Menu
Busca sexta, 20 de julho de 2018
(67) 9860-3221

Crônica em retalhos: cidade educadora, por Wilson Biasotto

22 maio 2011 - 07h50

Sinais benfazejos: maravilha! Recebi alguns sinais de que o projeto Cidade Educadora está na pauta do novo prefeito de Dourados e que provavelmente será criada uma equipe para botá-lo em prática com as benções da Associação Internacional das Cidades Educadoras.

AICE : Esta é a sigla da Associação Internacional das Cidades Educadoras. O conceito de Cidade Educadora nasceu em Barcelona, em 1990, sendo que em 1994 foi oficializada a Associação Internacional das Cidades Educadoras, que tem a sua sede na cidade de Barcelona.

20 princípios: apenas vinte princípios norteiam as ações dessa Associação que já congrega mais de 300 cidades nos cinco continentes. São princípios genéricos, que dizem respeito à cidadania, à negação do preconceito, à solidariedade humana, a transformação da cidade como uma verdadeira extensão da nossa própria casa.

Boas práticas: a Associação Internacional das Cidades Educadoras têm o grande mérito de divulgar para o mundo inteiro as boas práticas empregadas para a solução de problemas urbanos. Isso é exemplar, ao invés de ficar divulgando e condenando o que há de errado, preocupa-se em noticiar, aplaudir e incentivar a realização de boas obras.

Contradições douradenses: nossa querida Dourados é uma cidade de grandes contrastes e muitas contradições. Uma dessas contradições é que não obstante termos sido mundialmente conhecidos pelas estripulias do ex-prefeito Artuzi, somos também conhecidos internacionalmente por integrarmos a AICE.

Flores entre espinhos: muitas vezes as mais belas flores são protegidas por pontiagudos espinhos. E talvez essa seja uma boa comparação para com Dourados que dentre tantas coisas ruins que lhe aconteceram ultimamente, esteja (re)nascendo esse projeto que somente engrandece a cidade e dignifica os seus cidadãos.

Um projeto de todos: para uma cidade de todos. Não adianta ficarmos apenas esperando as providências da administração municipal, se bem que as Cidades Educadoras entendem que a Prefeitura deva estar no comando das ações. Isso quer dizer que se a Prefeitura tomar a iniciativa, a sociedade organizada, o que eu chamo de forças vivas, deve mobilizar-se e trabalhar para termos uma cidade onde possamos viver felizes.

Cada qual com suas competências: é líquido e certo que compete à Prefeitura tapar os buracos das ruas, mas é certo também que o cidadão não deve contribuir com a abertura de buracos, evitando lavar desnecessariamente as calçadas. É competência da Prefeitura estabelecer as faixas para pedestres, mas é obrigação dos motoristas respeitar a faixa. Da mesma forma é obrigação da Prefeitura a limpeza pública, mas é dever do cidadão contribuir não jogando lixo à torta e à direita, como diria minha avó.

Pense nisso: se todos nós motoristas transitássemos a uma velocidade de 40 km/hora, como manda a regra, se todos nós motoristas respeitássemos as faixas para pedestres, se os motoqueiros respeitassem também limites de velocidade e deixasse de “costurar” no trânsito, se todos os ciclistas contribuíssem quantas vidas não pouparíamos? Quanto melhor fluiria o trânsito? Quanto menos estresses acumularíamos ao final do dia?

Patrimônio incomensurável: mesmo o mais rico dentre os habitantes de uma cidade consegue possuir um patrimônio maior do que o da própria cidade onde reside. O que quero dizer é que a cidade é o nosso maior patrimônio, o espaço público é a maior riqueza que o citadino pode desfrutar na atualidade. Portanto, preservar o espaço público é de dever de todos, uma vez que usufruído também por todos.

Características de uma cidade educadora: uma cidade educadora é acolhedora, tem centros de ensino avançados, protege o meio ambiente, é inclusiva. Dourados tem todos os predicados para vir a ser uma cidade reconhecida mundialmente pelas suas boas obras. Nossa Cidade Educadora é um sonho que já virou projeto e que pode transformar-se em realidade.

Vamos torcer: Célia Flores, Dinaci Ranzi e Murilo Zauit - se eu estiver bem informado - é partir dessas três personalidades públicas que depende a retomada do projeto. Mas, com toda a certeza, centenas e centenas de douradenses anseiam por isso e estão prontos para abraçar essa belíssima iniciativa.



Wilson Valentim Biasotto *
Suas críticas são bem vindas: biasotto@biasotto.com.br
* Membro da Academia Douradense de Letras; aposentou-se como professor titular pelo CEUD/UFMS, onde, além do magistério e desenvolvimento de projetos de pesquisas, ocupou cargos de chefia e direção.

Deixe seu Comentário

Leia Também

SHOWBIZ
Após romper com Chay Suede, Laura Neiva posta foto sensual
AQUIDAUANA
Homem reage a assalto e é esfaqueado ao tentar recuperar carteira
FUTEBOL
Arbitral define os confrontos da quarta fase da Copa Assomasul
UFGD
Abertas inscrições para submissão e participação na Feira de Ciências
SANTOS
Receita apreende 650 quilos de cocaína em carga de soja a granel
COXIM
Casa de família de vice-prefeito é alvo de tiros durante a madrugada
COMPETIÇÃO
Amambai será a capital do som automotivo no fim de semana
EDUCAÇÃO
Termina amanhã prazo para adesão de estados ao Encceja Nacional
UFGD
Dourados será sede de Encontro Nacional de Gestão Ambiental
CAMPO GRANDE
OAB/MS abre procedimento contra advogada suspeita de golpe milionário

Mais Lidas

DOURADOS
Ladrões levaram mais de R$ 1,5 mil em assalto a padaria
DOURADOS
Polícia prende trio acusado de assaltar padaria no III Plano
OPERAÇÃO ECHELON
Facção tem "casa de apoio" para presos em MS
MS-156
Traficantes abandonam caminhonete com mais de 1t de maconha