Menu
Busca sábado, 26 de maio de 2018
(67) 9860-3221
BANNER AUDIÊNCIA ASSEMBLEIA

Artigo: Geração de oportunidades perdidas

23 maio 2011 - 12h28

A empregabilidade dos jovens em todo o mundo está muito comprometida. O sinal de alerta foi dado pela Organização Internacional do Trabalho (OIT) ao divulgar, em meados do ano passado, o número recorde de quase 81 milhões de desempregados com idades entre 15 e 24 anos – um contingente duas vezes superior à população total da Argentina. A novidade, entretanto, é que a situação dos países desenvolvidos está muito mais complicada do que a de nações subdesenvolvidas ou em desenvolvimento. Enquanto o índice de jovens desempregados dos primeiros aumentou 34,1% entre 2008 e 2009, na América Latina o índice cresceu 11,4%. A gravidade da crise levou a OIT a prever o surgimento de “uma geração perdida, constituída de jovens que abandonaram o mercado de trabalho e perderam as esperanças de poder trabalhar e ganhar a vida decentemente”, conforme atesta relatório divulgado em 2010.

Entretanto, apesar do aparente clima de estabilidade abaixo do da linha do equador, no Brasil os jovens continuam a liderar o ranking de pessoas com maior dificuldade de entrar no mercado de trabalho. Uma das razões – que não é nova, pois foi detectada há décadas – é a falta de integração entre o mundo acadêmico e o mundo do trabalho. Esse descolamento gera um cenário pernicioso que impede o pleno aproveitamento da expansão do mercado de trabalho: cresce aos milhares a oferta de vagas, mas elas permanecem em aberto diante a crônica carência de profissionais capacitados para enfrentar os desafios da economia moderna.

O tamanho do problema? Pesquisa realizada pela consultoria PricewaterhouseCoopers revelou que 63% dos presidentes de empresas no Brasil temem um apagão de mão de obra. Portanto, mais do que nunca, o País precisa institucionalizar práticas de inclusão profissional de jovens, com destaque para o estágio de estudantes, e empenhar-se com mais vigor para fazer valer leis como as da aprendizagem e as das cotas de pessoas com deficiência. Outra vertente da solução é o estímulo ao ensino profissionalizante – solução já ensaiada pelo Brasil e que está sendo colocada em prática pela China, interessada em manter seus espetaculares índices de crescimento da produção. No Brasil, a necessidade de ação é premente e o preço da omissão será a concretização das previsões da OIT: uma geração de oportunidades perdidas.

Luiz Gonzaga Bertelli é presidente executivo do Centro de Integração Empresa-Escola (CIEE), da Academia Paulista de História (APH) e diretor da Fiesp.

Deixe seu Comentário

Leia Também

TRÁFICO
Adolescente é apreendido com "Super Maconha" na rodoviária de Dourados
ESPORTES
Atleta paralímpica de Dourados ganha três ouros em competição nacional
GREVE DOS CAMINHONEIROS
Caminhoneiros tiram veículos da rodovia, mas paralisação segue firme em Dourados
EXÉRCITO
CMO realiza reunião para definir ações para a greve dos caminhneiros
FUTEBOL
Real Madrid vence a Liga dos Campeões pela terceira época consecutiva
IMPOSTO
Justiça derruba portaria da Sefaz que vinha prejudicando a arrecadação
SERRA DA BODOQUENA
Kits do Desafio de Mountain Bike serão entregues neste sábado
VOZES ESPÍRITAS
Hoje tem palestra sobre Eurípedes Barsanulfo, o apóstolo da caridade
GREVE
UFGD estende interrupção das atividades acadêmicas e administrativas
SONORA
Adolescente de 14 anos é assassinado a golpes de faca em praça

Mais Lidas

DOURADOS
Homem é preso revendendo gasolina em lava-rápido
R$ 6,50 O LITRO
Preso vendendo gasolina em lava-rápido responderá por crime ambiental
DOURADOS
Dupla invade contramão, rouba jovem e acaba presa
PROTESTOS
Temer autoriza uso de forças federais para desbloquear rodovias