Menu
Busca terça, 24 de abril de 2018
(67) 9860-3221
SEVILHA ODONTOLOGIA

Quase três séculos de pena..., por Dirceu Cardoso

30 novembro 2012 - 14h24




As penas impostas pelo STF (Supremo Tribunal Federal) aos 25 réus condenados na Ação Penal nº 470 (a do mensalão) totalizam 282 anos, 7 meses e 4 dias de prisão, além de R$ 22,373 milhões em multas, em valores de 2003 e 2004, que ainda deverão ser atualizados monetariamente. Nos próximos dias, os ministros deverão decidir se os três deputados condenados no processo perderão automaticamente (ou não) seus mandatos. Pode, no caso, surgir uma queda-de-braço entre o tribunal e a Câmara dos Deputados, que chama para si a atribuição de decidir sobre o mandato de seus integrantes.


A simples prolatação das sentenças é uma grande surpresa para a sociedade brasileira, já farta de tanta impunidade aos criminosos de colarinho branco. A própria demora na apuração do mensalão – que tramitou por 7 anos no STF – impacientava a população, que tinha a certeza de que esse megaescândalo, cometido nas salas contíguas às do presidente da República, teria o mesmo destino de tantos outros que também escandalizaram o povo e resultaram em nada.


Mas, o povo ainda quer mais. Além das penas já definidas, agora aguarda-se, com expectativa, a sua execução. No dia em que o primeiro dos réus for recolhido para o pagamento de sua dívida para com a sociedade, o povo brasileiros começara a respirar mais aliviado e terá mais motivos para acreditar que o país, efetivamente, está mudando. Embora insuflado pelo nefasto vício dos políticos de acusarem-se mutuamente com o objetivo de prejudicar eleitoralmente o adversário, o povo clama para que cada um dos condenados seja levado a pagar integralmente as suas penas, nem mais nem menos do que definiram os ministros, que têm conhecimento jurídico e fé pública para saberem o que estão fazendo.


Infelizmente, errantes de outros casos igualmente malcheirosos, que também povoaram o noticiário e liquidaram com a paciência do povo, tendem a continuar impunes por conta do compadrio e do corporativismo que tanto mal tem feito ao Brasil desde os tempos do império. Ainda existem outros casos não liquidados – que dormem em gavetas e sob a sombra de marotos recursos – que ainda podem ser avivados e levados para julgamento. Oxalá o exemplo do STF se alastre – por bem ou por pressão – para outras instâncias judiciais do país.


Quando os apenados do mensalão estiverem trancafiados, albergados, em prisão domiciliar ou prestando serviços à comunidade (conforme o que determina a pena de cada um), diminuirá a crença do povo de que cadeia foi feita apenas para pobre e desvalido. Os contumazes ladrões da pátria irão com menos sede ao pote, sabendo que, não o fazendo, poderão também terminar nas grades. E o país terá fortalecida a República em seu conceito maior, de que todos os cidadãos são iguais...





(*)Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves – dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo)

aspomilpm@terra.com.br

Deixe seu Comentário

Leia Também

SHOWBIZ
Após anunciar fim de namoro, Carol Portaluppi dilosofa sobre ter alguém
COMPENSAÇÃO
Senado aprova dar ao SUS 30% da arrecadação com multas de trânsito
MÚSICA
Festival Internacional de Chamamé começa sexta-feira na Capital
ÁGUA CLARA
Grupo é preso enquanto revendia combustível roubado de caminhões
LITERATURA
Clube da Leitura debate 'Hamlet' sexta-feira em Dourados
MEIO AMBIENTE
Homem com 40 quilos de pescado ilegal é autuado em R$ 1,5 mil
BR-267
Polícia apreende maconha, skunk, revólveres e munições em ônibus
JUSTIÇA
Ministros do Supremo admitem soltura e candidatura de Lula
COSTA RICA
Homem é condenado a 15 anos de reclusão por morte de advogado
CAMPO GRANDE
Ambiental recupera veículo roubado que seria utilizado em assalto

Mais Lidas

DOURADOS
Após apreensão em caminhão, maconha também é encontrada em barracão de reciclados
JARDIM GUANABARA
Farejador encontra maconha escondida em carga de recicláveis em Dourados
TRABALHO CONJUNTO
Dez são presos em operação que encontrou drogas em Dourados
DOURADOS
Maconha era escondida em meio a fardos de recicláveis em barracão