Menu
Busca domingo, 24 de março de 2019
(67) 9860-3221
DEZEMBRO VERMELHO

Enquanto a cura da aids não vem

13 dezembro 2018 - 11h13Por Saúde Vital

Mais de 30 anos após o pânico inicial, a aids é uma velha conhecida que anda meio sumida da boca do povo. Essa situação preocupa os profissionais que lidam de perto com a doença. Para eles, não há dúvida: ainda vivemos uma epidemia. “Incomoda ver que hoje podemos tratar direito quem tem HIV, mas não conseguimos reduzir o número de novos casos, que seguem ao redor de 2 milhões ao ano pelo mundo”, relata o infectologista Ricardo Vasconcelos, responsável pela Casa da Aids do Hospital das Clínicas de São Paulo.

Não que as estratégias para conter o problema tenham arrefecido. Pelo contrário. Em 2014, a Unaids, vinculada à Organização das Nações Unidas, lançou as metas 90-90-90, as mais ambiciosas na história do combate à epidemia. O plano é que 90% dos infectados conheçam sua condição, 90% dos soropositivos sejam tratados e 90% dessa população tenha a carga viral zerada. Tudo isso até 2020.

Além de impedir a transmissão do HIV, é no grupo do meio que reside o principal desafio. “O Brasil já praticamente bateu a primeira meta, com 87% de diagnósticos estimados, mas só 65% dessas pessoas se tratam”, contextualiza Georgiana Braga-Orillard, diretora da Unaids no país. O dilema não é nem tanto a falta de adesão, mas levar assistência a quem, de fato, precisa dela — trabalho que tem de vencer também os preconceitos que continuam rondando o assunto.

Para quase meio milhão de brasileiros em tratamento, 2017 foi um ano de conquistas. Em janeiro, o Sistema Único de Saúde (SUS) incorporou uma nova geração de medicamentos, mais eficiente e com menos efeitos colaterais. E olha que remédios por vir pretendem revolucionar (de novo!) a terapia. Para barrar o contágio, autotestes e outras táticas já se unem ao bom e velho preservativo. Isso sem falar nas perspectivas de uma vacina… e da tão sonhada cura. É hora de percorrer os avanços e vislumbrar essas promessas.

Coquetel em um só remédio

Reunir os princípios ativos que combatem o vírus no menor número de pílulas. Eis a tendência da vez para facilitar a vida do cidadão com HIV. Já existe um comprimido que combina três antirretrovirais, mas entre eles está o efavirenz, que pode provocar danos renais em longo prazo.

Tanto é que ele foi substituído como primeira opção de tratamento pela classe dos inibidores de integrase, que impedem o DNA do vírus de se fundir ao da célula humana. “Eles são mais bem tolerados e ficam menos concentrados nos rins”, explica a infectologista Anita Campos, diretora para a América do Sul da Gilead, farmacêutica que anunciou um comprimido que une três desses antirretrovirais mais modernos. O medicamento já está em análise pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Uma injeção mensal (ou até bimestral)

Em um futuro não tão distante, os comprimidos podem ceder lugar a injeções aplicadas a cada mês ou dois meses. É o que sugerem os resultados de um estudo internacional recém-publicado. Ele avaliou o efeito de injeções espaçadas de dois antirretrovirais em mais de 200 pacientes.

Após dois anos, 87% dos que receberam a dose uma vez ao mês suprimiram o vírus. Em quem foi picado a cada bimestre, a taxa de eficácia subiu para 94%. Em comparação, 84% do grupo que seguiu tomando as pílulas diárias conseguiu domar o HIV. A investigação continua, mas os experts estão otimistas.

“As injeções poderão evitar esquecimentos que acarretam falhas na ação do remédio, além de diminuir o surgimento de mutações virais que geram resistência ao tratamento”, diz Roberto Zajdenverg, gerente médico da GSK, laboratório que criou uma das injeções.

Além da camisinha

O preservativo segue como o melhor instrumento de prevenção, só que nem sempre é utilizado. Atento a isso, o Ministério da Saúde investe em táticas adicionais de contenção do vírus, caso da profilaxia pré-exposição (PrEP), que será ofertada na rede pública a grupos mais vulneráveis — por ora, homens que fazem sexo com homens sem parceiro fixo, profissionais do sexo e usuários de drogas injetáveis.

“Trata-se de um comprimido que combina dois antirretrovirais e tem eficácia comprovada para impedir a transmissão com poucos efeitos colaterais”, conta o médico Mario Peribanez, da Sociedade Paulista de Infectologia. Alguns estudos mostram que o esquema pode funcionar também se adotado antes e depois da possível exposição, mas a taxa de adesão tende a cair.

Deixe seu Comentário

Leia Também

UAUUUUU!!
Anitta surge de tapa-sexo para divulgar novo álbum visual
LEGISLATIVO
Agenda: Capacitação, encontro de vereadoras e audiência pública movimentam semana
RESSOCIALIZAÇÃO
Com foco na psicologia, projeto prepara detentos para a liberdade
DIREITOS HUMANOS
Comissão debaterá Reforma da Previdência terça-feira no Senado
CONTRABANDO
Carro lotado de 'muamba' é apreendido na MS-276
NOVA JORNADA
Confira os detalhes do Decreto que retoma a jornada de 8h e o projeto que cria o PDV no Estado
VIOLÊNCIA
Vereador é morto a tiros no Rio de Janeiro
DOURADOS
"Santista" e Maiara Brum vencem a Corrida Ginaslouquinhos
BRASIL
Bolsonaro diz que fim de visto para turistas beneficiará economia
ANASTÁCIO
Homem ameaça mulher com faca em discussão sobre troca de canal

Mais Lidas

IVINHEMA
Médico veterinário morre em acidente de moto na MS-276
TRÂNSITO
Homem morre após ser atropelado por motorista que fugiu do local do acidente
TRÊS LAGOAS
Mulher que entrou em briga de casal e matou homem diz que foi acidente
RIO BRILHANTE
Homem é assassinado após matar e comer galo do vizinho