Menu
Busca sábado, 23 de março de 2019
(67) 9860-3221
IDOSOS

Casais que envelhecem juntos substituem implicância por afeto

19 dezembro 2018 - 11h04Por G1 Bem-Estar

Às vezes, basta um comentário sobre o jantar ou o que fazer no fim de semana e pronto: a conversa logo azeda e descamba para recriminações mútuas. Há muitos casais que vivem numa espécie de estado de beligerância permanente, mas será que a animosidade piora com o passar dos anos e condena a relação? De acordo com um estudo da Universidade da Califórnia de Berkeley, o tempo pode ser um bom aliado para aparar as arestas.

Os pesquisadores analisaram conversas gravadas entre 87 casais: os que tinham entre 40 e 50 anos estavam juntos há 15 anos; os na faixa entre 60 e 70 eram casados há 35 anos. Funcionava desse modo: os cônjuges eram observados conversando sobre experiências e situações de conflito. O material era gravado e o comportamento de marido e mulher era avaliado de acordo com expressões faciais, linguagem do corpo, conteúdo verbal e tom de voz. As emoções eram então divididas em categorias: raiva, desprezo, nojo, medo, tensão, tristeza, comportamento dominante ou defensivo, afeição, entusiasmo e assim por diante. Ao longo de 13 anos, cada casal esteve no laboratório três vezes.

Os psicólogos notaram que, independentemente da satisfação com o relacionamento, o comportamento emocional do casal se tornava mais positivo com a idade. Descobriram que, conforme envelheciam, havia mais leveza e humor na relação e eles demonstravam mais carinho um pelo outro. Comportamentos negativos, como críticas ácidas e ficar na defensiva, eram substituídos por mais afeto e compreensão.

No laboratório de psicofisiologia da universidade, que estuda a relação entre fenômenos psíquicos e fisiológicos dos indivíduos, pesquisas anteriores já apontavam que as mulheres eram mais expressivas do ponto de vista emocional – sabemos disso muito bem! Essa característica as levava a se tornarem mais dominantes na relação na velhice, mas, no cruzamento dos estudos, tal mudança de comportamento não afetava negativamente a trajetória ascendente de afeto do casal.

A pesquisa, que foi publicada recentemente na revista “Emotion”, vai na contramão do senso comum de que a chama se desgasta e os casamentos tendem a se deteriorar. Robert Levenson, professor de psicologia em Berkeley, há 25 anos acompanha cerca de 150 relacionamentos de longa duração. Os participantes do estudo estão, em sua grande parte, na faixa dos 70, 80 e até 90 anos. Para ele, a descoberta joga luz no que chamou de “grandes paradoxos da vida dos mais velhos”. “Mesmo tendo que enfrentar a perda de amigos e parentes, idosos que têm casamentos estáveis são relativamente felizes, com taxas menores de depressão e ansiedade. A união se torna uma aliada da saúde mental. Também nos traz evidências comportamentais de que, com a idade tendemos a focar nos aspectos positivos de nossas vidas”, explicou.

Deixe seu Comentário

Leia Também

BRASIL
Caminhoneiros se mobilizam para nova paralisação, mostra monitoramento
IVINHEMA
Médico veterinário morre em acidente de moto na MS-276
CICLISMO
Desafio das Araras de Mountain Bike abre inscrições para 2ª etapa
TRÊS LAGOAS
Homens tentam dar calote de R$ 4,5 mil em boate e acabam na delegacia
VIOLÊNCIA
Líder rural é assassinada a facadas em assentamento no sudeste do Pará
DOURADOS
Homem é assaltado por trio quando trafegava próximo ao shopping
SELEÇÃO
Brasil enfrenta hoje o Panamá no primeiro amistoso da temporada
CRIME AMBIENTAL
Fazendeiros são autuados em R$ 19,5 mil por quatro desmatamentos
DESACOMPANHADOS
Nova lei exige autorização judicial para menores de 16 anos viajarem
CENTRO
Jovem de 22 anos perde motocicleta durante assalto em Dourados

Mais Lidas

HU
Dengue hemorrágica causa morte de menino de 11 anos em Dourados
LUTO
Fundadora da ADL, Ruth Hellman morre em Dourados
DOURADOS
Protesto contra a Reforma da Previdência leva centenas ao Centro
DOURADOS
Trio que matou e roubou cabeleireiro é condenado a 62 anos de cadeia