Menu
Busca quarta, 26 de junho de 2019
(67) 9860-3221
SAÚDE

Brasil teve mais de 140 mil acidentes com escorpiões em 2018; veja como se proteger

14 janeiro 2019 - 09h42Por G1

O Ministério da Saúde registrou, no ano passado, 141,4 mil acidentes com escorpiões. O número representa um aumento de 16 mil ocorrências em relação ao ano anterior, e um crescimento de quase 50 mil em relação a 2016. Os dados referentes a 2018 ainda são preliminares.

Em 2016, 115 pessoas morreram por conta de acidentes com escorpiões no Brasil. Em 2017, foram 88 vítimas fatais. A pasta ainda não tem o levantamento sobre mortes no ano passado porque esse número só é calculado dois anos depois do ano de referência.

O clima úmido e quente do verão contribui para o aparecimento desses animais, que se escondem em esgotos e entulhos. Locais com acúmulo de lixo também costumam trazer riscos, pois o escorpião se alimenta de baratas — que são atraídas pelos resíduos.

Confira dicas de como evitar acidentes com escorpiões:

Use telas em ralos no chão, pias e tanques;

Procure vedar possíveis frestas nas paredes e colocar soleiras nas portas;

Afaste camas e berços das paredes;
Faça uma checagem em roupas e sapatos antes de vestir ou calçar, para se certificar de que nenhum inseto entrou;

Mantenha jardins e quintais livres de entulhos, folhas secas e lixo doméstico;

Guarde o lixo da casa em sacos bem fechados, pois os resíduos podem atrair baratas, que servem de alimento para o escorpião;

Mantenha a grama aparada;

Evite colocar a mão em buracos, embaixo de pedras ou em troncos apodrecidos;

Use luvas e botas para manusear entulho e materiais de construção, por exemplo;

Se morar em área rural, procure preservar os predadores dos escorpiões: lagartos, sapos, e aves noturnas, como as corujas;

Evite usar pesticidas, pois eles não têm eficácia comprovada para controlar o animal em ambientes urbanos.

Trabalhadores da construção civil, madeireiras, transportadoras ou distribuidoras de hortaliças, legumes e frutas são considerados grupos de risco, assim como crianças. Abaixo dos 7 anos de idade, os pequenos também correm mais risco de ter sintomas longe do local da picada — por isso é necessário socorrê-las o mais rápido possível.

O que fazer em caso de acidentes?

O Ministério da Saúde e o Instituto Butantan recomendam ir, imediatamente, ao local de atendimento mais próximo (confira a lista). Confira outras medidas que também podem ser adotadas:

A pessoa que foi picada deve ficar em posição deitada e permanecer calma;

Lavar o local da picada com água e sabão ajuda, mas só se isso não for atrasar o atendimento médico;

Mantenha o local da picada elevado;

Dê água à vítima.

Em caso de acidentes leves — que, segundo o Ministério da Saúde, são 87% das ocorrências — não é necessário aplicar antídoto, mas só o profissional de saúde poderá fazer essa avaliação.

Deixe seu Comentário

Leia Também

DOURADOS
Rapaz é preso após tentar assaltar mulher na Praça Antônio João
POLÍCIA
Mulher é presa após invadir casa, furtar roupas e tentar vender pertences à vizinha
SANEAMENTO BÁSICO
Dourados recebe mais de 300km de rede de esgoto
BRASIL
Confiança da Construção cresce 2,1 pontos de maio para junho, diz FGV
CONTRABANDO
Após fuga, casal que transportava R$ 90 mil em eletrônicos é capturado
POLÍCIA
Comerciante é preso após vender cachaça a adolescentes em Dourados
MATO GROSSO DO SUL
Projeto sobre proibição de canudos de plástico pode ser votado nesta quarta-feira
BRASIL
Senado aprova regras para produção e venda de queijos artesanais
ESTRELA TOVY
Homem morre após ter faca cravada no olho em Dourados
ASSEMBLEIA
Retirada da Laguna será relembrada em sessão solene nesta quarta

Mais Lidas

DOURADOS
Trans e namorado são presos suspeitos de extorquir cliente após programa
FRONTEIRA
Homem assassinado em estacionamento de shopping é ex-policial
DOURADOS
Jovem morre ao bater moto contra carreta parada no Água Boa
DOURADOS
Homem escapa de tiros na Vila Toscana; ex-namorada e o atual dela seriam os autores