Menu
Busca domingo, 18 de agosto de 2019
(67) 9860-3221

Tragédia anunciada é pura incompetência, por Dirceu Cardoso

14 janeiro 2013 - 15h00






Ainda vivemos sob o impacto das notícias sobre a falta de água para a geração de eletricidade (que pode levar ao racionamento), e já enfrentamos as tragédias causadas pela chuva. Pontos onde já ocorreram inundações, deslizamentos e mortes continuam com o mesmo problema vivido há um dois, três ou mais anos. De nada adiantaram as sentidas promessas de solução formuladas pelas autoridades e até as verbas destinadas pelo governo a algumas dessas áreas-problema. O dinheiro saiu do cofre público mas não chegou aos flagelados. Essa é a demonstração de um Brasil desorganizado, negligente e perdulário, que precisa mudar.


As cidades da serra fluminense, que tiveram o pico da desgraça nas chuvas de 2011, ainda se encontram sem solução para os milhares de desabrigados e para a sustentabilidade de sua infraestrutura. A chegada da estação das chuvas, que é previsível, trouxe de volta os riscos de novas tragédias. E o pior é que o Governo Federal para ali destinou verbas de emergência, mas os problemas não foram resolvidos. A histórica São Luiz do Paraitinga (SP) voltou a sofrer inundação e a contabilizar desabrigados nos últimos dias, quando as águas do rio subiram quatro metros. Zonas críticas até das capitais, há muito identificadas, continuam sofrendo enchentes e deslizamentos.


No ápice das catástrofes, prefeitos, governadores, parlamentares, ministros e até o presidente da República visitam a área comprometida e prometem solução. As comunidades são mobilizadas em trabalho comunitário de solidariedade. Mas quando a chuva acaba, em vez de se colocarem em campo para a solução dos problemas, todos se recolhem ao seu próprio dia-a-dia e parece se esquecerem do compromisso. Prefeitos, quando cobrados, reclamam falta de recursos, órgãos governamentais acusam a falta de projetos capazes de produzir a liberação de verbas e o povo, real prejudicado, continua desassistido.


Os prefeitos deveriam priorizar a solução dos problemas existentes em seus municípios. A maior parte das áreas foram ocupadas irregularmente e sob a negligência de seus antecessores. Mas isso não os faz menos responsáveis pelo que acontece hoje. Até porque, são sucessores dos que negligenciaram e, ao assumir, concordaram em gerir tanto o ativo quanto o passivo. Como autoridade mais próxima do problema, o prefeito tem toda a representatividade para agir e mobilizar os governos estadual e federal em busca de verbas e meios para socorrer sua população. Quando não o faz – e todos eles não o fazem – é pura negligência. Os que acabam de assumir o mandato precisam mudar essa sistemática.


Cada habitante que morre ou tem prejuízo causado pela chuva em locais que já tiveram problemas anteriormente, é culpa única e exclusiva do prefeito e sua equipe, que não cumpriram com suas obrigações administrativas. É preciso encontrar um meio de responsabilizá-los pela negligência. Algo parecido com a hoje temida Lei de Responsabilidade Fiscal, que leva até à inelegibilidade o governante relapso com as finanças. A responsabilidade não deveria ser apenas fiscal, mas total...





(*)Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves – dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo)

aspomilpm@terra.com.br

Deixe seu Comentário

Leia Também

INTERNACIONAL
Ministro da Fazenda da Argentina deixa cargo
ESPORTES
Seleção Sub-17: convocados para amistosos na Inglaterra em setembro
MS
Veículo pega fogo e fica totalmente destruído em acidente, na MS-276
MS
Motorista embriagado abandona carro no meio da rua com celular e pistola dentro
CULTURA
III Festival da Canção da UEMS será neste domingo em Dourados
BRASIL
Maior rendimento do FGTS exige atenção na hora do saque
CAMPO GRANDE
Motociclista morre após avançar via preferencial
MS
“Operação Divisa Segura VII” prende foragido da polícia
MS
Criminoso foge e polícia apreende carro “recheado” de maconha
POLÍTICA
Morre, aos 96 anos, o ex-ministro Roberto Herbster Gusmão

Mais Lidas

DOURADOS
Acidente com morte pode ter ocorrido após motociclista ser fechado por carro
BR-163
Passageira morre após homem colidir moto contra placa de sinalização em Dourados
DOURADOS
Homem fica ferido após estouro de equipamento na Cabeceira Alegre
POLÍTICA
PSL lança nome para Prefeitura de Dourados e senadora descarta aliança com tucanos