Menu
Busca quinta, 19 de julho de 2018
(67) 9860-3221

Artigo: 'Crônica em retalhos: o perigo inflacionário'

14 maio 2011 - 10h51

Regime perverso: não é novidade dizermos que o capitalismo é um regime perverso na medida em que só existe enquanto houver exploração do homem pelo homem. Sem esse fator, gerador da mais-valia, o capitalismo não teria como existir.

Inflação: não bastasse essa constatação, da perversidade capitalista, outro mostro que persegue a humanidade, e isso desde quando se criou o mercado de trocas, é a inflação. Essa não é propriamente uma criação do capitalismo, mas determinada por uma lei da economia que até hoje não foi revogada: a lei da oferta e da procura.

Mostro enclausurado: governantes de todas as partes do mundo, desde a Antiguidade combatem constantemente esse verdadeiro monstro que é a inflação. Sempre se dá um jeito de enclausurá-lo, mas como a Fênix, renasce das próprias cinzas e atormenta novamente os governantes e faz sofrer os povos.

Causas da inflação: causas, eu disse, portanto temos a considerar que esse monstro chamado inflação não é de uma só cabeça. Se fosse de uma única cabeça bastaria cortá-la enquanto estivesse enclausurada e controlada pelos governantes. Dentre as causas da inflação poderemos mencionar os gastos excessivos dos governantes, a valorização de produtos agrícolas decorrentes de intempéries, mas hoje vou falar sobre o crescimento econômico como gerador da inflação.

Oferta e Procura: É elementar dentre os conceitos da Economia que quanto maior a oferta e menor a procura, menor é o preço e quanto menor a oferta e maior a procura maior o preço. Isso posto, vejamos o que aconteceu nos últimos anos no caso brasileiro.

Lula e a inserção social: os programas sociais do governo Lula, aliados a uma política externa de ampliação de mercados e um acerto na política econômica interna, fizeram com que houvesse a ascensão de milhares de brasileiros da condição de pobreza para a condição de consumidores. Ora, esse crescimento no poder de compra fez com que aumentasse a demanda por produtos industrializados não somente pelas chamadas classes C e B, como também pelas classes D e E, que há oito ou dez anos atrás nem sonhavam em adquirir determinados produtos.

Investimentos em infraestrutura: aliada à inclusão de milhares de brasileiros à economia de mercado, tivemos ainda maciços investimentos do governo federal em obras de infraestrutura, o que resultou em aumento acentuado na demanda por produtos industrializados.

Crescimento industrial: Não obstante o crescimento industrial brasileiro ter sido considerável, não conseguiu suprir à demanda e, por paradoxal que possa parecer, ao gerar milhares de empregos formais gerou também milhares de novos consumidores que aumentaram ainda mais a demanda por produtos, pressionando os preços, pois havendo maior procura e menor produção, como disse, maior o preço e daí o renascimento do monstro da inflação.

Remédios utilizados: quando ocorre esse processo os economistas normalmente recomendam e os governos adotam, para conter a inflação, o achatamento dos salários e o corte no crédito. Remédio amargo, que reprime a demanda e, se por um lado enclausura o mostro, por outro, impede o crescimento da economia. Mas qual seria a saída?

Financiamento da expansão industrial: Ora, o financiamento para as atividades produtivas pelos governos brasileiros seria a solução lógica para esse nó gorglio, no entanto isso já é feito por intermédio dos bancos públicos de fomento. E, se os governos não investem ainda mais nesse setor é para não caírem em outra armadilha, que é provocar um déficit público, também gerador de inflação.

Solução ideal: para atingirmos o bem estar social o ideal seria que o crescimento do Produto Interno Bruto – PIB – fosse no mínimo igual ao crescimento vegetativo da população do país. Ponto final? Não, porque as desigualdades sociais são enormes, então a solução seria o crescimento muito maior do PIB em relação ao aumento da população e uma distribuição de renda justa para que no menor decurso de prazo possível se atinja a igualdade social.

Muita água vai rolar: será que a humanidade nessa sua trajetória histórica, conseguira um dia estabelecer esse padrão de vida, mais justo, mais fraterno, mais igual?


*Suas críticas são bem vindas: biasotto@biasotto.com.br
Membro da Academia Douradense de Letras; aposentou-se como professor titular pelo CEUD/UFMS, onde, além do magistério e desenvolvimento de projetos de pesquisas, ocupou cargos de chefia e direção.*

Deixe seu Comentário

Leia Também

ECONOMIA
Soja responde por 16% das exportações brasileiras no semestre
SAÚDE
Apesar de "ambiente seguro", populares devem se alertar contra o sarampo em Dourados
CAMPO GRANDE
Escola Senai da Construção oferece 210 vagas em 5 cursos gratuitos
BRASILEIRÃO
Clássicos paulista e carioca são destaques de encerramento da rodada nesta quinta
RURAL
Vazio sanitário da soja permanece em Mato Grosso do Sul
BRASIL
Receita cancela adesão de mais de 700 contribuintes ao Novo Refis
DOURADOS
UFGD promove Curso de Formação Extensionista
CINEMA
"Te Peguei!" conta história real de adultos que ainda brincam de pega-pega
CAMPO GRANDE
Corrida marca comemoração dos 90 anos da PRF
TRADIÇÃO
Festa de São Cristóvão reúne fiéis neste final de semana em Dourados

Mais Lidas

DOURADOS
“Aqui é PCC!”, disseram atiradores que mataram dupla
DOURADOS
Maconha apreendida em caminhão e casa no Água Boa totalizou mais de 4,3t
CAMPO GRANDE
Douradense é preso acusado de ser mandante de tentativa de roubo de avião
PONTA PORÃ
Jovem diz que recebeu 25 kg de maconha como pagamento por sexo