Menu
Busca terça, 12 de novembro de 2019
(67) 9860-3221

Artigo: Crescimento sem culpa

20 maio 2011 - 10h13

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, está corretíssimo ao afirmar que a tendência inflacionária é mundial. O Brasil, contudo, não deve resignar-se às oscilações genéricas da economia globalizada, pois já demonstrou, na recente crise do subprime, ser capaz de encontrar soluções próprias e eficazes para conciliar níveis elevados de atividade com um ambiente monetário equilibrado e saudável.

Assim, ouso afirmar que o País é um dos poucos em condições de continuar crescendo, inclusive acima dos 4,5% estimados para 2011, sem risco de recrudescimento inflacionário. Ante tal convicção, incomodam-me as justificativas de Mantega de que o governo está tentando moderar a expansão do PIB para impedir uma escalada dos preços.

Por outro lado, me agradaram o comprometimento com o controle da inflação e a confiança do ministro de que o índice acumulado do ano ficará em torno de 5,6%, quase um ponto percentual abaixo da meta de 6,5%. Sua fala referenda o recente pronunciamento da presidente Dilma Rousseff sobre o tema. Porém, para não precisarmos refrear a economia e podermos continuar crescendo sem culpa e medo do fantasma que nos assombrava antes do Plano Real, é preciso ir muito além do discurso e das medidas que o governo vem adotando. A primeira atitude é reconhecer que o juro perdeu eficácia como inibidor dos preços.

Ao mantermos a maior taxa real do mundo, e considerando que trocamos a formação de poupança interna pelo leilão de títulos públicos (atrelados à elevadíssima Selic), estamos realimentando a antiga ciranda financeira e atraindo o capital especulativo. Este confere artificial otimismo ao balanço de pagamentos, mas não impediu que a balança comercial da indústria de transformação tivesse saldo negativo superior a US$ 70 bilhões em 2010. É um tanto apetitoso para o famigerado dragão inflacionário esse círculo vicioso disfarçado pelo chamado superávit primário das contas públicas. A rigor, o que temos é um grande déficit no orçamento da União.

Portanto, a prioritária providência para o enfrentamento da inflação é o rigoroso controle dos gastos públicos, em especial os supérfluos. É premente, ainda, a vigilância sobre os preços administrados, como os dos transportes, que estimulam em escala as majorações. Sobretudo, é crucial investir na produção, reduzindo-se (já!) os juros para créditos destinados aos investimentos produtivos. É preciso converter a usura em recursos multiplicadores de empreendimentos, negócios e empregos!

Tais medidas, que não dependem de emendas constitucionais, mas apenas de decisões do Executivo, nos garantiriam crescimento substantivo, sem pressão inflacionária. Continuaríamos com a economia aquecida e tranquilidade para realizar as reformas tributária, previdenciária e trabalhista, que nos dariam o definitivo impulso ao desenvolvimento.

Alfredo Bonduki é presidente do Sinditêxtil-SP e engenheiro pela Escola Politécnica da Universidade de São Paulo, com pós-graduação na Fundação Getúlio Vargas.

Deixe seu Comentário

Leia Também

CONTRABANDO
MS deve movimentar R$ 352 milhões com cigarros ilegais
CAMAPUÃ
Projeto de irrigação submersa implantado em MS é o maior do País
SAÚDE
Prematuridade será debatida em Dourados na quinta
INTERNACIONAL
Congresso boliviano deve se reunir para acatar renúncia de Evo Morales
FUTEBOL
Série B do Brasileiro prossegue hoje com sete partidas
ECONOMIA
Gasolina tem variação de R$ 0,38 entre menor e maior preço em Dourados
BRASIL
Bolsonaro sanciona com vetos Lei de Diretrizes Orçamentárias para 2020
CAMPO GRANDE
Policial envolvido em acidente que matou bebê tem prisão decretada
DOURADOS
Ex-secretário de Saúde e empresário são levados à PED e defesas tentam liberdade
EVENTO
Congresso reúne advogados para discutir evolução da profissão e direitos do consumidor

Mais Lidas

BR-163
Motorista morre ao bater de frente com carreta em Dourados
DOURADOS
Acidente mata uma pessoa próximo a Embrapa
PONTA PORÃ/PEDRO JUAN
Três são assassinados e um bebê fica ferido em "domingo sangrento" na fronteira
DOURADOS
Homem sofre acidente de trabalho e morre após ter 80% do corpo queimado