Menu
Busca segunda, 21 de janeiro de 2019
(67) 9860-3221
DISTRITO DE VALENÇA

Conservatória tem museus com objetos e lembranças de grande nomes da música brasileira

13 dezembro 2018 - 11h00Por Férias Brasil

A tradição da seresta em Conservatória (distrito de Valença) começou em 1938, quando um grupo de violeiros apaixonados saiu pela madrugada para cantar diante da janela de suas musas. A cantoria agradou não só às moças como a vila inteira - e dura até hoje. As serenatas embalam a cidadezinha nas noites de sexta e sábado e nas manhãs de sábado e domingo, quando músicos e turistas saem pelas ruas emolduradas por prédios coloniais entoando cantigas de amor e recitando poemas.

A turma vai parando de porta em porta para cantar as músicas preferidas dos moradores - em Conservatória, as casas são identificadas não com placas numéricas, mas com o nome da canção preferida dos proprietários. O evento acontece o ano todo, mas duas datas são especiais - o último sábado de maio, quando se comemora o Dia do Seresteiro; e o último sábado de agosto, quando acontece o Encontro de Seresteiros, com artistas de diversas partes do Brasil.

Durante o dia, um dos programas preferidos dos turistas é passear de charrete para apreciar as construções, como a estação de trem de 1883, a Igreja Matriz de Santo Antônio e os espaços culturais dedicados à música. O Museu Vicente Celestino reúne  fotos, discos e objetos pessoais do cantor e também de sua mulher, a cantora lírica, cineasta e escritora Gilda de Abreu. Já no Museu Sílvio Caldas, Gilberto Alves, Nelson Gonçalves e Guilherme de Brito, as fotos, os discos e objetos pessoais dos artistas contam um pouquinho da carreira de cada um.

As atrações de Conservatória, porém, não se restringem ao tema seresta. No Cine Centímetro, a sessão única de sábado é concorrida e leva à tela musicais americanos dos anos 50 e 60. O espaço, montado no quintal da casa de um apaixonado pela Sétima Arte, é uma réplica reduzida do antigo Cine Metro Tijuca, inaugurado no Rio de Janeiro em 1941 e demolido em 1977. Aberto a visitação, o charme fica por conta dos objetos originais do antigo cinema, como móveis, pedaços de tapete, lustres, bilheteria e projetores. 

As fazendas de café da região também garantem a viagem ao passado. Algumas estão preservadas e são abertas à visitação. É o caso da Fazenda Florença, de 1852, que mantém o elegante mobiliário de época, além de piso de peroba rosa, porcelanas e cristais. 

Antes de voltar para casa - e para o tempo real -, vale circular pelo comércio. Merece atenção o artesanato típico, à base de papel kraft. São vasos de flores, imagens de santos barrocos e estátuas de violeiros que mais parecem de madeira. Na feirinha da Praça Catarina Quaglia, que acontece todo sábado e domingo, o forte são os xales e chapéus de crochê, o doce de goiabada cascão e os licores caseiros.

Deixe seu Comentário

Leia Também

POLÍTICA
Tereza Cristina demite ouvidor do Incra ligado ao PT
RODOVIA
Motorista que causou acidente com 3 mortes cometeu suicídio, diz PRF
EMPREGO
Funtrab tem mil oportunidades de emprego para trabalhadores da cultura da maçã
ENSINO
Faculdades do Senai da Capital e Dourados encerram dia 8 as inscrições do vestibular para 7 cursos superiores
FUTEBOL
Operário vence o Corumbaense por 2x0 na estreia do Campeonato Estadual
DOURADOS
Município troca interino na Secretaria de Obras Públicas
TV
Globo hostiliza jornalismo da Record e insinua parcialidade com Jair Bolsonaro
BALANÇO
Metade das prefeituras gastam menos de R$ 403 ao ano na saúde
CAMPO GRANDE
Três pessoas ficam feridas após atropelamento na Capital
SAÚDE
Grávidas que respiram ar poluído têm maior risco de aborto espontâneo, diz estudo

Mais Lidas

IVINHEMA
Assaltante é morto após invadir chácara, sequestrar duas vítimas e tentar roubar carros
FRONTEIRA
Jogador de futebol, ‘Alicate’ é executado com 26 tiros de fuzil
MONTE LÍBANO
Homem é preso acusado de tráfico de drogas por atacado
PARQUE DO LAGO
Casal é preso por promover festa para adolescentes com bebida alcoólica