Menu
Busca terça, 17 de julho de 2018
(67) 9860-3221

Leia: Uma só verdade, uma só forma de usar a terra, por Thiago Ca

31 maio 2011 - 08h22

Na última semana o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) promoveu em Dourados um seminário sobre a questão fundiária indígena em Mato Grosso do Sul.

Lideranças indígenas guarani, kaiowa e terena, assim como ruralistas estiveram presentes no auditório da UNIGRAN para expor seus pontos de vista sobre a questão. O fortíssimo aparato de segurança revelava a tensão que o tema carrega. As confortáveis caminhonetes com que chegavam os ruralistas e os ônibus fretados com que chegavam os indígenas revelavam a desigualdade de condições para atender ao convite do CNJ.

Das muitas falas equivocadas e preconceituosas abertamente propagadas pelos ruralistas e seus aliados, quero destacar duas. Além da característica truculência, o que chamou atenção na fala do governador André Puccinelli foi a afirmação de que a verdade é uma só. Também chamou atenção o diluído discurso da improdutividade das terras indígenas e de que as novas áreas que podem vir a ser demarcadas também serão improdutivas.

Essas duas falas revelam o ranço etnocêntrico com o qual as elites estaduais pensam a questão indígena e a de suas terras em especial. Não é preciso ser historiador, antropólogo, advogado ou qualquer outro profissional para saber que a verdade é relativa, para isso basta ter um mínimo de bom senso e sensibilidade. A verdade é relativa a quem a sustenta. Por tanto, a verdade para os indígenas certamente não é a mesma verdade defendida pelo governador.

Da mesma forma que não há uma única verdade, também não há uma única forma de se aproveitar a terra. De fato, falta assistência técnica e condições para que os indígenas cultivem mais alimentos em suas terras. No entanto, é pouco provável que eles queiram transformá-las em latifúndios monocultores, como é o caso da maioria das terras tradicionais em posse dos ruralistas. A relação que os indígenas mantêm com a terra não se limita à extração de meios para a sobrevivência física, vai além, a terra também é fonte de reprodução cultural e social, é morada de seres espirituais e muito mais.

As duas visões aqui criticadas têm suas raízes no etnocentrismo colonialista que ainda domina em Mato Grosso do Sul. Enquanto as pessoas envolvidas na questão fundiária indígena não se esforçarem para compreender e respeitar a alteridade será difícil imaginar que se pode chegar a uma solução pela via do diálogo, como propunha o CNJ.

Os ruralistas e seus aliados ganhariam muito se debatessem a questão de forma qualificada, apostando no diálogo e abandonando o discurso do bandeirante ressentido. Hoje de tão frágeis, seus discursos são facilmente desconstruídos, tanto é que no judiciário as causas indígenas têm prevalecido, principalmente na esfera dos egrégios tribunais.

Doutorando em História pela UNESP de Assis-SP.

Deixe seu Comentário

Leia Também

EDUCAÇÃO
Lei prorroga mandado de diretores das escolas estaduais
BRASILEIRÃO/2018
Após fim da Copa, Brasileirão terá seis clássicos em quatro dias
SECURA
Sem chuva há quase 40 dias, umidade do ar fica abaixo de 30% em Dourados
JAPORÃ
Promotora faz visita surpresa e descobre que bioquímico de posto de saúde trabalha em outra cidade
DIÁRIO OFICIAL
Publicado edital para eleição complementar do Conselho de Alimentação
SEU BOLSO
Conta de luz subirá até 3,86% com reajuste de receita de hidrelétricas
REFUGIADOS
54% dos venezuelanos que entraram no Brasil por RR desde 2017 já deixaram o País
CRIME AMBIENTAL
PMA captura anta com ferimentos em rancho de Coxim
FURTO EM COMÉRCIO
Guarda Municipal prende autora de furto em mercado de Dourados
VOLTA AO JAPÃO
Zico é anunciado como diretor técnico do Kashima Antlers

Mais Lidas

ACIDENTE
Douradense morre horas depois de cair do cavalo em fazenda
BUSCAS
Pai busca notícias sobre filho adolescente desaparecido em Dourados
DOURADOS
Polícia prende assassino de mecânico morto a pauladas
DOURADOS
Homem é assassinado na porta da própria casa