Menu
Busca domingo, 09 de dezembro de 2018
(67) 9860-3221

A (necessária) faxina no governo, por Dirceu Cardoso

26 novembro 2012 - 13h53






O esquema de corrupção identificado pela Operação Porto Seguro, da Polícia Federal, no seio das estratégicas representação paulista da Presidência da República, Advocacia Geral da União (AGU) e outros órgãos do governo, constitui uma vergonha e serve para confirmar a imagem – muitas vezes injusta – de que os escaninhos do poder são pura corrupção. Bem fez a presidente Dilma Rousseff ao demitir todos os implicados e garantir condições para a polícia continuar executando sua tarefa. É preciso, agora, que os errantes já identificados recebam a mais exemplar punição e que, mais do que isso, a investigação continue para descobrir outras pessoas (servidores ou não) e repartições envolvidas com a ação criminosa das quadrilhas que se formam para roubar o erário e criar vícios e favorecimentos ilícitos nos negócios governamentais.


A livre nomeação para cargos estratégicos no governo é justificada pela necessidade do governante ter ao seu redor pessoas de sua confiança, que o ajudem na tarefa de governar. Eticamente, quem nomeia (e pode demitir a qualquer instante) é o responsável pelos atos dos nomeados. Infelizmente, em vez de cumprir essa finalidade de fluidez na máquina pública, os cargos de confiança tornaram-se moeda de troca política. Os governantes acabam entregando-os à cuprinchada que ajudou ou ainda poderá ajudar eleitoralmente ou a quem possa lhes garantir votos no Legislativo, pouco se importando com a competência e até com a honestidade do nomeado.


A mulher que chefiava o gabinete da Presidência da República em São Paulo, alguém com acesso funcional à presidente, é acusada de praticar tráfico de influência e corrupção passiva. Seu acesso à intimidade do governo é um perigo. O mesmo se dá com número 2 da AGU e dirigentes de outras agências e ministérios igualmente envolvidos. Isso revela, no mínimo, a falta de cuidado do próprio governo no controle das pessoas que integram a própria máquina administrativa. É preciso ver se existem ou não mais servidores e órgãos na mesma situação e, se existirem, que todos eles sejam apeados dos cargos, acusados e julgados civil e criminalmente para irregularidades cometidas. Ainda mais: que fiquem impedidos de voltar ao serviço público.


A Polícia Federal presta um grande serviço à Nação ao identificar o apodrecimento de estruturas de dentro do próprio governo. Não se pode esquecer que o Ministério Público também executa grande tarefa pela moralização e, por isso, tem de ter seu poder preservado e, se possível, ampliado. Ao não colocar obstáculos às investigações, Dilma Rousseff mantém a dignidade do cargo e transmite à população a imagem de seriedade há muito tempo reclamada dos governos. Não é àtoa que sua imagem – segundo o Ibope – é mais lembrada para as próximas eleições presidenciais do que a do ex-presidente Lula, seu grande eleitor de 2010. Talvez essa realidade fosse diferente se Lula tivesse encarado com firmeza os atos de corrupção e desvios surgidos em seu governo, em vez preferir o cômodo e desenroso “não sei”...





(*)Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves – dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo)

aspomilpm@terra.com.br

Deixe seu Comentário

Leia Também

BANDEIRANTES
Veículo desgovernado invade canteiro de obras e mata trabalhador na BR-163
DOURADOS
Por força judicial, terceira sessão para definir Mesa Diretora da Câmara é cancelada
CONGRESSO
CPI dos Maus-tratos encerra trabalhos com propostas polêmicas
RORAIMA
Intervenção deverá valer a partir de amanhã até 31 de dezembro
Interventor prepara plano de ação a ser apresentado a Temer
CORUMBÁ
Mulher descobre traição e acaba agredida a pauladas pelo marido
SAÚDE
"Revolução sexual” contra impotência faz 20 anos em 2018
Médicos celebram disponibilidade de remédios para tratar disfunção
CAPITAL
Homem tem o carro incendiado após enteado pegar veículo sem autorização
PRESIDENTE ELEITO
Bolsonaro afirma que irá propor mudanças no sistema eleitoral no 1º semestre de 2019
LEVANTAMENTO
Brasil tem 5,2 milhões de crianças na extrema pobreza e 18,2 milhões na pobreza
ECONOMIA
Inflação cai ao menor nível desde 1994
Indicador fechou novembro com queda de 0,21%. Produtos importantes, como combustíveis, ficaram mais baratos

Mais Lidas

VIOLÊNCIA
Idosa é espancada, esfaqueada e vai parar na UTI após assalto em Dourados
DOURADOS
Vereadores voltam a “sumir” e eleição da Mesa da Câmara é adiada mais uma vez
DOURADOS
Presos na Cifra Negra devem ser transferidos ainda hoje à PED e delação não é descartada
DOURADOS
Polícia cumpre todos os mandados de prisão em ação que investiga corrupção na Câmara