Menu
Busca quinta, 19 de julho de 2018
(67) 9860-3221

Artigo: Da Cobrança Indevida/Repetição de Indébito

26 maio 2011 - 14h03

Insta salientar primeiramente que a cobrança indevida, parte do principio que há uma relação consumidor/fornecedor. Partindo da premissa que aquele que esta sendo cobrado, ainda que indevidamente se relacionou com o seu suposto credor outrora. Relacionar no sentido comercial, haja vista, fosse uma relação de negócios não caberia tal cobrança e sim a Execução da relação instituída entre ambos.

Desta feita aquele que cobra por uma divida não paga age perfeitamente em seu direito. Porem aquele que cobra por um divida já paga, Age com excesso e tem o dever de devolver o dinheiro daquele que foi cobrado injustamente.

A situação do exeqüente (aquele que cobra a divida), fica ainda mais grave; quando protesta o titulo ou então negativa o nome do cliente junto ao serviço de proteção de crédito(SCPC, SERASA E OUTROS). A partir daí a situação do Exeqüente passa a ser não á de receber o seu credito e sim a de lesionar o consumidor.

E esta lesão gera um dano, e todo dano tem que ser ressarcido. Qual seria o dano sofrido pelo cliente negativado indevidamente? Imagine você tentando fazer um compra em uma loja(de roupa, mercado, eletrodomésticos) ou ate mesmo em um banco tentando um financiamento.

Você escolhe o que deseja comprar e na hora de abrir o seu credito você esta lá negativado (inscrito junto ao SCPC, SERASA). Frustração total, sem dizer da vergonha que você passou junto a pessoa que lhe fez o atendimento. A partir deste momento a lesão sofrida pelo consumidor gera necessariamente o dever de indenizar por parte do ofensor.

A cobrança indevida consubstancia violação ao dever anexo de cuidado e portanto destoa do parâmetro de conduta determinado pela incidência do princípio da boa-fé objetiva.

E esta obrigação do credor de ressarcir o consumidor esta previsto em nosso CDC no seu Art. 42 Parágrafo único. O consumidor cobrado em quantia indevida tem direito à repetição do indébito, por valor igual ao dobro do que pagou em excesso, acrescido de correção monetária e juros legais, salvo hipótese de engano justificável.


Valdeci Davalo Ferreira, advogado, pós graduando em direito público.
Escritório R. João Rosa Góes, 437, sala 06, centro, Dourados-MS, fone 67-9959-6508.

Deixe seu Comentário

Leia Também

VEGETAÇÃO NATIVA
Fazendeiro de Jardim é autuado em R$ 9,8 mil por desmatamento ilegal
BANCO CENTRAL
Quase 20% da população ainda guarda moedas em casa
MATO GROSSO DO SUL
Programa de Prevenção e Controle do Complexo teníase – cisticercose é criado em MS
PORTUÁRIO
Grupo quer ajuda do Estado para construir novo terminal em Porto Murtinho
EDUCAÇÃO
Alteração de dados no Fies: tire suas dúvidas
CAPACITAÇÃO
IEL apresenta a empresários soluções em gestão e treinamento de lideranças
OPERAÇÃO ECHELON
Facção tem "casa de apoio" para presos em MS
FRONTEIRA
Inquérito vai apurar qualidade da água fornecida para a população de Coronel Sapucaia
ECONOMIA
Soja responde por 16% das exportações brasileiras no semestre
SAÚDE
Apesar de "ambiente seguro", populares devem se alertar contra o sarampo em Dourados

Mais Lidas

DOURADOS
“Aqui é PCC!”, disseram atiradores que mataram dupla
DOURADOS
Maconha apreendida em caminhão e casa no Água Boa totalizou mais de 4,3t
CAMPO GRANDE
Douradense é preso acusado de ser mandante de tentativa de roubo de avião
PONTA PORÃ
Jovem diz que recebeu 25 kg de maconha como pagamento por sexo