Menu
Busca terça, 18 de setembro de 2018
(67) 9860-3221

Artigo: Da Cobrança Indevida/Repetição de Indébito

26 maio 2011 - 14h03

Insta salientar primeiramente que a cobrança indevida, parte do principio que há uma relação consumidor/fornecedor. Partindo da premissa que aquele que esta sendo cobrado, ainda que indevidamente se relacionou com o seu suposto credor outrora. Relacionar no sentido comercial, haja vista, fosse uma relação de negócios não caberia tal cobrança e sim a Execução da relação instituída entre ambos.

Desta feita aquele que cobra por uma divida não paga age perfeitamente em seu direito. Porem aquele que cobra por um divida já paga, Age com excesso e tem o dever de devolver o dinheiro daquele que foi cobrado injustamente.

A situação do exeqüente (aquele que cobra a divida), fica ainda mais grave; quando protesta o titulo ou então negativa o nome do cliente junto ao serviço de proteção de crédito(SCPC, SERASA E OUTROS). A partir daí a situação do Exeqüente passa a ser não á de receber o seu credito e sim a de lesionar o consumidor.

E esta lesão gera um dano, e todo dano tem que ser ressarcido. Qual seria o dano sofrido pelo cliente negativado indevidamente? Imagine você tentando fazer um compra em uma loja(de roupa, mercado, eletrodomésticos) ou ate mesmo em um banco tentando um financiamento.

Você escolhe o que deseja comprar e na hora de abrir o seu credito você esta lá negativado (inscrito junto ao SCPC, SERASA). Frustração total, sem dizer da vergonha que você passou junto a pessoa que lhe fez o atendimento. A partir deste momento a lesão sofrida pelo consumidor gera necessariamente o dever de indenizar por parte do ofensor.

A cobrança indevida consubstancia violação ao dever anexo de cuidado e portanto destoa do parâmetro de conduta determinado pela incidência do princípio da boa-fé objetiva.

E esta obrigação do credor de ressarcir o consumidor esta previsto em nosso CDC no seu Art. 42 Parágrafo único. O consumidor cobrado em quantia indevida tem direito à repetição do indébito, por valor igual ao dobro do que pagou em excesso, acrescido de correção monetária e juros legais, salvo hipótese de engano justificável.


Valdeci Davalo Ferreira, advogado, pós graduando em direito público.
Escritório R. João Rosa Góes, 437, sala 06, centro, Dourados-MS, fone 67-9959-6508.

Deixe seu Comentário

Leia Também

JUSTIÇA
Consumidor que fez “gato” em energia é condenado a pagar dívida
FRONTEIRA
Polícia prende dupla responsável por roubom de cerca de 15 motos
UFGD
Evento sobre prevenção ao suicídio acontece até segunda-feira
JUSTIÇA
PGR recorre contra decisão de Gilmar Mendes que soltou Beto Richa
CONCURSO
UEMS recebe inscrições para dois novos Processos Seletivos
ESPORTES
Hortência é eleita a melhor da história dos Mundiais de Basquete
PESQUISA IBOPE
Bolsonaro, 28%; Haddad, 19%; Ciro, 11%; Alckmin, 7%; Marina, 6%
PECULATO
Segunda Turma do STF absolve Renan Calheiros no caso Mônica Veloso
JARDIM
Revoltado com abordagem, motorista invoca Bolsonaro, xinga PM e é preso
TELEVISÃO
A nova temporada do reality show "A Fazenda" começa nesta terça-feira

Mais Lidas

DOURADOS
Homem encontrado na Marcelino morreu de causas naturais
FLAGRANTE
Mãe é presa na frente da filha traficando cocaína
DOURADOS
Corpo é encontrado na Marcelino Pires
MS-164
Trio é flagrado com mais de 1t de maconha no Copo Sujo