Menu
Busca quarta, 17 de julho de 2019
(67) 9860-3221
SAÚDE&ESTÉTICA

Outubro Rosa: amamentação previne câncer de mama

18 outubro 2017 - 11h40Por Da redação

O mês de outubro é o mês rosa, dedicado a prevenção do câncer de mama em todo o Brasil. E quando se fala de uma das doenças mais comuns entre as mulheres brasileiras, é melhor ficar atenta e se cuidar. De acordo com INCA (Instituto Nacional de Câncer), além dos exames frequentes de prevenção, amamentar é uma forma de prevenir o câncer de mama também.

Estudos apontam que para cada 12 meses de amamentação, a mãe reduz 4,3% do risco de desenvolver o câncer. O médico oncologista Ellias Magalhães explica que este tipo de câncer é desenvolvido de acordo com a exposição aos hormônios femininos que são produzidos em diferentes concentrações conforme o ciclo menstrual. 

Quanto maior o número de ciclos, mais a mulher fica exposta e tem mais chances de desenvolver o câncer. "A amamentação é um período de contracepção natural, no qual a mulher tem o seu ciclo reprodutivo suprimido (mesmo assim, não confie que não vai engravidar só porque está amamentando, claro). Sendo assim, quanto maior o período de amamentação, menor será a chance de desenvolver a doença, já que a mulher deixa de sofrer as ações dos hormônios que podem causar o câncer de mama”, explica o oncologista.

Outra hipótese do porquê de amamentar ser preventivo é que, durante a gestação e o aleitamento, o tecido mamário sofre alterações celulares que aumentam a funcionalidade da célula, o que, com o passar do tempo, poderia reduzir definitivamente o risco de desenvolver a doença. Sendo assim, mulheres que tiveram um maior número de gestações e/ou períodos de amamentação mais longos estariam mais protegidas.

Mas, mesmo para as grávidas, é indicado continuar com os exames preventivos, seguindo as mesmas regras de qualquer outra mulher. Caso tenha alguma suspeita, a mamografia pode ser indicada, sendo importante pedir uma proteção especial para o feto. O oncologista Ellias alerta ainda que, “No período de gestação, devido à alteração do tecido mamário, podem ocorrer formações de cistos, mastites, dentre outras coisas, que podem confundir o diagnóstico do câncer de mama. As pacientes devem estar atentas às alterações das mamas e se surgir dúvida deve comunicar ao médico”.

O ideal é que anualmente ou a cada dois anos, a mulher realize o exame clínico feito por um ginecologista ou oncologista e também a mamografia. Os médicos enfatizam um acompanhamento anual para mulheres entre 40 e 75 anos. 

Para as que correm risco maior de desenvolver a doença (mais de 20% de chance), é importante que, a partir dos 25 anos, já comecem um acompanhamento médico, realizando todos os exames necessário e complementares anualmente.

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

TRÂNSITO
Colisão entre carro e caminhão mata motorista na MS-276
YOUTUBER
Kéfera dá "adeus" a vida social por causa de série: "Vai sofrer"
RIO BRILHANTE
Homem tenta atropelar policiais e abandona carro furtado com 410kg de maconha
CAMPO GRANDE
Traficante é presa vendendo maconha próximo a cemitério
DOURADOS
Classes política e empresarial cobram bancada de MS e pedem "socorro" por obras no aeroporto
INTERNACIONAL
Bolsonaro participa da Cúpula do Mercosul na Argentina
DOURADOS
Vacinação antirrábica atende bairros da zona oeste
TERRA ROXA
Homem é preso em Dourados após descarregar revólver em árvore
FUTEBOL
Copa do Brasil define semifinalistas nesta quarta
DOURADOS
Após mortes e pedidos por segurança, Sejusp nomeia conselheiros para aldeias

Mais Lidas

DOURADOS
Coordenadora de Ceim é exonerada e pais fazem abaixo-assinado para tentar mantê-la
POLÍCIA
Investigação vê indícios de relação entre homicídios no Jardim Pantanal e Guanabara
DOURADOS
Assassinado em conveniência já cumpriu pena por tráfico e lavagem de dinheiro
DOURADOS
Upiran entrega carta de demissão a Délia e aguarda substituto para deixar Educação