Menu
Busca Quarta, 17 de Janeiro de 2018
(67) 9860-3221

Leia a coluna A Justiça e Você, da Amaerj

29 Novembro 2012 - 12h06

#####.

Coluna A Justiça e Você



Usucapião familiar

Desde 16 de junho de 2011, famílias abandonadas por um dos cônjuges, por mais de dois anos, sem motivos específicos, passam a ter moradia assegurada pelo artigo 1.240-A, da Lei nº 12.424, que dispõe sobre o Programa Minha Casa, Minha Vida. Esta mudança no Código Civil ficou conhecida como “usucapião familiar”.

Para garantir mais segurança a todos os envolvidos, o artigo contém diversas especificidades. Uma delas define que o imóvel urbano deve ter sido adquirido durante o relacionamento do casal, sendo propriedade de ambos ou de apenas uma das partes. Também é apontado o tamanho do bem, que deve ter o máximo de 250 metros quadrados.

Também especifica que o abandonado não pode possuir outro imóvel e nem ter sido beneficiado pela lei anteriormente. Além destes apontamentos, só podem entrar com pedido de usucapião familiar cidadãos que se separaram e/ou foram abandonados após a criação do artigo.

O cônjuge deve, ainda, ter permanecido na residência pelo período de dois anos ininterruptos e sem ter a oposição do ex-parceiro. Atendendo a estes requisitos, o abandonado passa a contar com o direito à posse do local de moradia para si e/ou sua família.

Com esta mudança na lei, cônjuges que deixam o lar com o intuito de não mais voltar, sem autorização judicial, passam a ter mais responsabilidade sobre seus atos, já que, anteriormente, o abandonado só tinha o direito de pedir o divórcio e eventual reparação de danos.


Esta coluna é um serviço de utilidade pública da Amaerj (Associação dos Magistrados do Estado do Rio de Janeiro) e do jornal

Deixe seu Comentário

Leia Também

GOSTA OU NÃO GOSTA?
Petra Mattar provoca em foto na sua rede social
RODOVIAS
MS-338 deve ter tráfego liberado nesta quinta-feira
MS
Agepen vai regulamentar uso de equipamentos de segurança em presídios
Agepen vai regulamentar uso de equipamentos de segurança em presídios
PROJETO
Certidões de defesa de direitos podem ter prazo mínimo de seis meses
Certidões de defesa de direitos podem ter prazo mínimo de seis meses
CAPÍTULO IDÊNTICO
Novamente Justiça nega recurso e posse de Cristiane Brasil continua suspensa
EDUCAÇÃO
Como recuperar a senha do Enem 2017
Como recuperar a senha do Enem 2017
'BALA PERDIDA'
Menor atinge vizinho enquanto 'brincava' com arma de chumbinho
A vítima foi socorrida por uma equipe do Samu; o estado de saúde é considerado grave
OPINIÃO
As estatais e o Estado à espera de reforma
ECONOMIA
Dólar segue exterior, abandona alta e cai a R$ 3,21
Dólar segue exterior, abandona alta e cai a R$ 3,21
REGIÃO
Colisão entre Kombi e Fox na MS- 276 deixa feridos

Mais Lidas

DOURADOS
Homem é derrubado de moto em roubo e fica desacordado
Homem é derrubado de moto em roubo e fica desacordado
BIOMETRIA DIGITAL
Eleitores “correm” por cadastro biométrico e cartório reafirma sobre prazo
POLÍCIA
Quatro motos são furtadas em poucas horas em Dourados
EDUCAÇÃO
UFGD divulga resultado do Vestibular 2018