Menu
Busca sexta, 18 de janeiro de 2019
(67) 9860-3221
SAÚDE

Como a alimentação pode combater a ansiedade?

11 setembro 2017 - 06h45

Quando a ansiedade é excessiva traz prejuízos sociais e para a saúde, para lidar com esse mal existem diversos caminhos, um deles é a alimentação. Sabemos que a deficiência de alguns aminoácidos e micronutrientes prejudica a produção de neurotransmissores que podem causar modificações no humor e sono, e que os alimentos têm o poder de alterar os nossos estados emocionais.

Confiram quais: Leite, ovos e derivados magros: ótima fonte de um tipo de aminoácido, o triptofano, que alivia os sintomas de ansiedade, ele aumenta a produção de serotonina, o hormônio da felicidade, que é um neurotransmissor capaz de relaxar e dar sensação de bem-estar.

Banana: estudos comprovam que esta fruta ajuda no combate da depressão e alivia os sintomas da ansiedade. Graças ao alto teor de triptofano e vitaminas do complexo B a fruta contribui na produção de serotonina.

Grãos, cereais integrais e castanhas: ricos em vitaminas do complexo e magnésio, que atua nas funções cerebrais relacionadas à memória e cognição;

Vegetais verdes escuros (espinafre, almeirão, brócolis): fonte de ácido fólico, que é uma vitamina que quando está em baixas concentrações no organismo, pode diminuir os níveis cerebrais de serotonina.
Carnes e peixes: melhor fonte natural de triptofano, aminoácido que em conjunto com a vitamina B3 e o magnésio produzem serotonina, importante no processo do sono, do humor.

Chocolate amargo: rico em flavonóides, antioxidante que também favorece a produção de serotonina, neurotransmissor responsável pela sensação de bem-estar e que melhora o humor, reduzindo a sensação de ansiedade. O recomendado é de no máximo 30 gramas de chocolate por dia. E de preferência ao chocolate amargo.

Além dos alimentos recomendados, alguns hábitos saudáveis podem ajudar a combater a ansiedade como, começar o dia com um café da manhã equilibrado, evitando a hipoglicemia que costuma acontecer na metade da manhã, ocasionado o estresse, além de se alimentar em intervalos regulares, dormir suficiente (para produção de hormônios essenciais) e por fim praticar a atividade física, pois libera serotonina, o neurotransmissor responsável pelo bem estar!

Alimentos têm, sim, o poder de alterar os estados emocionais, mas que, sozinhos, fazem muito pouco. São coadjuvantes. Precisam estar combinados com exercícios físicos e um estilo de vida equilibrado.

Especialização em Nutrição Esportiva, Terapia Nutricional, Nutrição Clínica e Fitoterapia - CRN3 27940. Escreve para o Dourados News. E-mail: contatonutrifernanda@gmail.com*

Deixe seu Comentário

Leia Também

DOURADOS
Prejuízo ao narcotráfico chega a R$ 28 mi, aponta balanço
SAÚDE MENTAL
Depressão: precisamos falar sobre
VIAGEM
Praia do Rosa tem como 'charme' a bela natureza preservada
DOURADOS
Polícia não encontra e João Fava Neto é considerado foragido da Justiça
SÓ NO TRUQUE
Como ficar mais alta mesmo sem usar salto
ESPORTE
Game pantaneiro de beach tennis promete movimentar as areias do Belmar Fidalgo no fim de semana
HUMMMM!
Salada de Arroz com berinjela
ARQUITETURA
Reforma elimina paredes e garante vista panorâmica
EDUCAÇÃO
Notas do Enem já estão disponíveis para consulta
POLÍCIA
Rapaz é preso acusado de realizar ‘disk-droga’ em Dourados

Mais Lidas

VINGANÇA
Após execução, fronteira entra em alerta para “guerra sangrenta” por domínio do tráfico
FRONTEIRA
Ex-candidato a prefeito, tio de narcotraficante é executado em Ponta Porã
DOURADOS
Homem danifica carro por vingança em estacionamento de hipermercado e acaba preso
PARANHOS
Operação contra traficantes que abasteciam morros cariocas prende dois em MS