Menu
Busca sábado, 06 de junho de 2020
(67) 99659-5905

Chapéu pode ajudar identificar homem que atirou bomba em índios

06 junho 2011 - 08h53

Já há uma pista do autor do atentado sofrido por ao menos 30 estudantes índios que eram transportados num ônibus escolar, na sexta-feira, numa estrada que liga a cidade de Miranda ao território indígena conhecido como Cachoeirinha, região distante 200 km de Campo Grande.

Contra o veículo foram atiradas pedras e uma bomba caseira. Cinco pessoas ficaram feriadas porque o ônibus pegou fogo. No início da apuração havia a suspeita de que o ataque teria sido determinado por um índio e que a ação fora motivada por desavenças envolvendo duas das seis aldeias ali instaladas.

O cacique Adilson Terena, contudo, descartou essa hipótese. Ele disse, por telefone, que o atentando “não foi praticado por patrícios [índios] e que amanhã [segunda] ou depois” o caso será solucionado. “Não posso apontar mais detalhes para não atrapalhar as investigações”, disse ele.

O chefe indígena disse que uma das pistas foi achada ontem à noite, numa mata perto do local do ataque. Um chapéu que, para o cacique, “não é usado por nenhum índio das aldeias” pode ajudar na investigação. Pessoas ouvidas pelo líder disseram conhecer o dono do chapéu, até agora tido como um suspeito número um.

O território Cachoeirinha, para os índios, é como uma cidade habitada por ao menos seis mil pessoas que vivem distribuídas em seis aldeias.
A suposta desavença entre as aldeias Babaçu e Argola, segundo o cacique, teria sido descartada como motivo do ataque porque entre os 30 ocupantes do ônibus, havia estudantes das duas aldeias.
A outra hipótese apurada tem ligação com as brigas por domínio de terras envolvendo índios e fazendeiros da região.

O ataque

O ônibus seguia da cidade para a aldeia, uma distância de ao menos cinco quilômetros, perto da meia noite de sexta-feira, quando foi alvejado por pedradas e uma bomba caseira, que caiu perto do motorista.

O veículo, locado pela prefeitura do município transporta alunos do ensino médio da cidade para a aldeia de segunda-feira a sexta-feira.
O ataque ocorreu num local escuro.

Entre as cinco pessoas internadas o motorista é o que saiu mais machucado, segundo cacique. Laércio Corrêa, 27, sofreu queimaduras na maior parte do corpo, incluindo a cabeça. Os quatro outros feridos, estudantes, não correm riscos de morte.

Briga judicial

Três anos atrás o Ministério da Justiça baixou uma portaria determinando que uma área de perto de dois mil hectares fosse transformada em aldeia indígena, contudo, por meio de liminar, a decisão foi suspensa no ano passado pelo STF (Supremo Tribunal de Justiça).

Em março deste ano, os índios invadiram duas fazendas em Miranda, uma delas a fazenda Petrópolis, do ex-governador de MS, Pedro Pedrossian. A Justiça mandou a polícia afastar os índios de lá.


Deixe seu Comentário

Leia Também

CHAPADÃO DO SUL
Depois de fugir do cativeiro, professor passou noite escondido em mata
INQUÉRITO
Presidente da Fundação Palmares será investigado por suspeita de racismo
TRÊS LAGOAS
Traficante tenta se esconder embaixo da cama após batida da Polícia
TECNOLOGIA
Detran/MS explica passo a passo como obter licenciamento através de aplicativo
TRÊS LAGOAS
Homem condenado a 10 anos de prisão por estuprar criança é preso
EDUCAÇÃO
IFMS abre inscrições para cursos técnicos presenciais na terça-feira
EDUCAÇÃO
Enem 2021 pode ser suspenso por falta de recursos, alerta MEC em ofício
CAMPO GRANDE
Motorista pede para completar tanque e foge sem pagar R$ 187
LAVA JATO
PGR denuncia Arthur Lira, um dos líderes do 'Centrão', por corrupção passiva
POLÍCIA
Tenente estava a 125 km/h quando matou professora em acidente, diz perícia

Mais Lidas

PANDEMIA
Em disparada, casos de Covid-19 tem novo recorde diário e passam de 400 em Dourados
EPICENTRO
Casos de coronavírus "explodem" e Dourados registra recorde de confirmações
PANDEMIA
Comitê aponta surtos de coronavírus em dois pontos de Dourados
DOURADOS
Conselho aponta riscos de contaminação em massa por coronavírus no HV