Menu
Busca sexta, 24 de maio de 2019
(67) 9860-3221

A desoneração da folha desonera o seu negócio? Por Luciano De Biasi

22 dezembro 2012 - 12h30





Com o Plano Brasil Maior, o Governo Federal visa desonerar a folha de pagamento de salários. O objetivo da medida é reduzir o custo de mão de obra das empresas, diminuindo, assim, os custos dos produtos brasileiros para exportação.

O sistema visa melhorar a competitividade dos produtos dentro e fora do país. Internamente, a competitividade aumenta porque todas as empresas daquele setor terão de recolher sobre o faturamento, não importando a forma de composição da mão de obra e seu respectivo custo. Internacionalmente, também aumenta a competitividade porque não há contribuição sobre a receita bruta das exportações, aproveitando a redução de custo oriunda da desoneração da folha de pagamento.

O Governo Federal espera que também aumentem as contratações e a formalização de mão de obra. A redução das subcontratações e terceirizações se dará pela isenção da contribuição previdenciária patronal sobre a folha de pagamentos e também pela criação de uma contribuição sobre a receita bruta, excluindo-se vendas canceladas, descontos incondicionais concedidos e receita bruta de exportações.

Esse processo iniciou-se com a publicação da MP 540/11, convertida na Lei 12.546/11, e foi completado com a promulgação da Lei 12.715/12. Através desses instrumentos legais, o Governo Federal obrigou diversos setores a aderir à desoneração da folha. Também estabeleceu alíquotas e regras para apurar a contribuição previdenciária sobre a receita bruta das atividades relacionadas com os setores obrigados a desonerar.

Com base na Nomenclatura Comum do MERCOSUL (NCM), o Governo determinou a relação de produtos que sofrerão a tributação da nova contribuição social sobre faturamento em substituição ao INSS Patronal de 20%. Foi também determinada a forma de apuração da contribuição social nos casos em que o contribuinte possua atividades alcançadas por essa sistemática de apuração (atividades relacionadas) ou não incluídas na base de cálculo da contribuição previdenciária sobre o faturamento.

A análise do impacto dessa nova sistemática deve ser feita com cuidado, ainda que a adoção da desoneração da folha de pagamento pelas empresas dos setores elencados seja compulsória. Primeiramente, é preciso identificar se ela irá mesmo reduzir os custos tributários da organização. No caso de oneração adicional de 1% sobre o faturamento, por exemplo, a desoneração da folha somente traz benefícios para empresas cujo custo de remuneração (contratada ou autônoma) seja superior a 5% do faturamento. Já no caso de tributação de 2% sobre o faturamento, só há vantagem quando esse custo ultrapassar a 10%.

Sendo assim, empresas altamente automatizadas - com poucos empregos -, que façam produtos com alto valor agregado ou aufiram margens altas tendem a ser penalizadas pela desoneração da folha. E a complexidade aumenta quando a empresa possui atividades relacionadas e não relacionadas. Conforme a composição delas, haverá o recolhimento tanto com base no faturamento quanto na folha de pagamento, proporcionalmente à receita de cada uma das atividades.

Todo cuidado é pouco na hora de identificar e mensurar ônus e bônus dessa sistemática e de calcular a formação de preços, os custos dos produtos e serviços e, consequentemente, os resultados da empresa. Para tanto, é necessário aprimorar os controles internos das organizações, a fim de identificar claramente quais receitas são relacionadas e quais não são. A utilização de uma consultoria especializada trará maior segurança e tranquilidade no entendimento e adoção da desoneração da folha.

Já pelo aspecto socioeconômico, essa mudança na sistemática de apuração do INSS patronal diversifica - ainda que parcialmente - a fonte de arrecadação da Previdência Social, reduzindo a dependência dela em relação à contribuição dos segurados com carteira assinada ou autônomos.

Com o envelhecimento da população, há uma tendência de redução da fonte de recursos e de aumento dos beneficiários, crescendo o déficit da Previdência. Se a arrecadação é baseada no faturamento das empresas, a Previdência Social atrela parte da entrada de recursos financeiros ao desempenho da economia. O que pode ser um problema, já que pode cair a arrecadação em períodos de desempenho econômico medíocre.

Mas a cobrança do INSS patronal sobre o faturamento de venda de produtos e prestação de serviços agrega um tributo ao já sobretaxado consumo, o que pode causar impacto no preço final. E o Brasil já é um dos países que mais tributam o consumo, o que ajuda a termos diversos produtos industrializados entre os mais caros do mundo.

Cabe, portanto, analisar o impacto que essa medida vai gerar nas empresas e na economia como um todo. Com um crescimento do “PIBinho” de 1% esperado para 2012, é ingênuo acreditar que cresçam significativamente as contratações por conta da desoneração da folha. O que deve acontecer é diminuir a terceirização de algumas atividades, regularizar empregos sem registros e pagar vencimentos à margem da escrituração contábil. A contratação de mão de obra propriamente dita depende do aumento de produção, que, por sua vez, é resultante do crescimento da demanda que não sobrevém em momentos de crise econômica como a que assistimos hoje.



(*) Luciano Tadeu Lucci De Biasi é sócio-diretor da De Biasi Auditores Independentes (www.debiasi.com.br)

Deixe seu Comentário

Leia Também

A DONA DO PEDAÇO
Maria da Paz decide vender bolos na rua para sobreviver
MATO GROSSO DO SUL
Congresso Internacional debate pautas para próxima eleição
SENADO
Comissão analisa prioridade de matrícula para vítimas de violência doméstica
RURAL
Prorrogado prazo para cadastramento de áreas para plantio de milho em Mato Grosso do Sul
BRASIL
Bolsonaro diz que Câmara votará porte de arma para produtor rural
DOURADOS
Prevendo avanços, políticos conhecem Sisfron em Dourados
LOTERIA
Mega-Sena pode pagar R$ 3 milhões em sorteio amanhã
MAIS ALTA DO PAÍS
UFMS cobra R$ 7 mil para revalidar diploma estrangeiro e MPF quer diminuição do valor
LARANJA
Suspeita de fraudar contas, candidata foi 100% financiada por recursos públicos
BRASIL
Mantega virá réu na Justiça Federal por fraudes de R$ 8 bi no BNDES

Mais Lidas

DOURADOS
Preso em operação estava sob monitoramento por assalto
DOURADOS
Vereadora vai à delegacia e diz ser vítima de atentado
DOURADOS
Ciclista atropelado na Marcelino morre após meses de tratamento
DOURADOS
Preso é encontrado morto na PED em mesmo raio onde ocorreu pente-fino
Rapaz estava enforcado em uma das celas da unidade penal