Menu
Busca quarta, 18 de setembro de 2019
(67) 9860-3221

Assessoria de comunicação e jornalismo - lados opostos de uma mesma moeda, por Stella Zanchett

06 dezembro 2012 - 15h30

#####Por Stella Zanchett (*)




Aproveitando o ensejo dos artigos sobre os desafios no mercado de trabalho para os jornalistas, vou puxar a sardinha para o meu lado, e problematizar sobre um mercado que vem crescendo e acolhendo novos profissionais da área: a assessoria de comunicação.

Jornalistas encontram na assessoria de imprensa uma área promissora, em que um dos atrativos é a rotina de trabalho pautada pela visão estratégica e planejamento – bem diferente do ineditismo frenético nas redações de impressos, rádios e televisões.

Penso que o comunicador deve ter profunda percepção da sua responsabilidade social. Por outro lado, sei bem que a rotina de trabalho nos oferece os vícios do mercado. O profissional viciado é aquele que – em sendo assessor – pensa que seu trabalho é falar bem do seu empregador. E o jornalista viciado é aquele que, no discurso, até menospreza o trabalho da assessoria de comunicação, mas publica tudo que recebe, do jeito que recebeu.

Falando assim, o jornalista parece um protagonista isolado – quem tem livre vontade para escolher entre ser o mocinho ou ser vilão. Gostaria, então, de lembrar o belo artigo escrito também nesta semana pelo companheiro Luis Carlos Luciano, falando sobre o assédio moral nas redações (e porque não nas empresas e órgãos que contratam jornalistas como assessores?). Também contribui para esta reflexão que faço agora, o texto do jornalista Helton Costa, “O Jornalismo enquanto campo de batalha interno e profissional”.

Devemos lembrar que os vícios profissionais são originados na história pessoal e coletiva. Nós, jornalistas, vivemos uma relação hierárquica com nossos patrões, em um Brasil que não se constrange frente à histórica concentração dos meios de comunicação. Em nossa rotina, cada um de nós sofremos as conseqüências de haver uma classe política que se beneficia com essa mídia sem caráter social, uma casta política que não quer mudar essa correlação de forças.

O jornalista pode ser o protagonista em seu processo de trabalho. Mas quem define o cenário e o enredo dessa nossa história pessoal e coletiva ainda é o empregador, não esqueçamos!

Sejamos jornalistas, assessores, cinegrafistas, repórter fotográfico, etc, exercemos diferentes funções, mas temos o mesmo papel de comunicar à sociedade, e sofremos as mesmas implicações no nosso cotidiano profissional. Diante dessa realidade, a organização sindical continua imprescindível. Desejamos ao Sinjorgran muitos anos de luta à frente, e temos o sincero desejo de que cada vez mais possamos contar com a união de nossa classe, lutando por verdadeira democracia e comunicação com compromisso social.




(*)Presidenta da Comissão de Sindicância do Sinjorgran e jornalista da UFGD

Deixe seu Comentário

Leia Também

SHOWBIZZ
Namorada do sertanejo Sorocaba chama atenção na web pela beleza
MUNDO NOVO
Bebê morto após ser espancado também foi violentado sexualmente
SUPREMO
STF julga até novembro se anula condenação de Lula, diz Gilmar Mendes
CAPITAL
Estudante filmado agredindo jovem é condenado a 4 anos de prisão
QUEIMADAS
MS terá aeronave e 34 bombeiros do DF para combate a incêndios
INTOLERÂNCIA
Aluna é barrada em escola estadual por usar calça rasgada
CONGRESSO
Senado recua e desiste de mudanças que reduziam transparência nas eleições
CASSEMS
Roda de conversa, programa ‘Casal Grávido’ orienta pais e mães
ECONOMIA
Mato Grosso do Sul aumenta em 46% volume de exportações de janeiro a agosto
POLÍCIA
Ladrões feridos em assalto a loja de locação morrem no Hospital da Vida

Mais Lidas

DOURADOS
Carro roleta Marcelino, bate em moto e deixa jovem ferida
EMPREENDENDO NO BAIRRO
Distante 8 km do Centro, moradores do Parque II só sentem falta de lotérica no comércio do bairro
IVINHEMA
Pescador encontra cadáver às margens de rio e informa a Polícia
FRONTEIRA
Empresário brasileiro atacado por pistoleiros não resiste a ferimentos e morre