Menu
Busca sábado, 14 de dezembro de 2019
(67) 9860-3221

60% dos pacientes têm infecções em UTIs da América Latina

11 dezembro 2009 - 11h07

Na América Latina, 60,3% dos pacientes de UTIs têm infecções --quase dez pontos percentuais a mais do que a média mundial, de 51,4%. É o que sugere o maior estudo já feito sobre o tema, que acompanhou, durante um dia (8 de maio de 2007), 13.796 pacientes adultos internados em 1.265 unidades de terapia intensiva de 75 países, em todos os continentes. Publicada no "Jama" (periódico da associação médica americana), a pesquisa considera tanto infecções prévias à internação quanto as adquiridas nos hospitais -geralmente, cada situação é responsável por cerca de 50% dos casos nas UTIs.
Pelo estudo, a América Latina é a região com o maior índice de infecções em UTIs. É preciso levar em conta, porém, que os números relativos à África --que teve o menor índice-- não são confiáveis por causa da baixa quantidade de pacientes estudados nesse continente. A taxa de mortalidade hospitalar também foi maior na América Latina do que em outras regiões: de 33%, contra 24% da média mundial.
"Mais da metade dos pacientes de UTIs infectados é um número muito alto. Esses doentes são muito caros. Nos EUA, por exemplo, 1,5% do PIB [Produto Interno Bruto] é gasto apenas nas UTIs", afirma o brasileiro Eliézer Silva, médico do Centro de Terapia Intensiva do hospital Albert Einstein e um dos autores do estudo.
Outra razão pela qual o dado é preocupante é que, segundo mostra o mesmo estudo, pacientes com infecção têm mais do que o dobro de risco de mortalidade. "Um paciente com infecção internado na UTI depois de uma cirurgia, por exemplo, tem muito mais chance de morrer do que aquele que passou pela mesma operação, mas não tem infecção", exemplifica Ederlon Rezende, presidente da Associação Brasileira de Medicina Intensiva.
Eles também têm mais chance de ficar internados por mais tempo na UTI, o que traz mais custos ao sistema de saúde. São 16 dias de internação na UTI e 29 dias no hospital, para aqueles com infecção, versus 4 e 13 dias para aqueles sem infecção. Segundo os médicos consultados pela Folha, os dados são fiéis à realidade brasileira, pois o maior número de instituições estudadas na região está no país. Foram mais de cem UTIs acompanhadas e cerca de 1.200 pacientes, ficando atrás apenas da Alemanha.
Causas
O estudo não apontou as razões que levam ao maior índice de infecções na América Latina, mas uma das hipóteses é a falta de investimento na área da saúde. Foi verificado, na pesquisa, que aqueles países que investem menor porcentagem do PIB em saúde têm taxas mais altas de infecção. "Quanto menos recursos, menos disponibilidade de leitos, menos estratégias de prevenção e de educação para evitar infecções", afirma Rezende.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Condenada por morte de namorado, mulher que alegou roleta-russa é presa
RURAL
Meta da agropecuária é abastecer mercado interno, diz Tereza Cristina
CINEMA
Danny Aiello, ator de 'Faça a coisa certa', morre aos 86 anos nos EUA
SIDROLÂNDIA
Polícia apreende carga de 80 pneus de origem estrangeira na MS-162
ERRO
Governo torna sem efeito promulgação da Reforma da Previdência Estadual
RIO BRILHANTE
Homem que teria brigado com pedreiro antes de assassinato se apresenta
SAÚDE
Juiz determina que empresa volte a fornecer alimentação para o HU
CAPITAL
Homem morre ao passar mal após comer paçoca que ganhou de amigo
RIO DE JANEIRO
Ex-deputados Edson Albertassi e Paulo Melo são soltos por engano
RESORT
Morre menino vítima de queda de avião em resort no sul da Bahia

Mais Lidas

CAARAPÓ
Homem é assassinado a golpes de faca após discussão em bar
DOURADOS
Inteligência da PM prende dois por tráfico no bairro Estrela Tovi
GRANDE DOURADOS
Quadrilha especializada em roubo de caminhonetes é desarticulada e seis são presos
FURTO
Polícia recupera objetos e fecha ponto de receptação em Dourados