Menu
Busca segunda, 18 de novembro de 2019
(67) 9860-3221

Artigo: 'Crônica em retalhos: o perigo inflacionário'

14 maio 2011 - 10h51

Regime perverso: não é novidade dizermos que o capitalismo é um regime perverso na medida em que só existe enquanto houver exploração do homem pelo homem. Sem esse fator, gerador da mais-valia, o capitalismo não teria como existir.

Inflação: não bastasse essa constatação, da perversidade capitalista, outro mostro que persegue a humanidade, e isso desde quando se criou o mercado de trocas, é a inflação. Essa não é propriamente uma criação do capitalismo, mas determinada por uma lei da economia que até hoje não foi revogada: a lei da oferta e da procura.

Mostro enclausurado: governantes de todas as partes do mundo, desde a Antiguidade combatem constantemente esse verdadeiro monstro que é a inflação. Sempre se dá um jeito de enclausurá-lo, mas como a Fênix, renasce das próprias cinzas e atormenta novamente os governantes e faz sofrer os povos.

Causas da inflação: causas, eu disse, portanto temos a considerar que esse monstro chamado inflação não é de uma só cabeça. Se fosse de uma única cabeça bastaria cortá-la enquanto estivesse enclausurada e controlada pelos governantes. Dentre as causas da inflação poderemos mencionar os gastos excessivos dos governantes, a valorização de produtos agrícolas decorrentes de intempéries, mas hoje vou falar sobre o crescimento econômico como gerador da inflação.

Oferta e Procura: É elementar dentre os conceitos da Economia que quanto maior a oferta e menor a procura, menor é o preço e quanto menor a oferta e maior a procura maior o preço. Isso posto, vejamos o que aconteceu nos últimos anos no caso brasileiro.

Lula e a inserção social: os programas sociais do governo Lula, aliados a uma política externa de ampliação de mercados e um acerto na política econômica interna, fizeram com que houvesse a ascensão de milhares de brasileiros da condição de pobreza para a condição de consumidores. Ora, esse crescimento no poder de compra fez com que aumentasse a demanda por produtos industrializados não somente pelas chamadas classes C e B, como também pelas classes D e E, que há oito ou dez anos atrás nem sonhavam em adquirir determinados produtos.

Investimentos em infraestrutura: aliada à inclusão de milhares de brasileiros à economia de mercado, tivemos ainda maciços investimentos do governo federal em obras de infraestrutura, o que resultou em aumento acentuado na demanda por produtos industrializados.

Crescimento industrial: Não obstante o crescimento industrial brasileiro ter sido considerável, não conseguiu suprir à demanda e, por paradoxal que possa parecer, ao gerar milhares de empregos formais gerou também milhares de novos consumidores que aumentaram ainda mais a demanda por produtos, pressionando os preços, pois havendo maior procura e menor produção, como disse, maior o preço e daí o renascimento do monstro da inflação.

Remédios utilizados: quando ocorre esse processo os economistas normalmente recomendam e os governos adotam, para conter a inflação, o achatamento dos salários e o corte no crédito. Remédio amargo, que reprime a demanda e, se por um lado enclausura o mostro, por outro, impede o crescimento da economia. Mas qual seria a saída?

Financiamento da expansão industrial: Ora, o financiamento para as atividades produtivas pelos governos brasileiros seria a solução lógica para esse nó gorglio, no entanto isso já é feito por intermédio dos bancos públicos de fomento. E, se os governos não investem ainda mais nesse setor é para não caírem em outra armadilha, que é provocar um déficit público, também gerador de inflação.

Solução ideal: para atingirmos o bem estar social o ideal seria que o crescimento do Produto Interno Bruto – PIB – fosse no mínimo igual ao crescimento vegetativo da população do país. Ponto final? Não, porque as desigualdades sociais são enormes, então a solução seria o crescimento muito maior do PIB em relação ao aumento da população e uma distribuição de renda justa para que no menor decurso de prazo possível se atinja a igualdade social.

Muita água vai rolar: será que a humanidade nessa sua trajetória histórica, conseguira um dia estabelecer esse padrão de vida, mais justo, mais fraterno, mais igual?


*Suas críticas são bem vindas: biasotto@biasotto.com.br
Membro da Academia Douradense de Letras; aposentou-se como professor titular pelo CEUD/UFMS, onde, além do magistério e desenvolvimento de projetos de pesquisas, ocupou cargos de chefia e direção.*

Deixe seu Comentário

Leia Também

JUSTIÇA
Negado recurso a condenado por ocultação de cadáver e corrupção de menores
FÉRIAS
Lista de destinos nacionais mais disputados para o Natal
TRÂNSITO
Aos 84 anos, mulher sai de bailão bêbada e acaba presa após acidente em Dourados
SAÚDE
Atividades físicas nem sempre fazem bem ao coração! Entenda melhor e cuide-se!
OPORTUNIDADE
MS tem quase mil vagas de emprego disponíveis; 30 em Dourados
FRONTEIRA
Homem é executado com mais de 20 tiros e gestante baleada
CAMPO GRANDE
Homem não identificado morre afogado na cachoeira do Céuzinho
FUTEBOL
Pontaporanense faz 5 no Cena e está de volta à série A do Estadual
UEMS
Dourados sedia evento sobre prevenção de acidentes de trabalho
IMUNIZAÇÃO
Campanha de vacinação contra sarampo entra em nova fase nesta segunda

Mais Lidas

POLÍCIA
Vereador é agredido e roubado quando ia para igreja em Dourados
DOURADOS
Motociclista fica gravemente ferido após colisão no Parque Alvorada
FURTO
Casal é flagrado dentro de panificadora fechada na madrugada
DOURADOS
Mulher ameaça policiais com facão em abordagem por manobras perigosas