Menu
Busca sexta, 26 de abril de 2019
(67) 9860-3221

Artigo: Crescimento sem culpa

20 maio 2011 - 10h13

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, está corretíssimo ao afirmar que a tendência inflacionária é mundial. O Brasil, contudo, não deve resignar-se às oscilações genéricas da economia globalizada, pois já demonstrou, na recente crise do subprime, ser capaz de encontrar soluções próprias e eficazes para conciliar níveis elevados de atividade com um ambiente monetário equilibrado e saudável.

Assim, ouso afirmar que o País é um dos poucos em condições de continuar crescendo, inclusive acima dos 4,5% estimados para 2011, sem risco de recrudescimento inflacionário. Ante tal convicção, incomodam-me as justificativas de Mantega de que o governo está tentando moderar a expansão do PIB para impedir uma escalada dos preços.

Por outro lado, me agradaram o comprometimento com o controle da inflação e a confiança do ministro de que o índice acumulado do ano ficará em torno de 5,6%, quase um ponto percentual abaixo da meta de 6,5%. Sua fala referenda o recente pronunciamento da presidente Dilma Rousseff sobre o tema. Porém, para não precisarmos refrear a economia e podermos continuar crescendo sem culpa e medo do fantasma que nos assombrava antes do Plano Real, é preciso ir muito além do discurso e das medidas que o governo vem adotando. A primeira atitude é reconhecer que o juro perdeu eficácia como inibidor dos preços.

Ao mantermos a maior taxa real do mundo, e considerando que trocamos a formação de poupança interna pelo leilão de títulos públicos (atrelados à elevadíssima Selic), estamos realimentando a antiga ciranda financeira e atraindo o capital especulativo. Este confere artificial otimismo ao balanço de pagamentos, mas não impediu que a balança comercial da indústria de transformação tivesse saldo negativo superior a US$ 70 bilhões em 2010. É um tanto apetitoso para o famigerado dragão inflacionário esse círculo vicioso disfarçado pelo chamado superávit primário das contas públicas. A rigor, o que temos é um grande déficit no orçamento da União.

Portanto, a prioritária providência para o enfrentamento da inflação é o rigoroso controle dos gastos públicos, em especial os supérfluos. É premente, ainda, a vigilância sobre os preços administrados, como os dos transportes, que estimulam em escala as majorações. Sobretudo, é crucial investir na produção, reduzindo-se (já!) os juros para créditos destinados aos investimentos produtivos. É preciso converter a usura em recursos multiplicadores de empreendimentos, negócios e empregos!

Tais medidas, que não dependem de emendas constitucionais, mas apenas de decisões do Executivo, nos garantiriam crescimento substantivo, sem pressão inflacionária. Continuaríamos com a economia aquecida e tranquilidade para realizar as reformas tributária, previdenciária e trabalhista, que nos dariam o definitivo impulso ao desenvolvimento.

Alfredo Bonduki é presidente do Sinditêxtil-SP e engenheiro pela Escola Politécnica da Universidade de São Paulo, com pós-graduação na Fundação Getúlio Vargas.

Deixe seu Comentário

Leia Também

SHOWBIZZ
Dada Favato, filha de Romário ostenta corpão em passaio na cachoeira
BR DISTRIBUIDORA
PGR pede condenação de Fernando Collor a 22 anos e 8 meses de prisão
CAPITAL
Com tuberculose, adolescente de 14 ans aguarda uma vaga em hospital
NOVA ANDRADINA
Bombeiro ajuda salvar vida de recém-nascido que se engasgou
DOURADOS
Capacitação de agentes de saúde vai alterar atendimento nas Unidades
RIO BRILHANTE
suspeito de matar dono de oficina com pistola .40 é preso
LEÃO
Um terço ainda não declarou IR a cinco dias do fim do prazo
BATAGUASSU
Polícia apreende 413 quilos de maconha em pátio de posto desativado
LIBERDADE
Carlos Ghosn paga R$ 17,8 milhões de fiança e é solto no Japão
CAMPO GRANDE
Homem suspeito de estuprar sobrinhas durante 3 anos é preso

Mais Lidas

DOURADOS
Vídeo mostra momento em que carona desce da moto e executa dono da lava-rápido no Jardim Pantanal
CAMPO GRANDE
Empresa demite funcionário por debochar de currículos em redes sociais
DOURADOS
Mulher é presa dentro de ônibus com 19 pacotes de skunk
DOURADOS
Auditoria da CGU revela irregularidades e superfaturamentos em contratos da Funsaud