Menu
Busca Sábado, 20 de Janeiro de 2018
(67) 9860-3221
Corpal - Dezembro 2017

O saudável exercício de discordar, por Roni de Oliveira Franco

29 Novembro 2012 - 09h35



A unanimidade continua sendo muito burra, inclusive no âmbito da gestão empresarial, a despeito detodos os instrumentos de normalização, burocracia, processos voltados à padronização de práticas e tecnologias que substituem tarefas operacionais.Tudo isso é muito importante e contribui para a boa administração e a produtividade, desde, claro, que não haja exageros. Contudo, seguem absolutamente indispensáveis a capacidade crítica, juízo de valores, intuição, criatividade, emoção e sensibilidade do capital humano.

E, se é humano, não há concordância sempre e incondicional. Discordar é preciso, é saudável e inevitável. É das divergências, múltiplas opiniões, distintas visões, vivências diferentes e experiências “idas e vividas” (como diria o grande Machado de Assis) que surgem as grandes ideias, as soluções mais eficazes e o conteúdo criativo que estabelece os diferenciais e a identidade própria de cada empresa.

A discórdia, contudo, deve ser sempre construtiva e não um fator suficientemente forte para romper a sinergia e inviabilizar a gestão, colocando em risco a própria continuidade do negócio, à medida que ameace os laços da sociedade. Assim, em toda organização societária, pequena, média ou grande, é necessário que haja mecanismos preestabelecidos que regulem a solução de divergências insolúveis por meio do diálogo.

Tais ferramentaspreventivas podem ser desde um item específico no contrato social, pactos e/ou aditivos contratuais extraordinários, no caso de empresas pequenas e médiase/ou companhias limitadas, ou as próprias normas da governança corporativa nas sociedades por ações. O mais importante, em todos os casos, é a garantia de que uma discordância não passível de acordo possa interromper a boa continuidade do negócio, inviabilizar a relação dos sócios gestores e levar a organização àderrocada.

A justiça, normalmente a última instância para buscar a solução de conflitos dessa natureza, deve ser evitada a todo o custo. Em primeiro lugar, pelo fato de que, se o problema chegar às barras dos tribunais, está claro que são mínimas as chances de uma conciliação duradoura e capaz de reconstruir uma gestão harmoniosa do negócio. Em segundo lugar, porque os trâmites no Judiciário são lentos, podendo gerar uma letargia fatal para a continuidade da empresa.

Assim, as melhores soluções encontram-se na obediência de todos os envolvidos às regras previamente estabelecidas para solucionar divergência ou à governança corporativa e, na ausência destas, à negociação, arbitragem e mediação. Para todos esses casos, se necessário, pode se contar com a ajuda profissional eficiente. O melhor mesmo é ter consciência de que o debate de ideias diferentes que permeou a construção de um negócio de sucesso não deve ser ofator de sua destruição. Discordar é preciso, mas o entendimento e o diálogosão fundamentais!

(*)Ronide Oliveira Franco é administrador de empresas, sócio da Trevisan Gestão & Consultoria e professor da Trevisan Escola de Negócios.

E-mail: roni.franco@tgec.com.br.

Deixe seu Comentário

Leia Também

CAPITAL
Homem é preso por estuprar enteada de 7 anos
Homem é preso por estuprar enteada de 7 anos
POLÍTICA
Regras mais transparentes para partidos serão analisadas pela CCJ
Regras mais transparentes para partidos serão analisadas pela CCJ
POLÍCIA
Acidente entre carreta e moto deixa um morto e um ferido
Acidente entre carreta e moto deixa um morto e um ferido
MEDIDA
Projeto proíbe multa em fatura que vencer em fim de semana ou feriado
POLÍTICA
Temer se reúne no Alvorada com AGU e ministro da Justiça
Temer se reúne no Alvorada com AGU e ministro da Justiça
MS
Estado investe R$ 2 milhões na implantação de antiga estrada que beneficia três municípios
CAMPO GRANDE
Adolescente de 14 anos é morto em casa de shows
Adolescente de 14 anos é morto em casa de shows
INVESTIGAÇÃO
MP aponta interferência em gravações do dia em que Garotinho relata agressão
MP aponta interferência em gravações do dia em que Garotinho relata agressão
DOURADOS
Mulher é assaltado quando ia para o trabalho
Mulher é assaltado quando ia para o trabalho
INVESTIGAÇÃO
Comissão de Ética da Presidência julgará executivos afastados da Caixa
Comissão de Ética da Presidência julgará executivos afastados da Caixa

Mais Lidas

Homem é executado com 12 tiros de pistola 9 milímetros
DROGAS
Douradense é preso durante “Operação Tagi” desenvolvida pelo GAECO
GUERRA DE FACÇÕES
Justiça determina prisão de 11 envolvidos em morte brutal e liga crime ao PCC
Justiça determina prisão de 11 envolvidos em morte brutal e liga crime ao PCC
Morre em Dourados aos 66 anos Joãozinho Engraxate