Menu
Busca segunda, 15 de outubro de 2018
(67) 9860-3221
SAÚDE

Como a alimentação pode combater a ansiedade?

11 setembro 2017 - 06h45

Quando a ansiedade é excessiva traz prejuízos sociais e para a saúde, para lidar com esse mal existem diversos caminhos, um deles é a alimentação. Sabemos que a deficiência de alguns aminoácidos e micronutrientes prejudica a produção de neurotransmissores que podem causar modificações no humor e sono, e que os alimentos têm o poder de alterar os nossos estados emocionais.

Confiram quais: Leite, ovos e derivados magros: ótima fonte de um tipo de aminoácido, o triptofano, que alivia os sintomas de ansiedade, ele aumenta a produção de serotonina, o hormônio da felicidade, que é um neurotransmissor capaz de relaxar e dar sensação de bem-estar.

Banana: estudos comprovam que esta fruta ajuda no combate da depressão e alivia os sintomas da ansiedade. Graças ao alto teor de triptofano e vitaminas do complexo B a fruta contribui na produção de serotonina.

Grãos, cereais integrais e castanhas: ricos em vitaminas do complexo e magnésio, que atua nas funções cerebrais relacionadas à memória e cognição;

Vegetais verdes escuros (espinafre, almeirão, brócolis): fonte de ácido fólico, que é uma vitamina que quando está em baixas concentrações no organismo, pode diminuir os níveis cerebrais de serotonina.
Carnes e peixes: melhor fonte natural de triptofano, aminoácido que em conjunto com a vitamina B3 e o magnésio produzem serotonina, importante no processo do sono, do humor.

Chocolate amargo: rico em flavonóides, antioxidante que também favorece a produção de serotonina, neurotransmissor responsável pela sensação de bem-estar e que melhora o humor, reduzindo a sensação de ansiedade. O recomendado é de no máximo 30 gramas de chocolate por dia. E de preferência ao chocolate amargo.

Além dos alimentos recomendados, alguns hábitos saudáveis podem ajudar a combater a ansiedade como, começar o dia com um café da manhã equilibrado, evitando a hipoglicemia que costuma acontecer na metade da manhã, ocasionado o estresse, além de se alimentar em intervalos regulares, dormir suficiente (para produção de hormônios essenciais) e por fim praticar a atividade física, pois libera serotonina, o neurotransmissor responsável pelo bem estar!

Alimentos têm, sim, o poder de alterar os estados emocionais, mas que, sozinhos, fazem muito pouco. São coadjuvantes. Precisam estar combinados com exercícios físicos e um estilo de vida equilibrado.

Especialização em Nutrição Esportiva, Terapia Nutricional, Nutrição Clínica e Fitoterapia - CRN3 27940. Escreve para o Dourados News. E-mail: contatonutrifernanda@gmail.com*

Deixe seu Comentário

Leia Também

ELEIÇÕES 2018
Deputados federais eleitos em MS gastaram de R$ 0,02 a R$ 33 por voto
ELEIÇÕES 2018
Bolsonaro afirma que vai resgatar o respeito em sala de aula
GERAL
Ganhadora de carro 0km do Grupo ABV é de Dourados
DOURADOS
Semana Nacional de Ciência e Tecnologia será nas aldeias Bororó e Jaguapiru
RURAL
MS inicia outubro com quase 90% da safra 2017/18 de soja comercializada
DOURADOS
Família busca notícias de mulher que abandonou carro e embarcou na rodoviária
EDUCAÇÃO
Último dia de pagamento da taxa de inscrição de concurso público do IFMS
DIA DO PROFESSOR
Brasil tem mais de 2,5 milhões de professores
FRONTEIRA
Motociclista morre atropelado ao tentar ultrapassar carreta pela direita
JARDIM MONTE LÍBANO
Policiais douradenses são presos por assalto a família

Mais Lidas

DOURADOS
Ciclista sofre atropelamento e fica em estado gravíssimo
DOURADOS
Traficante que atuava com “disk drogas” é preso
TRAGÉDIA
Douradense morre em acidente no RS
DOURADOS
Dois são presos por promover festa para menores de idade “regada” com bebida alcoólica