Menu
Busca terça, 16 de outubro de 2018
(67) 9860-3221

O saudável exercício de discordar, por Roni de Oliveira Franco

29 novembro 2012 - 09h35



A unanimidade continua sendo muito burra, inclusive no âmbito da gestão empresarial, a despeito detodos os instrumentos de normalização, burocracia, processos voltados à padronização de práticas e tecnologias que substituem tarefas operacionais.Tudo isso é muito importante e contribui para a boa administração e a produtividade, desde, claro, que não haja exageros. Contudo, seguem absolutamente indispensáveis a capacidade crítica, juízo de valores, intuição, criatividade, emoção e sensibilidade do capital humano.

E, se é humano, não há concordância sempre e incondicional. Discordar é preciso, é saudável e inevitável. É das divergências, múltiplas opiniões, distintas visões, vivências diferentes e experiências “idas e vividas” (como diria o grande Machado de Assis) que surgem as grandes ideias, as soluções mais eficazes e o conteúdo criativo que estabelece os diferenciais e a identidade própria de cada empresa.

A discórdia, contudo, deve ser sempre construtiva e não um fator suficientemente forte para romper a sinergia e inviabilizar a gestão, colocando em risco a própria continuidade do negócio, à medida que ameace os laços da sociedade. Assim, em toda organização societária, pequena, média ou grande, é necessário que haja mecanismos preestabelecidos que regulem a solução de divergências insolúveis por meio do diálogo.

Tais ferramentaspreventivas podem ser desde um item específico no contrato social, pactos e/ou aditivos contratuais extraordinários, no caso de empresas pequenas e médiase/ou companhias limitadas, ou as próprias normas da governança corporativa nas sociedades por ações. O mais importante, em todos os casos, é a garantia de que uma discordância não passível de acordo possa interromper a boa continuidade do negócio, inviabilizar a relação dos sócios gestores e levar a organização àderrocada.

A justiça, normalmente a última instância para buscar a solução de conflitos dessa natureza, deve ser evitada a todo o custo. Em primeiro lugar, pelo fato de que, se o problema chegar às barras dos tribunais, está claro que são mínimas as chances de uma conciliação duradoura e capaz de reconstruir uma gestão harmoniosa do negócio. Em segundo lugar, porque os trâmites no Judiciário são lentos, podendo gerar uma letargia fatal para a continuidade da empresa.

Assim, as melhores soluções encontram-se na obediência de todos os envolvidos às regras previamente estabelecidas para solucionar divergência ou à governança corporativa e, na ausência destas, à negociação, arbitragem e mediação. Para todos esses casos, se necessário, pode se contar com a ajuda profissional eficiente. O melhor mesmo é ter consciência de que o debate de ideias diferentes que permeou a construção de um negócio de sucesso não deve ser ofator de sua destruição. Discordar é preciso, mas o entendimento e o diálogosão fundamentais!

(*)Ronide Oliveira Franco é administrador de empresas, sócio da Trevisan Gestão & Consultoria e professor da Trevisan Escola de Negócios.

E-mail: roni.franco@tgec.com.br.

Deixe seu Comentário

Leia Também

UAU
Marina Moschen celebra aniversário com clique de biquíni em Noronha
CRIME AMBIENTAL
Fazendeiro paranaense é autuado por derrubada de árvores nativas
ELEIÇÕES 2018
TSE convoca campanhas dos presidenciáveis para debater notícias falsas
FRONTEIRA
Dona de bar é presa por prostituir adolescente de 14 anos
EDSON FACHIN
Ministro do STF arquiva inquérito sobre Zeca do PT e Blairo Maggi
PIONEIRO
Morre Paul Allen, cofundador da Microsoft, aos 65 anos
AMAMBAI
Prefeitura decreta situação de emergência por conta dos temporais
RURAL
Agroecologia é tema de feira internacional em Mato Grosso do Sul
Governo volta atrás e mantém início do horário de verão no dia 4
HU
Congresso de Ensino vai reunir estudantes e pesquisadores em Dourados

Mais Lidas

DOURADOS
Família busca notícias de mulher que abandonou carro e embarcou na rodoviária
JARDIM MONTE LÍBANO
Policiais douradenses são presos por assalto a família
FATALIDADE
Voluntário morre ao cair de “trenzinho” durante o Dia das Crianças em Dourados
PEDRO JUAN
Foragido, narcotraficante brasileiro é preso durante operação no Paraguai