Menu
Busca segunda, 13 de julho de 2020
(67) 99659-5905

Artigo: A câmera como testemunha, por Dirceu Cardoso

25 maio 2011 - 16h29

O diretor da repartição pública, o governador, o prefeito e o deputado foram filmados recebendo propina. A babá foi pilhada agredindo a criança e o cuidador batendo no velhinho sob seus cuidados. O ladrão acabou reconhecido através das imagens das câmeras de segurança, as mesmas que registraram brigas em escolas, linchamento em portas de estabelecimentos e outros distúrbios. Isso sem falar das milhares de multas aplicadas eletronicamente todos os dias, nas ruas e rodovias brasileiras, a veículos cujos motoristas cometem infrações.

As câmeras, cada dia mais eficientes e baratas, tornaram-se um valioso coadjuvante da segurança. Milhares de crimes que já levaram seus autores para trás das grades teriam passado impunes sem a presença da câmera de monitoramento ou de equipamentos (inclusive telefones celulares) operados com a finalidade de combater os delitos. Se um dia tivermos todas as vias públicas monitoradas, a estrutura de segurança será mais eficiente e as polícias terão um grau de resolutividade infinitamente maior, com a utilização de efetivo menor tanto de policiais quanto de veículos, armamento, combustíveis e outros insumos.

“O preço da liberdade é a eterna vigilância”, dizia Thomas Jefferson, o terceiro presidente norte-americano, que governou de 1801 a 1809, citado ao longo dos tempos por muitos outros, inclusive por brasileiros, em momentos críticos. Jamais poderia imaginar o autor que, passados mais de 200 anos, sua tese ainda seria muito válida e, principalmente, contaria com a força do registro eletrônico de som e imagem. A tecnologia está disponível. Basta, agora, aplicá-la de maneira produtiva.

As muitas reclamações de mau atendimento em serviços públicos, especialmente nos pronto-socorros e hospitais, onde a vida está em jogo, deixariam de existir se a estrutura dispusesse de câmeras de monitoramento permanente. Os funcionários necessariamente atenderiam bem a clientela e esta, por sua vez, não exorbitaria. De quebra, a administração ainda teria um rico material para estudar e aperfeiçoar os métodos de trabalho. O equipamento seria da mesma valia em repartições policiais, salas de aula, sessões de concorrência ou licitação pública e outras atividades que envolvem a prestação de serviço e o dinheiro do povo. Com o filme, ficariam mais difíceis a corrupção, a desídia e os maus tratos. O serviço e a comunidade seriam os grandes beneficiados.

O Brasil possui uma invejável estrutura de leis, mas não dispõe de meios para exigir o seu cumprimento. A câmera instalada como testemunha dos procedimentos em todas as repartições e pontos de atendimento ao público pode ser um grande inibidor de maus procedimentos. Ela poderá proteger o interesse de todos os indivíduos sob seu foco mas, em contrapartida, deles também exigirá comportamento correto, moral e ético. Tudo o que a sociedade necessita para se desenvolver...



*Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves – dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo)
aspomilpm@terra.com.br

Deixe seu Comentário

Leia Também

TRÁFICO DE DROGAS
Drogas são apreendisas durante operação em duas cidades
BRASIL
Polícia indicia suspeito de matar Marielle por tráfico de armas
ARTIGO
O presidente sul-mato-grossense que não renunciou às suas origens
DOURADOS
Sindicato de professores afirma ser contra volta às aulas remotas na UFGD
DOURADOS
Atirador chegou em igreja na hora da comunhão e entrou dizendo ter feito bobagem
DOURADOS
CCZ aplica mais R$ 47 mil em multas e nem município escapa da punição
MATO GROSSO DO SUL
Governo abre processo seletivo para Peritos Médicos Legistas e Peritos Criminais
CORONAL SAPUCAIA
Homem é preso com arma dentro de veículo
PANDEMIA
MS confirma mais 264 casos de coronavírus e chega a 167 mortes
FISCALIZAÇÃO PREVENTIVA
Em fiscalização, PMA retira petrechos ilegais dos rios e solta 6 kg de pescado

Mais Lidas

BARBÁRIE
Homem assassina ex, atira em crianças e se mata no altar de igreja em Dourados
DOURADOS
‘Deus no comando amem’: antes de crimes, atirador postou pregação religiosa
DOURADOS
Atirador baleou criança de quatro anos na cabeça ao abrir fogo para matar ex-mulher
PANDEMIA
Em dia com quase 100 novos casos, Dourados tem mais uma morte por coronavírus