Menu
Busca sexta, 14 de agosto de 2020
(67) 99659-5905
COMER BEM

Na Casa de Vó, cliente tem experiência viva de cheiros e sabores únicos da infância

14 janeiro 2020 - 08h42Por Redação

Quem teve a presença única dos avós, relembra com precisão o cheiro e o sabor do bolo quente com café, do pão caseiro e até do suco de acerolas colhidas no fundo do quintal. Na memória é possível ainda resgatar o ambiente da casa, os discos de vinil do avô e as peças de crochê da avó sempre recostada na porta da sala. 

Simplicidade e afeto são marcas que o tempo jamais vai apagar. E foi pensando nisso que nasceu a cafeteria ‘Casa de Vó’, um espaço único para quem ainda tem presente as lembranças dos prazeres da infância ao lado dos velhinhos.

As empresárias Daniely Aparecida Sotolani Nascimento e Fabiana Cariaga Pletsch trouxeram para Dourados um conceito incrível de experiência, sabor e qualidade. O compromisso das duas é fazer de cada cliente um neto amado com os mesmos traços de afeto que os avó depositaram.

O projeto iniciou em julho de 2018, quando as duas se permitiram construir um novo rumo para a vida profissional. De um lado, Daniely era professora de biologia, encarava três turnos de aula, mas se viu sem mais perspectiva na mesma profissão. Do outro, Fabiana, que apesar de formada não se encaixava naquele mundo da licenciatura. Ambas com um desejo: fazer algo que realmente impactasse a vida delas e dos outros. 
 
Ambas estudaram juntas. Na graduação, entre 2006 e 2009, as acadêmicas faziam da rotina universitária um enfrentamento mútuo. “Éramos a dupla dos trabalhos, das apresentações, sempre foi assim”, afirma Daniely

Após o curso a vida se encarregou de manter viva a relação das duas, e 10 anos depois as amigas voltaram a se encontrar para um novo desafio, bem maior que a formação universitária: um negócio próprio.

“E deu super certo. As pessoas dizem que sociedade é um problema, para nós foi a solução. A gente se completa. O que falta em mim a Dani tem, o que falta na Dani eu tenho. A gente faz dar certo. Temos um compromisso de sinceridade e respeito, cada uma conhece os defeitos da outra. Então é tudo muito tranquilo”, garantiu Fabiana

Após a decisão de empreender, foi hora de estruturar e fazer dar certo. O capital era pouco, assim foi necessário que as duas utilizassem da criatividade para transformar a cafeteria num lugar mais incrível para se estar. 


“Eu tinha uns móveis de coleção, coisa antiga. Fui pegando, encaixando, e aí a Dani pegou uns quadros dos avós, bisavós, fui fazendo o mesmo e no final das contas a gente tinha uma decoração muito própria desses locais. Aí começamos a imaginar um lugar assim, encontramos essa casa, era exatamente a estrutura que nós queríamos. Alugamos, reformamos por completo, deixamos cada cômodo com a cara de casa de vó, e aí o nome não poderia ter sido outro”, conta Fabiana.

A sócia, Daniely, completa dizendo que junto à decoração e ao espaço bem peculiar, veio também a afetividade, a sensação de carinho típica dos avós. “É um resgate de memórias. Nossos clientes experimentam uma vivência única aqui. É como fazer desse lugar um filme da própria história”, afirma a empresária.

No início, entrou para a cozinha, administração, recepção e atendimento aos clientes, apenas as duas empreendedoras e outras duas funcionária. A equipe de quatro pessoas com pouco tempo precisou crescer. Hoje são oito contratadas, mais as duas que não deixam de colocar a mão na massa, literalmente. 

Dentro do estabelecimento as características são marcantes. A cor das paredes, os quadros, móveis e aparadores rústicos, os azulejos no corredor, e o cheiro incrível que sai da cozinha é quase que extasiante. Toma conta de todos os cômodos do imóvel.

E no cardápio são mais de 150 tipos de produções diferentes, dividido entre salgados, pães, bolos, tapiocas, sucos, cafés, tortas, tudo feito artesanalmente, sem nenhum tipo de conservantes e ou melhoradores. E tudo isso inclui a linha integral e de antialérgicos. 

“Nós nos comprometemos com a nossa produção. O cliente que chegar aqui hoje vai comer o que preparamos hoje. Amanhã é outro dia e outros produtos. Temos um padrão de qualidade e mesmo que seja tentador, não quebramos. Às vezes, no final do dia, sobra um bolinho, um pão, uns salgados, nós não deixamos para o outro dia. Vamos ali no Lar Santa Rita e doamos para as crianças. No Lar dos Idosos também. A gente procura sempre manter esse padrão de coisa caseira, feita na hora”, afirmou Daniely.

Lá ainda o douradense encontra uma sala especial, reservada para pequenos encontros. “Tem gente que vem aqui para fazer bingo, chá das amigas, aniversário, reuniões de negócios, de tudo um pouco. Aqui nós conseguimos preparar o ambiente de acordo com a necessidade do cliente, e isso tem sido um grande diferencial”, conta Daniely.

Na recepção é possível comer um lanche rápido, pagar e ir embora, mas o propósito central das duas empreendedoras é fazer com que o cliente se sinta à vontade pra ficar. “Muitas vezes a gente senta com o cliente à mesa, conversa, escuta. Já aconteceu de cliente chorar com a gente por alguma situação que estava passando e precisava desabafar. Isso faz a diferença. Desde o início nos comprometemos a não pensar no dinheiro, mas na influência. E hoje todo cliente que vem nos conhecer, volta”, conta Fabiana.

A cafeteria Casa de Vó está localizada na Rua Ciro Melo, 2474, na Vila Planalto. O contato lá é o 67 99907-2302, onde você pode encomendar os quitutes da sua família. Acompanhe a Casa de Vó no facebook!

Leia Também

PONTA PORÃ
Homem é executado com tiros na cabeça em calçada na fronteira
AVANÇO DA PANDEMIA
Brasil registra 1.007 mortes por Covid em 24 horas e ultrapassa 106 mil
POLÍTICA
Senadora Soraya Thronicke garante R$ 800 mil para assistência social
DOAÇÕES
Segurança de MS é reforçada com itens recebidos do legado da Senasp
REGIÃO
Adolescente de 15 anos é assassinado em aldeia de Douradina
JUSTIÇA
Ex-companheiro que permaneceu no imóvel do casal deve prestar contas
NOVA ANDRADINA
Carreta carregada com plumas de algodão pega fogo na BR-267
VILA CACHOEIRINHA
Preso após quebrar vidraça de sorveteria é reconhecido por vítima de furto
ALDEIA BORORÓ
Primos são suspeitos de tentar estuprar criança de 8 anos em Dourados
DOURADOS
Condenado por roubo é detido após furtar queijo e detergente de mercado

Mais Lidas

DOURADOS
Preso no Ipê Roxo era investigado desde fevereiro por estupro do sobrinho
VIDA NOTURNA
“Estão passando fome”: profissionais do sexo sofrem com a pandemia em Dourados
DOURADOS
Com gritos de "pega ladrão", grupo é flagrado furtando carro no Jardim Paulista
DOURADOS
Decreto deve autorizar volta de cursos profissionalizantes e atividades práticas de universidades