Menu
Busca segunda, 27 de maio de 2019
(67) 9860-3221

O Ideb das escolas particulares, por Francisca Paris

08 janeiro 2013 - 18h55

#####.

A divulgação do mais recente Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) traz sempre informações relevantes para os gestores da rede pública. Mas não só para a rede pública: há também uma amostra da rede particular a cujos dados os gestores costumam dar pouca importância, contentando-se em constatar que o desempenho médio das escolas privadas é superior ao das públicas. Contudo, um gestor prudente pensa no médio e longo prazo, precisando analisar com cuidado todas as informações sobre o ambiente em que atua – ou ficará sob o risco de surpresas com a mudança paulatina de cenário.

No relatório do Ideb há muitas informações interessantes, mas podemos nos restringir, no espaço deste artigo, a um olhar mais global sobre o desempenho da rede privada. O Ideb diz que as escolas particulares não alcançaram a meta para 2011 no Ensino Fundamental I (nota 6,5, contra meta de 6,6), no Ensino Fundamental II (nota 6,0, contra meta de 6,2) e no Ensino Médio (nota 5,7, contra meta de 5,8).

Tudo bem. Pode-se argumentar que a diferença é muito pequena e que ainda assim os resultados superam em muito os da rede pública. Mas isso é muito pouco, quando se olha a planetária corrida pela melhoria da educação. O Brasil tem muito a caminhar na oferta de um ensino de qualidade. Indicadores internacionais, como o Programa Internacional de Avaliação de Alunos (Pisa), deixam claro que, mesmo se considerados os resultados da rede privada, o Brasil ainda está muito atrás dos países da Comunidade Econômica Europeia.

O investimento em programas de aprimoramento contínuo do trabalho pedagógico precisa ser um processo permanente. No entanto, muitas escolas ainda não se deram conta disso. A sociedade do século XXI demanda novas gerações mais bem preparadas, sob todos os pontos de vista, e a escola particular tem um papel fundamental na formação de elites. Descuidar dessa posição é um erro estratégico e o preço a se pagar pode ser a futura perda de prestígio social e de espaço no mercado educacional.

Em muitas cidades do interior, onde as redes públicas municipais avançam mais rapidamente nos processos de melhoria, as escolas particulares já sofrem com a perda de alunos. Ao mesmo tempo, políticas afirmativas de acesso ao ensino superior, como as cotas, acirram ainda mais a competição pelas vagas nas melhores universidades.

Assim, a divulgação do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) é uma oportunidade para refletirmos sobre uma questão que é imediata e decisiva para todos – e muitas escolas da rede particular precisam se dar conta dessa urgência.



Francisca Paris é pedagoga, mestra em Educação e diretora de serviços educacionais do Ético Sistema de Ensino (www.sejaetico.com.br), da Editora Saraiva

Deixe seu Comentário

Leia Também

VIOLÊNCIA
Campanha Estadual de Combate ao Feminicídio será lançada nesta segunda
DOURADOS
Mais um preso é encontrado morto no raio 2 da PED
BRASIL
Presidente destaca "caráter pacífico" de atos em defesa do governo
CORUMBÁ
Boliviana é presa pela Polícia Federal com 17 quilos de cocaína
FUTEBOL
Times de MS se complicam na Série D do Brasileiro
DOURADOS
Carga de cocaína avaliada em mais de R$ 5 milhões é apreendida em ônibus de turismo
ECONOMIA
Safra de milho em MS deve chegar a 9,5 milhões de toneladas
ELDORADO
Polícia apreende veículo carregado com quase 40 quilos de cocaína
ACORDOS
Começa hoje a 5ª Semana Nacional da Conciliação Trabalhista
BELA VISTA
Jovem morre após ser esfaqueado no peito durante festa

Mais Lidas

ITAQUIRAÍ
Empresário é executado no Sul do Estado
TRÁFICO
Ação conjunta apreende 556 quilos de cocaína em ônibus de turismo religioso
FLAGRANTE
Polícia prende grupo caçando com 19 cães e lanças para abate
ITAQUIRAÍ
Comerciante foi executado com cinco tiros enquanto lavava residência