Menu
Busca terça, 19 de fevereiro de 2019
(67) 9860-3221
SAÚDE DA PELE

Saiba o que é a Hanseníase e como tratá-la

14 fevereiro 2018 - 10h26Por Guilherme Pires

O Dourados News trata hoje (14), no caderno Saúde&Estética, sobre uma doença pouca falada e infelizmente, desconhecida por muitos. A Hanseníase. Você sabe o que é? Já ouviu falar sobre? Conhece alguém que tem ou já teve? 

O que é?

Hanseníase é uma doença infectocontagiosa que atinge os nervos periféricos e pele, podendo acometer outros órgãos. Se não diagnosticada e tratada no início, a doença pode levar à incapacidade física.

Sintomas

Os sintomas são manchas esbranquiçadas, avermelhadas ou amarronzadas em qualquer parte do corpo, com diminuição ou perda da sensibilidade ao calor, à dor e ao tato. A áreas afetada tem diminuição dos pelos e do suor.

Em alguns casos, há o surgimento de caroços e inchaços no corpo, diminuição da sensibilidade e ou da força muscular de olhos, mãos e pés. Dor e sensação de choque, fisgadas e agulhadas ao longo dos nervos dos braços, mãos, pernas e pés, também são alguns dos sintomas.

Transmissão

Apenas as pessoas doentes, que não estão em tratamento, transmitem a hanseníase. A transmissão ocorre pelas vias aéreas superiores como tosse ou espirro, e é transmitida de pessoa para pessoa.

Tratamento e Cura

A doença tem cura e seu tratamento é gratuito, realizado pelo SUS (Sistema Único de Saúde). É feito por via oral, com uma associação de três antibióticos. Os medicamentos são seguros e eficazes. Porém o paciente deve tomar a primeira dose mensal supervisionada pelo profissional de saúde. As demais são autoadministradas. 

Já no início do tratamento, a doença deixa de ser transmitida. Família e amigos, além de apoiar, também devem ser examinados.

Dados

O Ministério da Saúde divulgou em janeiro do ano passado, que o número de pessoas com Hanseníase no Brasil nos últimos anos, teve uma redução de 34,1%, passando de 43.652, em 2006, para 28.761 em 2015.

A redução está associada à queda de 39,7% da taxa de detecção geral do País, que passou de 23,37 por 100 mil habitantes, em 2006, para 14,07/100 mil habitantes em 2015.

Os dados são resultados das ações implantadas no País para o enfrentamento da doença, com foco na busca ativa de casos novos para o diagnóstico na fase inicial; tratamento oportuno e cura, bem como a prevenção de incapacidades e deformidades físicas, principal causa do estigma e preconceito associados à doença.

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

ESPORTE
Funed conclui elaboração de calendário anual de atividades esportivas
APOSENTADORIA
Bolsonaro fará pronunciamento na TV para defender reforma da Previdência
PROJETO
UFGD seleciona shows musicais para o projeto Celebração 2019
CAMPO GRANDE
Júri é suspenso após advogada chorar e ameaçar suicídio
NOVA ANDRADINA
Adolescente que sufocou a filha de 28 dias fará tratamento psiquiátrico
RIO
Justiça nega indenização a Bolsonaro por declarações de Jean Wyllys
UEMS
Estão abertas as inscrições para Intercâmbio Sanduíche no Canadá
CAPITAL
Dupla em moto atira contra carro de autoescola; motorista é atingido
POLÍTICA
Câmara suspende decreto presidencial sobre sigilo de dados públicos
CAMPO GRANDE
Usuária de droga entrega filha de 2 anos ao ex-patrão e desaparece

Mais Lidas

TRAGÉDIA
Motociclista atropela, mata criança de 1 ano em Dourados e foge do local
DOURADOS
Motorista tenta desviar de outro veículo e bate carro em árvore
NOVA ANDRADINA
Mãe de 16 anos mata filha de apenas 21 dias
DOURADOS
Um ano após pedido de demissão, ex-secretário de Délia retorna à prefeitura