Menu
Busca quinta, 18 de julho de 2019
(67) 9860-3221

Reflexões de um vereador recém-eleito, por Marcelo Mourão

30 novembro 2012 - 10h33

Quando me lembro de como foi a minha campanha de candidato a vereador, chego a soluçar meus pensamentos na pausa constante de cada momento da dura caminhada. O contato direto com uma realidade desigual entre poderes e poderosos. O carinho sincero do eleitor consciente e o abraço abstrato do “amigo” mercenário. Percebi, porém, que muitos eleitores não estão acostumados a ouvir um não do candidato. Percebi que muitas vezes falar a verdade decepciona até mesmo quem jura nunca ter mentido. Dois lados de um mesmo caminho.

Em uma eleição se vê de tudo. Suor, lágrimas, gemidos e muitos interesses. Campanha tem pedido de voto e tem voto sendo vendido. Provar essa compra quase nunca é possível, pois quem vende e quem compra são cúmplices até no discurso.

Imaginem perder a eleição por um voto. Imaginem vencer a eleição por um voto. Voto a voto se constrói um caminho. Chegar ao topo nem sempre significa ser campeão de votos. Adversários agora, companheiros de chapa na próxima eleição. O jogo é assim. Todos por um e um voto decide um futuro inteiro.

Quero ver ganhar sem trapacear e sem mentir. Quero ver ser eleito com o voto dos conscientes. Quero ver fazer campanha diferente num universo onde todos os jugam iguais.

Fazer o quê se perder a eleição? Ora, continuar a militância da vida. Perder hoje significa ganhar amanhã. Ou quem sabe depois de amanhã. O importante mesmo é não ser corrupto, mensaleiro, canalha, mentiroso... O gostoso disso tudo é que numa campanha a eleição de alguém é certa. E diante disso, votar é uma obrigação, quando na verdade deveria ser uma missão. Missão de ser cidadão. Cidadão que mesmo descrente não nega sua história, tampouco ignora a sua força e o seu poder.

Quem sabe diante de tantas campanhas eleitorais, surjam líderes que amem seus iguais mesmo pensando diferente. Quem sabe o diferente,um dia, seja uma coisa boa de verdade e não mais uma mera enganação. Vencer uma eleição por mais difícil que seja, é fácil diante da imensa responsabilidade que é ser um grande político. Antes de ser candidato. Sou homem temente a Deus. Sou alguém que escolheu pagar o preço de ser um idealista que escreve o que o coração pensa e o que a cabeça sente.

Sou do avesso. Sou caminhante do tropeço, sou fim, meio e começo. Serei vereador por um determinado tempo. E humano por todo sempre, pois tenho consciência de que o poder é transitório. Não faço discurso, eu falo o que eu penso. Apenas isso. Julgas-me e condena-mepor ser assim? Que pena! Você não sabe como foram as minhas campanhas e as minhas lutas até chegar aqui.






Marcelo Mourão

Comunicador, escritor, membro da Academia Douradense de Letras e vereador eleito de Dourados-MS pelo PSD – Partido Social Democrático.

http://www.facebook.com/marcelopmourao

Deixe seu Comentário

Leia Também

UAU!
Maíra Charken aumenta temperatura com foto sensual: "Eclipse mexeu comigo"
CORUMBÁ
Mulher que denunciou médico diz que foi abusada em consulta: 'Me senti um lixo'
DIA 25
20º Festival de Inverno de Bonito começa na proxima semana
SAÚDE
Excesso de café aumenta chance de pressão alta em pessoas predispostas
TRÊS LAGOAS
Polícia procura ciclista que passou a mão em mulher no meio da rua
ECONOMIA
Governo deve anunciar nesta semana detalhes sobre saques do FGTS
MEIO AMBIENTE
Dona de funilaria é multada por lançar óleo na rua e causar acidente
FLAMENGO
MP devolve à Polícia Civil inquérito sobre tragédia no Ninho do Urubu
BONITO
Ladrões trapalhões furtam moto, mas sofrem queda e acabam presos
POLÍTICA
Mandetta vai lançar na Capital novo programa do Ministério da Saúde

Mais Lidas

DOURADOS
Execução de comerciante douradense foi “comemorada” com tiros em bairro da periferia
DOURADOS
Indígenas invadem propriedade e atacam policiais com flechas e coquetel molotov
DINHEIRO NOVO
Governo deve anunciar ainda esta semana a liberação de saques do FGTS
POLÍCIA
Polícia prende ladrão de moto e descobre ‘boca de fumo’ no Dioclécio Artuzi