Menu
Busca sábado, 21 de setembro de 2019
(67) 9860-3221

Artigo: Da Cobrança Indevida/Repetição de Indébito

26 maio 2011 - 14h03

Insta salientar primeiramente que a cobrança indevida, parte do principio que há uma relação consumidor/fornecedor. Partindo da premissa que aquele que esta sendo cobrado, ainda que indevidamente se relacionou com o seu suposto credor outrora. Relacionar no sentido comercial, haja vista, fosse uma relação de negócios não caberia tal cobrança e sim a Execução da relação instituída entre ambos.

Desta feita aquele que cobra por uma divida não paga age perfeitamente em seu direito. Porem aquele que cobra por um divida já paga, Age com excesso e tem o dever de devolver o dinheiro daquele que foi cobrado injustamente.

A situação do exeqüente (aquele que cobra a divida), fica ainda mais grave; quando protesta o titulo ou então negativa o nome do cliente junto ao serviço de proteção de crédito(SCPC, SERASA E OUTROS). A partir daí a situação do Exeqüente passa a ser não á de receber o seu credito e sim a de lesionar o consumidor.

E esta lesão gera um dano, e todo dano tem que ser ressarcido. Qual seria o dano sofrido pelo cliente negativado indevidamente? Imagine você tentando fazer um compra em uma loja(de roupa, mercado, eletrodomésticos) ou ate mesmo em um banco tentando um financiamento.

Você escolhe o que deseja comprar e na hora de abrir o seu credito você esta lá negativado (inscrito junto ao SCPC, SERASA). Frustração total, sem dizer da vergonha que você passou junto a pessoa que lhe fez o atendimento. A partir deste momento a lesão sofrida pelo consumidor gera necessariamente o dever de indenizar por parte do ofensor.

A cobrança indevida consubstancia violação ao dever anexo de cuidado e portanto destoa do parâmetro de conduta determinado pela incidência do princípio da boa-fé objetiva.

E esta obrigação do credor de ressarcir o consumidor esta previsto em nosso CDC no seu Art. 42 Parágrafo único. O consumidor cobrado em quantia indevida tem direito à repetição do indébito, por valor igual ao dobro do que pagou em excesso, acrescido de correção monetária e juros legais, salvo hipótese de engano justificável.


Valdeci Davalo Ferreira, advogado, pós graduando em direito público.
Escritório R. João Rosa Góes, 437, sala 06, centro, Dourados-MS, fone 67-9959-6508.

Deixe seu Comentário

Leia Também

LEGISLATIVO DE MS
Semana na ALMS terá duas audiências públicas
FESTA
2ª Peixada Dourados News celebra 19 anos do maior jornal online do interior de MS
BRASIL
Investidores internacionais querem evitar dupla tributação com Brasil
TRÁFICO
Polícia fecha "boca" e prende mulher seis dias após ela sair da prisão
MEIO AMBIENTE
Traficante de aves foge da polícia ao ser flagrado tentando furtar filhotes de papagaio
MÚSICA
Batalha de Bandas acontece neste sábado na Capital
ITAPORÃ
Durante ação voltada ao meio-ambiente, maconha é encontrada às margens de rodovia
BRASIL
Governo libera quase R$ 800 milhões em emendas parlamentares
GP DE SINGAPURA
Leclerc desbanca Hamilton e Vettel na última volta para conquistar a pole
MUDANÇA
Entenda as novas regras para conduzir as motos 'cinquentinhas'

Mais Lidas

SETEMBRO AMARELO
Sem perceber sinais, Silvânia perdeu a filha e hoje reconhece a necessidade da escuta
BARBÁRIE
Após matar criança afogada, pai ligou para ex e inventou sequestro
POLÍCIA
Jovem é executado por pistoleiros em Ponta Porã
DOURADOS
Bêbado é preso após bater carro e derrubar muro