Menu
Busca sexta, 25 de maio de 2018
(67) 9860-3221
SICREDI

Artigo: Crescimento sem culpa

20 maio 2011 - 10h13

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, está corretíssimo ao afirmar que a tendência inflacionária é mundial. O Brasil, contudo, não deve resignar-se às oscilações genéricas da economia globalizada, pois já demonstrou, na recente crise do subprime, ser capaz de encontrar soluções próprias e eficazes para conciliar níveis elevados de atividade com um ambiente monetário equilibrado e saudável.

Assim, ouso afirmar que o País é um dos poucos em condições de continuar crescendo, inclusive acima dos 4,5% estimados para 2011, sem risco de recrudescimento inflacionário. Ante tal convicção, incomodam-me as justificativas de Mantega de que o governo está tentando moderar a expansão do PIB para impedir uma escalada dos preços.

Por outro lado, me agradaram o comprometimento com o controle da inflação e a confiança do ministro de que o índice acumulado do ano ficará em torno de 5,6%, quase um ponto percentual abaixo da meta de 6,5%. Sua fala referenda o recente pronunciamento da presidente Dilma Rousseff sobre o tema. Porém, para não precisarmos refrear a economia e podermos continuar crescendo sem culpa e medo do fantasma que nos assombrava antes do Plano Real, é preciso ir muito além do discurso e das medidas que o governo vem adotando. A primeira atitude é reconhecer que o juro perdeu eficácia como inibidor dos preços.

Ao mantermos a maior taxa real do mundo, e considerando que trocamos a formação de poupança interna pelo leilão de títulos públicos (atrelados à elevadíssima Selic), estamos realimentando a antiga ciranda financeira e atraindo o capital especulativo. Este confere artificial otimismo ao balanço de pagamentos, mas não impediu que a balança comercial da indústria de transformação tivesse saldo negativo superior a US$ 70 bilhões em 2010. É um tanto apetitoso para o famigerado dragão inflacionário esse círculo vicioso disfarçado pelo chamado superávit primário das contas públicas. A rigor, o que temos é um grande déficit no orçamento da União.

Portanto, a prioritária providência para o enfrentamento da inflação é o rigoroso controle dos gastos públicos, em especial os supérfluos. É premente, ainda, a vigilância sobre os preços administrados, como os dos transportes, que estimulam em escala as majorações. Sobretudo, é crucial investir na produção, reduzindo-se (já!) os juros para créditos destinados aos investimentos produtivos. É preciso converter a usura em recursos multiplicadores de empreendimentos, negócios e empregos!

Tais medidas, que não dependem de emendas constitucionais, mas apenas de decisões do Executivo, nos garantiriam crescimento substantivo, sem pressão inflacionária. Continuaríamos com a economia aquecida e tranquilidade para realizar as reformas tributária, previdenciária e trabalhista, que nos dariam o definitivo impulso ao desenvolvimento.

Alfredo Bonduki é presidente do Sinditêxtil-SP e engenheiro pela Escola Politécnica da Universidade de São Paulo, com pós-graduação na Fundação Getúlio Vargas.

Deixe seu Comentário

Leia Também

SHOWBIZ
Musa do Sertanejo posa sensual com cavalo e é criticada por ativistas
BENEFÍCIO
UEMS abre inscrições para 900 auxílios para estudantes de graduação
CAMPO GRANDE
Polícia prende trio que usava veículo de usuário para assaltos
PARAÍSO DAS ÁGUAS
Greve dos caminhoneiros provoca cancelamento de Festa do Laço Comprido
SÃO JOÃO
Cadastro a interessados em participar da Festa Junina terminam dia 30
CÂMBIO, DESLIGO
Senado do Paraguai aprova investigação contra doleiro brasileiro
ESPORTES
Ações sociais e ambientais são realizadas durante os Jogos da Juventude
GREVE
Governo e caminhoneiros anunciam acordo para suspender paralisação
GREVE
Azambuja descarta reduzir ICMS para baixar preço dos combustíveis
CULTURA
Cineclube UFGD exibirá no sábado os vencedores da 6ª MAD

Mais Lidas

GASOLINA A R$ 5
Contra abuso nos preços, força-tarefa autua postos em Dourados
TENTATIVA DE HOMICÍDIO
Rixa antiga teria motivado atentado contra “zóio de gato”
DOURADOS
Grupo é flagrado marcando lotes durante invasão de área pública
CONFUSÃO
Cliente é agredido com socos por funcionário de posto de combustíveis
Os dois começaram a discutir e o frentista passou a atender outros clientes