Menu
Busca quarta, 23 de outubro de 2019
(67) 9860-3221
MODA&CIA

Substituto do cadarço de tênis chega ao Brasil em outubro

29 setembro 2017 - 13h09

A Hickies, que vende tiras elásticas que pretendem substituir os cadarços tradicionais de tênis, começará a vender seu produto no Brasil em outubro. A empresa americana chegou ao país após a compra de 10% das suas ações pelo grupo Sforza, do empresário Carlos Wizard Martins.

A proposta do produto é de que sejam colocados nos orifícios dos calçados, ligando os dois lados. Dessa forma, é possível usar tênis sem necessidade de amarrar cadarços, já que as tiras puxam as bordas para dentro, para manter o pé firme.

Segundo Martins, o negócio chamou atenção por causa do desempenho da empresa, que tem dobrado de faturamento nos últimos anos.

Ele diz que o produto deve ter apelo entre atletas e consumidores das marcas esportivas. “Esse elemento tem a ver com o nosso cliente. E eu, particularmente, detesto cadarço. Nenhum dos meus sapatos os têm”, diz o empresário.

As vendas das tiras elásticas acontecerão nas lojas que já distribuem produtos das marcas Topper e Rainha, pertencentes ao grupo Sforza, e pela internet – como sites da Netshoes e Bayard. Os produtos serão comercializados em pacotes de doze unidades por 39,90 reais, em treze cores.

Outra aposta de público são jovens e pessoas ligadas à moda – a empresa estuda lançar no país uma linha com cristais Swarovski, já vendida lá fora.

Para o criador do produto, Gaston Frydlewski, a estimativa é de que as tiras, atualmente vendidas em 47 países, tenham aceitação rápida no Brasil por causa das Havaianas. “O consumidor brasileiro já está habituado a usar coisas coloridas nos pés, e o material delas é parecido com o do Hickies”, diz.

A empresa vende por ano cerca de 2 milhões de pacotes do produto, metade deles nos Estados Unidos. A expectativa é de que as vendas no Brasil alcancem cerca de 1 milhão de pacotes nos próximos anos. “O Brasil deve ser, ao lado de Estados Unidos e China – onde pretendemos começar as vendas em breve – , um dos nossos principais mercados”, diz Frydlewski.

A empresa já detectou falsificações sendo vendidas no mercado chinês antes mesmo de fazer lançamento no país. A aposta é de que o material da Hickies, em razão do investimento na pesquisa para desenvolvê-lo, não consiga ser copiado nos próximos anos por outros fabricantes. A diferença seria a durabilidade, que a empresa diz ser maior que a de produtos similares.

O setor calçadista brasileiro produziu 994 milhões de pares em 2016, segundo dados da Associação Brasileira das Indústrias de Calçados (Abicalçados).

Deixe seu Comentário

Leia Também

CESSÃO ONEROSA
Congresso aprova projeto que garante R$ 34,6 bi à Petrobras
CAPITAL
Falso repórter engana treinador de futebol com entrevista e clona WhatsApp
UEMS
Mestrado em Ensino em Saúde prorroga período de inscrições
NOVA ALVORADA
Homem esfaqueou pastor porque ele ‘fomentava’ separação, diz polícia
REFORMA APROVADA
Ponto a ponto: saiba o que vai mudar nas aposentadorias
TRÊS LAGOAS
Homem atira para matar ex-mulher e acaba baleando dono de restaurante
MÚSICA
Livro sugere que Raul Seixas entregou Paulo Coelho à ditadura
MEIO AMBIENTE
PMA usa satélite e drone para autuar infrator por desmatamento
RECURSOS
Nelsinho Trad entrega relação das emendas de bancada federal de MS
REEDUCANDO
MPT oferece alternativa para afastar reincidência de atos infracionais

Mais Lidas

HAYEL BON FAKER
Homens são presos fazendo sexo em via pública em Dourados
DOURADOS
Três são presos após ‘batida’ em ‘boca de fumo’ no Jardim Pantanal
DOURADOS
“Se não pagar vocês não vão dormir, não vão ter paz”, ameaçou professora indígena presa por extorsão
TRÁFICO
Economista e corretor são presos com mais de 30kg de cocaína