Menu
Busca sábado, 23 de março de 2019
(67) 9860-3221

Artigo: Da Cobrança Indevida/Repetição de Indébito

26 maio 2011 - 14h03

Insta salientar primeiramente que a cobrança indevida, parte do principio que há uma relação consumidor/fornecedor. Partindo da premissa que aquele que esta sendo cobrado, ainda que indevidamente se relacionou com o seu suposto credor outrora. Relacionar no sentido comercial, haja vista, fosse uma relação de negócios não caberia tal cobrança e sim a Execução da relação instituída entre ambos.

Desta feita aquele que cobra por uma divida não paga age perfeitamente em seu direito. Porem aquele que cobra por um divida já paga, Age com excesso e tem o dever de devolver o dinheiro daquele que foi cobrado injustamente.

A situação do exeqüente (aquele que cobra a divida), fica ainda mais grave; quando protesta o titulo ou então negativa o nome do cliente junto ao serviço de proteção de crédito(SCPC, SERASA E OUTROS). A partir daí a situação do Exeqüente passa a ser não á de receber o seu credito e sim a de lesionar o consumidor.

E esta lesão gera um dano, e todo dano tem que ser ressarcido. Qual seria o dano sofrido pelo cliente negativado indevidamente? Imagine você tentando fazer um compra em uma loja(de roupa, mercado, eletrodomésticos) ou ate mesmo em um banco tentando um financiamento.

Você escolhe o que deseja comprar e na hora de abrir o seu credito você esta lá negativado (inscrito junto ao SCPC, SERASA). Frustração total, sem dizer da vergonha que você passou junto a pessoa que lhe fez o atendimento. A partir deste momento a lesão sofrida pelo consumidor gera necessariamente o dever de indenizar por parte do ofensor.

A cobrança indevida consubstancia violação ao dever anexo de cuidado e portanto destoa do parâmetro de conduta determinado pela incidência do princípio da boa-fé objetiva.

E esta obrigação do credor de ressarcir o consumidor esta previsto em nosso CDC no seu Art. 42 Parágrafo único. O consumidor cobrado em quantia indevida tem direito à repetição do indébito, por valor igual ao dobro do que pagou em excesso, acrescido de correção monetária e juros legais, salvo hipótese de engano justificável.


Valdeci Davalo Ferreira, advogado, pós graduando em direito público.
Escritório R. João Rosa Góes, 437, sala 06, centro, Dourados-MS, fone 67-9959-6508.

Deixe seu Comentário

Leia Também

SHOWBIZZ
Após cirurgia, Cleo Pires exibe corpão, faz dancinha e rebate seguidor
TRÊS LAGOAS
Mulher que entrou em briga de casal e matou homem diz que foi acidente
FUTEBOL
Aquidauanense vence o Operário na abertura das quartas do Estadual
DOURADOS
Agehab vai aos bairros para regularização de loteamentos sociais
PONTA PORÃ
Adolescente é apreendida com maconha que levaria para São Paulo
LUTO
Ator e diretor Domingos Oliveira morre aos 83 ans no Rio de Janeiro
FUTEBOL
Paquetá marca, mas Brasil só empata com Panamá em amistoso
BRASIL
Caminhoneiros se mobilizam para nova paralisação, mostra monitoramento
IVINHEMA
Médico veterinário morre em acidente de moto na MS-276
CICLISMO
Desafio das Araras de Mountain Bike abre inscrições para 2ª etapa

Mais Lidas

HU
Dengue hemorrágica causa morte de menino de 11 anos em Dourados
LUTO
Fundadora da ADL, Ruth Hellman morre em Dourados
DOURADOS
Protesto contra a Reforma da Previdência leva centenas ao Centro
DOURADOS
Trio que matou e roubou cabeleireiro é condenado a 62 anos de cadeia