Menu
Busca sexta, 20 de julho de 2018
(67) 9860-3221

Opinião Médica na Rede Social, por Américo Tângari Junior

06 junho 2011 - 15h02

Definitivamente vivemos a era da informação. Trata-se de uma realidade que se manifesta em todos os campos da atividade humana e, cada vez mais, nos surpreendemos com a capacidade da internet e das redes sociais de potencializar a influência dos cidadãos em estados democráticos ou, em casos emblemáticos, mobilizar politicamente povos que vivem sob ditaduras longevas.

Claro que nem tudo o que cai na rede é informação confiável. Há muita tolice e opinião desprovida de credibilidade navegando neste mar digital. Cabe ao usuário distinguir o que há de veracidade da mera especulação descartável. De qualquer forma, é indiscutível que, hoje, as informações circulam com uma velocidade inimaginável, em comparação com dez anos atrás.

Também na medicina o fenômeno começa a produzir impactos. Positivos, na maioria das vezes. Antes da popularização da internet, o paciente ia ao consultório e, após os necessários exames, tinha um diagnóstico e o procedimento indicado para sanar seu problema. Em alguns casos, buscava uma segunda opinião de outro profissional.

Atualmente, não é raro recebermos pacientes que, pesquisando na internet, já chegam com uma terceira opinião, que eu chamaria de opinião digital. Trata-se, na verdade, de um novo desafio para o médico que tem de se atualizar com uma rapidez impensável há alguns anos.

Na Europa e nos Estados Unidos, onde o uso da internet está largamente disseminado, e as inovações tecnológicas e a pesquisa médica avançam rapidamente, não é difícil o médico receber em consultório pacientes mais informados do que ele próprio. Evidentemente, essa terceira opinião é confrontada com critérios rigorosos que, independentemente da rede digital, não só ainda são válidos como indispensáveis para separar o que já possui validação consensual nas sociedades médicas de evidências científicas comprovadas.

Este filtro é mais do que necessário. Por exemplo, recentemente uma prestigiosa publicação médica americana revelou um estudo, que logo foi parar na rede, no qual pesquisadores concluíram que a restrição do sal na alimentação – até então, um consenso na comunidade médica, sobretudo para indivíduos considerados de risco – aumentava as chances de infarto e derrames cerebrais.

Assim, de uma hora para outra o sal deixou seu papel de vilão para se transformar em substância de prevenção a moléstia graves. O que fazer com evidências científicas, acumuladas em décadas, comprovando que há um alto percentual de indivíduos, cuja capacidade de eliminação do sal pelos rins é precária, o que lhes ocasiona a importante doença conhecida como pressão alta?

A resposta engloba dois ângulos simultâneos: o aprofundamento da pesquisa e o princípio de que cada indivíduo é único, cabendo ao seu médico conhecer suas características peculiares. Isto significa que o médico, além de ter o desafio de se atualizar a cada dia, deve se aprofundar no conhecimento de seu paciente para indicar-lhe o melhor tratamento.

Significa também maior democratização da medicina. O diálogo entre o médico e o paciente que já formulou uma opinião digital pesquisando na internet ficará mais facilitado e fluído. Como resultado, todos ganham.

Apesar da possibilidade de se vislumbrarem avanços e conquistas, é preciso reconhecer que estamos longe disso no Brasil. Aqui, a maioria da população não tem acesso às informações sejam as que circulam nas redes sociais ou as mais elementares. Esta parcela é a que também dispõe das maiores limitações financeiras. Com isso, este segmento populacional fica restrito aos tratamentos oferecidos pelos órgãos de saúde pública.

Na cardiologia, por exemplo, a diferença entre os procedimentos para uma angioplastia, que é uma cirurgia para desobstruir artérias, é significativa. Na rede pública de saúde, os pacientes recebem stents (tubo que permite desobstruir a artéria) simples. Já para o paciente cuja condição permite-lhe arcar com um plano de saúde, o procedimento inclui stents mais avançados sob o ponto de vista tecnológico e que, portanto, asseguram maior eficácia.

Como se vê, a democratização da saúde no Brasil ainda esbarra em obstáculos consideráveis. No entanto, a disseminação das informações médicas via o sistema eletrônico constitui processo irreversível e mais um passo para que cada vez mais os cidadãos possam reivindicar o melhor tratamento às suas moléstias.



Américo Tângari Junior é médico, especialista em cardiologia pela Sociedade Brasileira de Cardiologia e Associação Médica Brasileira. Integra a equipe de cardiologia cirúrgica do Hospital Beneficência Portuguesa de São Paulo.

Deixe seu Comentário

Leia Também

UEMS CAPITAL
Continuam abertas inscrições para cursos de Idiomas
ELEIÇÕES 2018
PDT lança candidatura de Ciro Gomes a presidente
ELEIÇÕES 2018
PDT "puxa fila" e PSDB e MDB finalizam convenções entre quem deve disputar o governo em MS
PROMOÇÃO
Sorteio da campanha Festival de Prêmios Abevê será amanhã
CAPITAL
Funcionário esfaqueia patrão, mulher e criança de 11 anos
CAMPO GRANDE
Idosa morre ao ser atropelada por motociclista sem CNH
APARECIDA DO TABOADO
Grupo é preso pescando com redes ilegais e tem barco, motor e pescado apreendidos
BRASIL
Regras de IOF sobre empréstimos são atualizadas pela Receita
NOVELA
Resumo de 'Segundo Sol' da semana de 23 a 28 de julho
LAMA ASFÁLTICA
PF diz que prisão foi baseada em novas provas contra Puccinelli

Mais Lidas

DOURADOS
Ladrões levaram mais de R$ 1,5 mil em assalto a padaria
DOURADOS
Polícia prende trio acusado de assaltar padaria no III Plano
OPERAÇÃO ECHELON
Facção tem "casa de apoio" para presos em MS
MS-156
Traficantes abandonam caminhonete com mais de 1t de maconha