Menu
Busca terça, 26 de março de 2019
(67) 9860-3221
DISTRITO DE VALENÇA

Conservatória tem museus com objetos e lembranças de grande nomes da música brasileira

13 dezembro 2018 - 11h00Por Férias Brasil

A tradição da seresta em Conservatória (distrito de Valença) começou em 1938, quando um grupo de violeiros apaixonados saiu pela madrugada para cantar diante da janela de suas musas. A cantoria agradou não só às moças como a vila inteira - e dura até hoje. As serenatas embalam a cidadezinha nas noites de sexta e sábado e nas manhãs de sábado e domingo, quando músicos e turistas saem pelas ruas emolduradas por prédios coloniais entoando cantigas de amor e recitando poemas.

A turma vai parando de porta em porta para cantar as músicas preferidas dos moradores - em Conservatória, as casas são identificadas não com placas numéricas, mas com o nome da canção preferida dos proprietários. O evento acontece o ano todo, mas duas datas são especiais - o último sábado de maio, quando se comemora o Dia do Seresteiro; e o último sábado de agosto, quando acontece o Encontro de Seresteiros, com artistas de diversas partes do Brasil.

Durante o dia, um dos programas preferidos dos turistas é passear de charrete para apreciar as construções, como a estação de trem de 1883, a Igreja Matriz de Santo Antônio e os espaços culturais dedicados à música. O Museu Vicente Celestino reúne  fotos, discos e objetos pessoais do cantor e também de sua mulher, a cantora lírica, cineasta e escritora Gilda de Abreu. Já no Museu Sílvio Caldas, Gilberto Alves, Nelson Gonçalves e Guilherme de Brito, as fotos, os discos e objetos pessoais dos artistas contam um pouquinho da carreira de cada um.

As atrações de Conservatória, porém, não se restringem ao tema seresta. No Cine Centímetro, a sessão única de sábado é concorrida e leva à tela musicais americanos dos anos 50 e 60. O espaço, montado no quintal da casa de um apaixonado pela Sétima Arte, é uma réplica reduzida do antigo Cine Metro Tijuca, inaugurado no Rio de Janeiro em 1941 e demolido em 1977. Aberto a visitação, o charme fica por conta dos objetos originais do antigo cinema, como móveis, pedaços de tapete, lustres, bilheteria e projetores. 

As fazendas de café da região também garantem a viagem ao passado. Algumas estão preservadas e são abertas à visitação. É o caso da Fazenda Florença, de 1852, que mantém o elegante mobiliário de época, além de piso de peroba rosa, porcelanas e cristais. 

Antes de voltar para casa - e para o tempo real -, vale circular pelo comércio. Merece atenção o artesanato típico, à base de papel kraft. São vasos de flores, imagens de santos barrocos e estátuas de violeiros que mais parecem de madeira. Na feirinha da Praça Catarina Quaglia, que acontece todo sábado e domingo, o forte são os xales e chapéus de crochê, o doce de goiabada cascão e os licores caseiros.

Deixe seu Comentário

Leia Também

ITAPORÃ
Idoso é baleado em propriedade rual
POLÍCIA
Ossada humana é encontrada em fazenda na MS-480
CAMPO GRANDE
Seis portugueses da mesma família são denúnciados por forjarem documentos
DOURADOS
Dono de chácara é autuado por incendiar pastagem e colocar rede de alta tensão em risco
CÂMARA DE DOURADOS
CASSAÇÃO DE VEREADORES: Comissões iniciam oitivas na quinta-feira
MS
Sobrevivente de feminicídio ajuda a tirar mulheres do ciclo da violência
LEGISLATIVO
Aprovado projeto que protege aposentados e pensionistas
BRASIL
Mourão diz que há preconceito e desinformação sobre carreira militar
ITAIPU BINACIONAL
Marun diz que vai recorrer de decisão que suspende nomeação
CASSEMS ITINERANTE
Quatro municípios recebem atendimento médico especializado no final de semana

Mais Lidas

POLÍCIA
Corpo em avançado estado de decomposição é encontrado em Dourados
DOURADOS
Após brigar com a mulher, motorista bêbado invade e destrói oficina na Monte Alegre
DOURADOS
Corpo encontrado no Flor de Maio estava há cerca de 30 dias no local
PARABELLUM
Operação cumpre mandados de busca e apreensão em Dourados