Menu
Busca segunda, 21 de janeiro de 2019
(67) 9860-3221
CASA OFICIAL

Veja a área privativa do Palácio da Alvorada

04 janeiro 2019 - 07h55Por Casa Vogue

Dada a tradição austera da vida militar, pode ser que o presidente Jair Bolsonaro estranhe morar num palácio. Mas ao conhecer as dependências do apartamento privativo reservado para a Presidência da República dentro do Palácio da Alvorada, a impressão de luxo se dissolve rapidamente para dar lugar à valorização do conforto como forma de arte.

Finalizado em 1958 para receber a família de Juscelino Kubitschek, o Alvorada, como é carinhosamente chamado pelos brasilienses, foi a primeira construção finalizada da nova capital. Desde então, já recebeu mais de uma dúzia de chefes de governo ao longo dos seus 60 anos. Recentemente, uma recuperação histórica devolveu ao edifício seu mobiliário original restaurado e devidamente posicionado segundo as recomendações de Oscar Niemeyer, seu arquiteto, e da filha Anna Maria Niemeyer, decoradora oficial do projeto, que desenhou vários móveis para preencher os salões e quartos do palácio.

O edifício tem pé-direito altíssimo, mas divide-se em apenas três pavimentos. O subterrâneo abriga o setor administrativo (mais de vinte funcionários cuidam diariamente da manutenção do local), o de serviços e parte da área de lazer, como cinema e sala de jogos. O térreo é ocupado pelos grandes salões e pela biblioteca - neste pavimento acontecem as visitas e reuniões de trabalho quando o presidente não se desloca até o Palácio do Planalto, sede do Poder Executivo. O apartamento privativo da Presidência da República ocupa todo o mezanino e é uma área estritamente particular.

Casa Vogue obteve acesso para documentar o trabalho praticamente artístico de recuperação da decoração original, orquestrado pela Diretoria de Documentação Histórica da Presidência da República (DDH).

As mudanças ocorreram ao longo dos últimos dois anos, período em que o palácio permaneceu vazio depois da saída de Dilma Rousseff, já que o ex-presidente Michel Temer preferiu continuar no Palácio do Jaburu, destinado ao vice.

A fachada principal do Palácio da Alvorada tem como destaques as colunas levíssimas desenhadas por Oscar Niemeyer, que se tornaram símbolo de Brasília. O traço remete às redes de descanso penduradas nas varandas das antigas casas de fazenda, populares no Brasil. Um conjunto de brises azuis, instaladas com a autorização do próprio Oscar Niemeyer durante os anos Collor de Mello, reduzem a incidência de sol dentro da construção, poupando as obras de arte que lá residem.

De dentro do palácio, o olhar precisa atravessar um vasto jardim até alcançar as outras construções que ocupam o Plano Piloto de Lucio Costa. Há um forte aparato de segurança para manter o chefe de estado e sua família sempre protegidos. 

A fachada dos fundos é comumente confundida com a da frente, já que também possui as mesmas colunas que deram origem ao brasão da nova capital. O que a difere, além da ausência dos brises, é a presença de uma varanda que vai de um canto ao outro da área íntima. 

Sobre o mezanino, há uma sala de estar e jantar, utilizadas pela família do presidente. O trecho reservado para as refeições possui uma tapeçaria de Kennedy Bahia, artista chileno radicado no Brasil, que retratou fauna e flora tropicais em suas obras. Ao redor da mesa, cadeiras Cantu alta, de Sergio Rodrigues. A sala de estar exibe o design italiano das poltronas e sofás Maralunga, de Vico Magistretti, adquiridas nos anos de governo de Fernando Henrique Cardoso.

As suítes do Palácio da Alvorada são confortáveis. Cama, criado-mudo e luminária de piso (não existem pontos de luz no teto dos dormitórios) são criações de Anna Maria Niemeyer. A escrivaninha tem a assinatura da marca norte-americana Broyhill, que tomava marcos arquitetônicos de Brasília como referência para seus móveis um tantinho kitsch - no entalhe lateral da mesa e no encosto da cadeira é possível reconhecer os pilares do Alvorada, por exemplo. Junto à varanda, uma poltrona Vronka, de Sergio Rodrigues, se revela um agradável canto de leitura.

O dormitório principal, destinado ao presidente, é o maior do palácio, com quase 80 m². A cama de tamanho superking parece pequena cercada pelo par de criados-mudos, todos criações de Anna Maria Niemeyer. A tela Altar, disposta na lateral, exibe o traço do artista brasiliense Taigo Meireles. Os espelhos redondos e a poltrona Moleca são de Sergio Rodrigues. Já o conjunto de poltronas verde-oliva foram escolhas de Anna Maria pinçadas da obra de Afra & Tobia Scarpa. Na parede junto à pequena mesa de refeições, tela de Aldemir Martins.

Deixe seu Comentário

Leia Também

POLÍTICA
Tereza Cristina demite ouvidor do Incra ligado ao PT
RODOVIA
Motorista que causou acidente com 3 mortes cometeu suicídio, diz PRF
EMPREGO
Funtrab tem mil oportunidades de emprego para trabalhadores da cultura da maçã
ENSINO
Faculdades do Senai da Capital e Dourados encerram dia 8 as inscrições do vestibular para 7 cursos superiores
FUTEBOL
Operário vence o Corumbaense por 2x0 na estreia do Campeonato Estadual
DOURADOS
Município troca interino na Secretaria de Obras Públicas
TV
Globo hostiliza jornalismo da Record e insinua parcialidade com Jair Bolsonaro
BALANÇO
Metade das prefeituras gastam menos de R$ 403 ao ano na saúde
CAMPO GRANDE
Três pessoas ficam feridas após atropelamento na Capital
SAÚDE
Grávidas que respiram ar poluído têm maior risco de aborto espontâneo, diz estudo

Mais Lidas

IVINHEMA
Assaltante é morto após invadir chácara, sequestrar duas vítimas e tentar roubar carros
FRONTEIRA
Jogador de futebol, ‘Alicate’ é executado com 26 tiros de fuzil
MONTE LÍBANO
Homem é preso acusado de tráfico de drogas por atacado
PARQUE DO LAGO
Casal é preso por promover festa para adolescentes com bebida alcoólica