Menu
Busca segunda, 17 de junho de 2019
(67) 9860-3221
DEZEMBRO VERMELHO

Enquanto a cura da aids não vem

13 dezembro 2018 - 11h13Por Saúde Vital

Mais de 30 anos após o pânico inicial, a aids é uma velha conhecida que anda meio sumida da boca do povo. Essa situação preocupa os profissionais que lidam de perto com a doença. Para eles, não há dúvida: ainda vivemos uma epidemia. “Incomoda ver que hoje podemos tratar direito quem tem HIV, mas não conseguimos reduzir o número de novos casos, que seguem ao redor de 2 milhões ao ano pelo mundo”, relata o infectologista Ricardo Vasconcelos, responsável pela Casa da Aids do Hospital das Clínicas de São Paulo.

Não que as estratégias para conter o problema tenham arrefecido. Pelo contrário. Em 2014, a Unaids, vinculada à Organização das Nações Unidas, lançou as metas 90-90-90, as mais ambiciosas na história do combate à epidemia. O plano é que 90% dos infectados conheçam sua condição, 90% dos soropositivos sejam tratados e 90% dessa população tenha a carga viral zerada. Tudo isso até 2020.

Além de impedir a transmissão do HIV, é no grupo do meio que reside o principal desafio. “O Brasil já praticamente bateu a primeira meta, com 87% de diagnósticos estimados, mas só 65% dessas pessoas se tratam”, contextualiza Georgiana Braga-Orillard, diretora da Unaids no país. O dilema não é nem tanto a falta de adesão, mas levar assistência a quem, de fato, precisa dela — trabalho que tem de vencer também os preconceitos que continuam rondando o assunto.

Para quase meio milhão de brasileiros em tratamento, 2017 foi um ano de conquistas. Em janeiro, o Sistema Único de Saúde (SUS) incorporou uma nova geração de medicamentos, mais eficiente e com menos efeitos colaterais. E olha que remédios por vir pretendem revolucionar (de novo!) a terapia. Para barrar o contágio, autotestes e outras táticas já se unem ao bom e velho preservativo. Isso sem falar nas perspectivas de uma vacina… e da tão sonhada cura. É hora de percorrer os avanços e vislumbrar essas promessas.

Coquetel em um só remédio

Reunir os princípios ativos que combatem o vírus no menor número de pílulas. Eis a tendência da vez para facilitar a vida do cidadão com HIV. Já existe um comprimido que combina três antirretrovirais, mas entre eles está o efavirenz, que pode provocar danos renais em longo prazo.

Tanto é que ele foi substituído como primeira opção de tratamento pela classe dos inibidores de integrase, que impedem o DNA do vírus de se fundir ao da célula humana. “Eles são mais bem tolerados e ficam menos concentrados nos rins”, explica a infectologista Anita Campos, diretora para a América do Sul da Gilead, farmacêutica que anunciou um comprimido que une três desses antirretrovirais mais modernos. O medicamento já está em análise pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Uma injeção mensal (ou até bimestral)

Em um futuro não tão distante, os comprimidos podem ceder lugar a injeções aplicadas a cada mês ou dois meses. É o que sugerem os resultados de um estudo internacional recém-publicado. Ele avaliou o efeito de injeções espaçadas de dois antirretrovirais em mais de 200 pacientes.

Após dois anos, 87% dos que receberam a dose uma vez ao mês suprimiram o vírus. Em quem foi picado a cada bimestre, a taxa de eficácia subiu para 94%. Em comparação, 84% do grupo que seguiu tomando as pílulas diárias conseguiu domar o HIV. A investigação continua, mas os experts estão otimistas.

“As injeções poderão evitar esquecimentos que acarretam falhas na ação do remédio, além de diminuir o surgimento de mutações virais que geram resistência ao tratamento”, diz Roberto Zajdenverg, gerente médico da GSK, laboratório que criou uma das injeções.

Além da camisinha

O preservativo segue como o melhor instrumento de prevenção, só que nem sempre é utilizado. Atento a isso, o Ministério da Saúde investe em táticas adicionais de contenção do vírus, caso da profilaxia pré-exposição (PrEP), que será ofertada na rede pública a grupos mais vulneráveis — por ora, homens que fazem sexo com homens sem parceiro fixo, profissionais do sexo e usuários de drogas injetáveis.

“Trata-se de um comprimido que combina dois antirretrovirais e tem eficácia comprovada para impedir a transmissão com poucos efeitos colaterais”, conta o médico Mario Peribanez, da Sociedade Paulista de Infectologia. Alguns estudos mostram que o esquema pode funcionar também se adotado antes e depois da possível exposição, mas a taxa de adesão tende a cair.

Deixe seu Comentário

Leia Também

UEMS
Abertas inscrições para seleção de docente temporário em Administração
CRIME AMBIENTAL
Mulher é multa por maus-tratos a cachorros e por aves silvestres em cativeiro
FRAUDE
Supermercados que vendem azeite falsificado podem ser multados
POLÍCIA
Após partida de futebol, brasileiro tenta matar jogador a tiros na Bolívia
TRE/MS
Justiça eleitoral cassa prefeito e vice de Coxim, que podem recorrer
ECONOMIA
Alvo da operação Lava Jato, Odebrecht pede recuperação judicial
CAMPO GRANDE
Policial Militar é encontrado morto em casa e suspeita é de suicídio
TELEVISÃO
Silviol Santos pede e Tiago Abravanel troca a Globo pelo SBT
GRATUIDADE
Bolsonaro veta isenção de cobrança de bagagem em voos domésticos
JUSTIÇA
Construtor é condenado a devolver R$ 5.800 por obras não realizadas

Mais Lidas

PARAGUAI
Motim termina com 10 mortos e presos queimados e decapitados
AQUIDAUANA
Douradense desaparece nas águas do rio Aquidauana durante banho
POLÍCIA
Casal contratado para levar maconha até Campo Grande é preso em Dourados
FURTO
Jovem é preso enquanto furtava bicicleta dentro de residência em Dourados