Menu
Busca Sexta, 19 de Janeiro de 2018
(67) 9860-3221

O Jornalismo enquanto campo de batalha profissional, por Helton Costa

03 Dezembro 2012 - 10h35


Quando o leitor recebe notícias diariamente nos mais diversos suportes
midiáticos, não tem ideia da luta que trabalhadores do jornalismo
enfrentam dentro das redações para organizar fragmentos de uma
realidade complexa em forma de notícia, recorte de um todo que acaba
por ser influenciado pela visão de mundo do próprio jornalista e
também do meio de comunicação onde está inserido.

Não que esses textos, escritos ou falados não sejam reais, porque o
são, a verdade é que eles não são uma realidade como uma realidade
plena, são partes dela, construídas ou reconstruídas, como bem lembra
o professor e pesquisador Nelson Traquina.

Nesse processo de transmissão de parte dessa realidade, o profissional
acaba sujeito a rotinas jornalísticas onde há que se levar em
consideração, desde o grau de formação intelectual de quem se propõe a
exercer a profissão até qual o posicionamento ideológico do próprio
veículo de comunicação onde esse profissional labuta.

No que tange à formação intelectual, uma formação superior é um bom
“ponta pé” de partida para quem quer entrar no campo profissional.
Porém, o jornalista não controla todo o processo.

Em sete anos de profissão, já ouvi, presenciei e vivi casos em que
simplesmente a notícia é barrada pela direção do jornal por “atentar”
contra os princípios comerciais da empresa ou por ter um foco
diferente do que a direção entende ser o correto.

Isso explica em parte ao leitor, porque determinados assuntos são
tratados de um jeito e não de outro, mas também pode gerar algo
perigoso à democracia, que é a autocensura profissional, quando o
jornalista começa a ignorar certos assuntos para manter-se no cargo
que ocupa.

Pior que isso é alinha-se ao procedimento empresarial ou ainda
praticar o famoso “jabá”, recebendo de anunciantes ou grupos
capitalistas privados ou públicos (governos, por exemplo) para não
noticiar ou só noticiar assuntos de interesse desses grupos. Quando
isso acontece, a função social da profissão cai por terra e o informar
transfigura-se em mero divulgar.

Ética e realidade profissional se chocam e o jornalismo, em princípio
um instrumento de comunicação social, depara-se com o interesse do
mercado, comprometido com o lucro puro e simples.

Nesse campo de batalha, o jornalista não precisa ser o exército de um
homem só. Deve claro, refletir sobre seu fazer profissional, ampliar
essa discussão dentro da própria cabeça diariamente, mas de pode
fazê-la também de maneira coletiva no sindicato da categoria. Quando
há uma reflexão verdadeira, quem ganha é a sociedade, que deveria ser
nosso verdadeiro “patrão”. O benefício será para aquele leitor do
começo do texto, que recebe a informação sem saber a luta diária que
se dá dentro das redações e de cada um de nós.

(*) Jornalista, mestre em Comunicação pela Unesp, filiado ao Sindicato
dos Jornalista Profissionais da Grande Dourados e professor
universitário.

Deixe seu Comentário

Leia Também

EITA, EITA!
Participante do BBB18 adora mandar nudes
POLÍTICA
Recurso é negado pela Justiça Federal e interrogatório de Lula é mantido
REGIÃO
Em parceria com prefeito Marquinhos, Geraldo garante novas ações para Vicentina
ECONOMIA
Dólar tem nova queda e volta a R$ 3,20
Dólar tem nova queda e volta a R$ 3,20
POLÍCIA
Trio de assaltantes atira em idoso durante assalto
Trio de assaltantes atira em idoso durante assalto
BONITO
Tio encontra sobrinho morto no quintal de casa
Uma trouxinha de maconha foi encontrada no quarto do jovem;
MS
Divulgada resolução que orienta sobre inscrições no Programa Vale Universidade
Divulgada resolução que orienta sobre inscrições no Programa Vale Universidade
MEDIDA
Moro ordena transferência de Sérgio Cabral do Rio para o Paraná
MEDIDA
Construtora deve manter acordo contratual sem cobrança de juros abusivos
Construtora deve manter acordo contratual sem cobrança de juros abusivos
DESMATAMENTO
Operação Cervo-do-Pantanal autua oitavo fazendeiro em Jardim

Mais Lidas

REAJUSTE
Agetran define novo valor da tarifa do transporte público em Dourados
MAQUINADO
Polícia acredita que o empresário que matou a ex tenha planejado o crime
DOURADOS
Chuva intensa alaga túnel do Parque das Nações II
JARDIM DAS PRIMAVERAS
Foragido da justiça é preso por posse de munições de uso restrito