Menu
Busca quarta, 26 de junho de 2019
(67) 9860-3221

Chapéu pode ajudar identificar homem que atirou bomba em índios

06 junho 2011 - 08h53

Já há uma pista do autor do atentado sofrido por ao menos 30 estudantes índios que eram transportados num ônibus escolar, na sexta-feira, numa estrada que liga a cidade de Miranda ao território indígena conhecido como Cachoeirinha, região distante 200 km de Campo Grande.

Contra o veículo foram atiradas pedras e uma bomba caseira. Cinco pessoas ficaram feriadas porque o ônibus pegou fogo. No início da apuração havia a suspeita de que o ataque teria sido determinado por um índio e que a ação fora motivada por desavenças envolvendo duas das seis aldeias ali instaladas.

O cacique Adilson Terena, contudo, descartou essa hipótese. Ele disse, por telefone, que o atentando “não foi praticado por patrícios [índios] e que amanhã [segunda] ou depois” o caso será solucionado. “Não posso apontar mais detalhes para não atrapalhar as investigações”, disse ele.

O chefe indígena disse que uma das pistas foi achada ontem à noite, numa mata perto do local do ataque. Um chapéu que, para o cacique, “não é usado por nenhum índio das aldeias” pode ajudar na investigação. Pessoas ouvidas pelo líder disseram conhecer o dono do chapéu, até agora tido como um suspeito número um.

O território Cachoeirinha, para os índios, é como uma cidade habitada por ao menos seis mil pessoas que vivem distribuídas em seis aldeias.
A suposta desavença entre as aldeias Babaçu e Argola, segundo o cacique, teria sido descartada como motivo do ataque porque entre os 30 ocupantes do ônibus, havia estudantes das duas aldeias.
A outra hipótese apurada tem ligação com as brigas por domínio de terras envolvendo índios e fazendeiros da região.

O ataque

O ônibus seguia da cidade para a aldeia, uma distância de ao menos cinco quilômetros, perto da meia noite de sexta-feira, quando foi alvejado por pedradas e uma bomba caseira, que caiu perto do motorista.

O veículo, locado pela prefeitura do município transporta alunos do ensino médio da cidade para a aldeia de segunda-feira a sexta-feira.
O ataque ocorreu num local escuro.

Entre as cinco pessoas internadas o motorista é o que saiu mais machucado, segundo cacique. Laércio Corrêa, 27, sofreu queimaduras na maior parte do corpo, incluindo a cabeça. Os quatro outros feridos, estudantes, não correm riscos de morte.

Briga judicial

Três anos atrás o Ministério da Justiça baixou uma portaria determinando que uma área de perto de dois mil hectares fosse transformada em aldeia indígena, contudo, por meio de liminar, a decisão foi suspensa no ano passado pelo STF (Supremo Tribunal de Justiça).

Em março deste ano, os índios invadiram duas fazendas em Miranda, uma delas a fazenda Petrópolis, do ex-governador de MS, Pedro Pedrossian. A Justiça mandou a polícia afastar os índios de lá.


Deixe seu Comentário

Leia Também

SHOWBIZZ
Filha de Romário posa de biquíni e irmão brinca: “Que palhaçada é essa?”
BATAYPORÃ
Debate entre vereadores termina em ''quebra-pau'' na porta de delegacia
EXTRADIÇÃO
Após anúncio, Paraguai expulsa presos brasileiros procurados pela Justiça
UEMS
Curso de pedagogia realiza 4ª Colônia de Férias em Dourados
RECADASTRAMENTO
Mais de 93 mil eleitores já passaram pela biometria obrigatória em MS
CAMPO GRANDE
Câmera flagra “puxão” em nota de R$ 100 e caixa de lotérica vai presa
DOURADOS
Defesa de Idenor vai à Justiça para tentar barrar nova sessão
POLÍTICA
Câmara aprova texto-base de projeto que prevê nova lei de licitações
INTERIORIZAÇÃO
Grupo de 167 venezuelanos chega esta semana em Dourados
FUTEBOL
Jogos da Copa América só terão prorrogação a partir da semifinal

Mais Lidas

DOURADOS
Trans e namorado são presos suspeitos de extorquir cliente após programa
FRONTEIRA
Homem assassinado em estacionamento de shopping é ex-policial
DOURADOS
Jovem morre ao bater moto contra carreta parada no Água Boa
DOURADOS
Homem escapa de tiros na Vila Toscana; ex-namorada e o atual dela seriam os autores