemente, a Bolívia detectou dois focos de aftosa nas comunidades de Monteagudo (Departamento de Chuquisaca) e Betanzos (Departamento de Potosí), situados na Bacia do Rio Prata, a 3 km da fronteira com a Argentina e a 7 km da fronteira com o Paraguai. A doação, que custará R$ 1,4 milhão ao Brasil, foi decidida durante reunião do ministro Rodrigues com seus colegas no Conselho Agropecuário do Sul (CAS) em novembro, na Cidade do Panamá. Criado em abril deste ano, o CAS tem o objetivo de intensificar a cooperação sobre o controle sanitário e fitossanitário no Cone Sul para atender à crescente demanda por segurança alimentar. Além disso, o grupo busca discutir políticas comuns na área de sanidade e preparar posições negociadoras conjuntas para apresentar nos fóruns de negociação internacional. As entidades de representação privada do setor agropecuário também participam das discussões.

Deixe seu Comentário

Leia Também

ARQUITETURA & DESIGN
Transformando lavanderias em lugares agradáveis por Juliana Saraiva
STF
OAB questiona resolução do CNJ que trata da presença de advogados em audiência de conciliação
FUTEBOL
Seleções Principal e Olímpica serão convocadas no dia 6 de março
BR-262
Ambiental encontra onça-pintada atropelada e morta em rodovia
INFORME PUBLICITÁRIO
Além de pneus, Impacto Prime Dourados garante serviços de qualidade ao seu carro
BELEZA E ESTÉTICA
Botox Capilar: Entenda esse tratamento e evite o frizz
ESTADO
Sefaz-MS disponibiliza página de autoatendimento do IPVA na internet
MS
Mulher pede R$ 120 mil de indenização após ofensas de inquilina no WhatsApp
LUTO
Técnico Valdir Espinosa morre no Rio de Janeiro
EDUCAÇÃO
Termine seus estudos com o EMFA

Mais Lidas

MULTIDÃO
Carnaval na praça central de Dourados termina em ‘confusão e sujeira’
DOURADOS
Mulher tenta sair de mercado com quase R$ 700 em compras sem pagar
INVESTIGAÇÃO
Ex-prefeito de Amambai foi morto após discussão por desacordo trabalhista
PONTA PORÃ
Estado monitora caso suspeito de Coronavírus na fronteira