Menu
Busca sexta, 14 de dezembro de 2018
(67) 9860-3221
MODA&CIA

Substituto do cadarço de tênis chega ao Brasil em outubro

29 setembro 2017 - 13h09

A Hickies, que vende tiras elásticas que pretendem substituir os cadarços tradicionais de tênis, começará a vender seu produto no Brasil em outubro. A empresa americana chegou ao país após a compra de 10% das suas ações pelo grupo Sforza, do empresário Carlos Wizard Martins.

A proposta do produto é de que sejam colocados nos orifícios dos calçados, ligando os dois lados. Dessa forma, é possível usar tênis sem necessidade de amarrar cadarços, já que as tiras puxam as bordas para dentro, para manter o pé firme.

Segundo Martins, o negócio chamou atenção por causa do desempenho da empresa, que tem dobrado de faturamento nos últimos anos.

Ele diz que o produto deve ter apelo entre atletas e consumidores das marcas esportivas. “Esse elemento tem a ver com o nosso cliente. E eu, particularmente, detesto cadarço. Nenhum dos meus sapatos os têm”, diz o empresário.

As vendas das tiras elásticas acontecerão nas lojas que já distribuem produtos das marcas Topper e Rainha, pertencentes ao grupo Sforza, e pela internet – como sites da Netshoes e Bayard. Os produtos serão comercializados em pacotes de doze unidades por 39,90 reais, em treze cores.

Outra aposta de público são jovens e pessoas ligadas à moda – a empresa estuda lançar no país uma linha com cristais Swarovski, já vendida lá fora.

Para o criador do produto, Gaston Frydlewski, a estimativa é de que as tiras, atualmente vendidas em 47 países, tenham aceitação rápida no Brasil por causa das Havaianas. “O consumidor brasileiro já está habituado a usar coisas coloridas nos pés, e o material delas é parecido com o do Hickies”, diz.

A empresa vende por ano cerca de 2 milhões de pacotes do produto, metade deles nos Estados Unidos. A expectativa é de que as vendas no Brasil alcancem cerca de 1 milhão de pacotes nos próximos anos. “O Brasil deve ser, ao lado de Estados Unidos e China – onde pretendemos começar as vendas em breve – , um dos nossos principais mercados”, diz Frydlewski.

A empresa já detectou falsificações sendo vendidas no mercado chinês antes mesmo de fazer lançamento no país. A aposta é de que o material da Hickies, em razão do investimento na pesquisa para desenvolvê-lo, não consiga ser copiado nos próximos anos por outros fabricantes. A diferença seria a durabilidade, que a empresa diz ser maior que a de produtos similares.

O setor calçadista brasileiro produziu 994 milhões de pares em 2016, segundo dados da Associação Brasileira das Indústrias de Calçados (Abicalçados).

Deixe seu Comentário

Leia Também

BRASIL
Bolsonaro indica que atuará pela extradição de Battisti para a Itália
DOURADOS
Calor continua e sensação térmica chega a 34ºC
CAMPO GRANDE
Capital recebe evento de MMA nesse final de semana
GERAL
IFMS publica Plano de Desenvolvimento Institucional para os próximos cinco anos
TV
Um ano após saída da Globo, William Waack mantém negociações com a Band
ESPORTE
Atletas representam Mato Grosso do Sul no Ilha Porchat Cup de Beach Tennis
MULHERES
Espartilho para afinar a cintura faz mal?
BRASIL
Bolsonaro diz que revisará contratos de publicidade da Caixa
BONITO
Programe-se e veja o sol na Gruta Azul
NA BR-267
Dupla é presa e 215kg de maconha são apreendidos

Mais Lidas

BOAS FESTAS
Operação contra tráfico e roubo termina com cinco presos em Dourados
LUTO
Morre em Dourados empresário dono de tradicional restaurante
MESA DIRETORA
Após polêmicas e ‘novela’, Alan Guedes é eleito presidente da Câmara de Dourados
BOAS FESTAS
Ação conjunta mira traficantes em Dourados