Menu
Busca sexta, 16 de novembro de 2018
(67) 9860-3221

Artigo: Da Cobrança Indevida/Repetição de Indébito

26 maio 2011 - 14h03

Insta salientar primeiramente que a cobrança indevida, parte do principio que há uma relação consumidor/fornecedor. Partindo da premissa que aquele que esta sendo cobrado, ainda que indevidamente se relacionou com o seu suposto credor outrora. Relacionar no sentido comercial, haja vista, fosse uma relação de negócios não caberia tal cobrança e sim a Execução da relação instituída entre ambos.

Desta feita aquele que cobra por uma divida não paga age perfeitamente em seu direito. Porem aquele que cobra por um divida já paga, Age com excesso e tem o dever de devolver o dinheiro daquele que foi cobrado injustamente.

A situação do exeqüente (aquele que cobra a divida), fica ainda mais grave; quando protesta o titulo ou então negativa o nome do cliente junto ao serviço de proteção de crédito(SCPC, SERASA E OUTROS). A partir daí a situação do Exeqüente passa a ser não á de receber o seu credito e sim a de lesionar o consumidor.

E esta lesão gera um dano, e todo dano tem que ser ressarcido. Qual seria o dano sofrido pelo cliente negativado indevidamente? Imagine você tentando fazer um compra em uma loja(de roupa, mercado, eletrodomésticos) ou ate mesmo em um banco tentando um financiamento.

Você escolhe o que deseja comprar e na hora de abrir o seu credito você esta lá negativado (inscrito junto ao SCPC, SERASA). Frustração total, sem dizer da vergonha que você passou junto a pessoa que lhe fez o atendimento. A partir deste momento a lesão sofrida pelo consumidor gera necessariamente o dever de indenizar por parte do ofensor.

A cobrança indevida consubstancia violação ao dever anexo de cuidado e portanto destoa do parâmetro de conduta determinado pela incidência do princípio da boa-fé objetiva.

E esta obrigação do credor de ressarcir o consumidor esta previsto em nosso CDC no seu Art. 42 Parágrafo único. O consumidor cobrado em quantia indevida tem direito à repetição do indébito, por valor igual ao dobro do que pagou em excesso, acrescido de correção monetária e juros legais, salvo hipótese de engano justificável.


Valdeci Davalo Ferreira, advogado, pós graduando em direito público.
Escritório R. João Rosa Góes, 437, sala 06, centro, Dourados-MS, fone 67-9959-6508.

Deixe seu Comentário

Leia Também

MATO GROSSO DO SUL
Fazenda projeto queda no ICMS de Dourados e mais 23 municípios
DOURADOS
Desembargador nega Habeas Corpus a ex-secretário preso na Operação Pregão
PREVISÃO DO TEMPO
Final de semana deve ser marcado por calor e chuva em Dourados
NOVA ALVORADA DO SUL
Briga de família termina com pai esfaqueando a filha
BRASIL
Operações resgatam 48 trabalhadores em situação análoga à escravidão
DOURADOS
Mulher é roubada ao chegar em hotel
SOLIDARIEDADE
Família de bebê de 4 meses pede ajuda para conseguir respirador
MAIS MÉDICOS
Governo cubano quer retirar todos os médicos do Brasil até o fim do ano
TELEVISÃO
Luane Dias é eliminada de A Fazenda com 28,30% dos votos
EDUCAÇÃO
Inscrições em concurso com 500 vagas termina nesta sexta-feira

Mais Lidas

CAMPO GRANDE
Empresário é executado e filho fica ferido em atentado
CAMPO GRANDE
Empresário executado na Capital era avalista em dívida de R$ 40 milhões
SUSTO
Veículo com placas de Dourados fica destruído ao ser atingido por vagões de trem
DOURADOS
Dupla armada rouba moto para assaltar empresa e levar R$ 3 mil