Menu
Busca quinta, 22 de agosto de 2019
(67) 9860-3221

A lei penal, os presídios e os presidiários, por Tenente Dirceu Cardoso

13 junho 2011 - 14h47

O novo Código de Processo Penal Brasileiro, que substitui o atual, de 1941, entrará em vigor no próximo dia 11 de julho. Modernizante, traz a possibilidade da aplicação de 14 medidas cautelares como alternativas à prisão. Restringe a prisão preventiva apenas aos autores de crimes dolosos puníveis com quatro anos ou mais de prisão. Essa alteração do velho para o novo instituto legal poderá colocar na rua, imediatamente, a metade dos 165 mil presos preventivos do pais.

A possibilidade traz grande preocupação e merece alta reflexão porque, salvo melhor juízo, é um risco colocar em liberdade esses indivíduos sem a certeza de que terão condições normais de trabalho e renda e de que não voltem a delinqüir. Num primeiro instante, a situação de sua família poderá ficar pior, pois a mulher e filhos deixarão de receber o auxílio-reclusão. O ideal seria que tivéssemos uma sociedade com sistemas e serviços que evitassem o ingresso na criminalidade mas, já que isso é utópico no Brasil de hoje, precisamos investir sério, na eficaz recuperação dos apenados. Prepará-lo devidamente para o reingresso à sociedade e, se necessário, manter até frentes de trabalho governamentais, que os aclimatem à liberdade com responsabilidade.

O sistema penal brasileiro é falido em termos de resolutividade. Os detentos cumprem suas penas e, ao sair, não encontram meios de subsistência ou devem para esquemas criminosos que controlam as prisões, sendo obrigados a voltar ao crime imediatamente. Seria necessário encontrar um meio de aproveitar construtivamente o tempo de encarceramento. Que, durante o período em que permanecer recolhido, o condenado seja formado em cursos profissionalizantes em alguma área de sua afinidade que lhe dêem condições de, ao receber a liberdade, encontrar trabalho ou montar o seu próprio negócio. Feito isso, só retornariam ao crime os realmente inclinados à delinqüência.

São muitos os estudos e experiências sobre o cumprimento e aperfeiçoamento da pena. Mas apesar de todas as inovações e até favorecimento, como as “saidinhas” estabelecidas em lei, o sistema não tem conseguido convencer e demonstrar aos detentos a oportunidade de mudar de vida. Tanto que, em muitos casos, apenados em vias de sair da prisão fogem ou cometem crimes que os mantêm sob o tacão da justiça.

Quando procuram modernizar o cumprimento da pena, legisladores, governantes e especialistas não deveriam agir demagogicamente em itens isolados e de mídia fácil e nem genericamente para todo o país, visto que temos muitas realidades dentro do vasto território nacional. Os detentos do centro-sul, com toda certeza, são diferentes dos do norte, do nordeste e do centro-oeste. As regiões são muito diferenciadas e seus problemas também. De nada adianta estabelecer benefícios nas regiões onde não existem recursos para implantá-los e nem tentar humanizar a pena em presídios dominados por facções criminosas que escravizam a população carcerária. É preciso também resolver os problemas paralelos.

O complexo penal brasileiro é um grande barril de pólvora. Além da fria letra do CPP, é necessário buscar condições objetivas para sua aplicação. Os presídios têm de ser transformados em efetivas casas de oportunidade e recuperação e ser efetivamente geridos pelo Estado. Sem isso, não há lei moderna que apresente bons resultados...





Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves – dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo) - aspomilpm@terra.com.br

Deixe seu Comentário

Leia Também

COMER BEM
Almôndega recheada rende e cai muito bem como aperitivo
AGENDA EM MS
Ministro das Relações Exteriores estuda instalação de escritório do Itamaraty em MS
BRASIL
PGR empossa líder de lista tríplice como procurador-geral do trabalho
TJMS
Feriado do Servidor Público é transferido para o dia 10 de outubro
BRASIL
PF abre inquérito para investigar indícios de sabotagem em sistemas do MEC
MS
Mais três novas frentes são criadas por deputados estaduais
CRIME AMBIENTAL
Desmatamento irregular gera multa de R$ 9 mil a homem
BRASIL
No Senado, CCJ realiza último dia de debates sobre Previdência
ASSEMBLEIA
Deputados aprovam projetos de lei e de emenda constitucional
DOURADOS
Hospital da Vida tem nova captação de órgãos

Mais Lidas

POLÍCIA
Travesti furta veículo e é presa em Dourados
BR-163
Pedaço de pneu na pista causou acidente com morte que envolveu quatro carretas
CAARAPÓ
Colisão frontal entre carretas deixa um morto na BR-163
CAARAPÓ
Ferido em acidente com morte na BR-163 é transferido para Dourados