Menu
Busca segunda, 21 de maio de 2018
(67) 9860-3221
SEVILHA ODONTOLOGIA

A descriminalização da maconha, por Dirceu Cardoso

01 junho 2011 - 11h52

A descriminalização da maconha, na forma simplória que tem sido defendida, é uma afronta à sociedade, que empenhou mais de meio século no combate à erva alucinógena. Não podemos ser céticos a ponto de ignorar as possíveis qualidades medicinais do produto atestadas por renomados profissionais, mas a razão nos leva a crer que seu emprego terapêutico jamais será no formato de “pacau” ou “bagana”, os populares nomes dados ao cigarro de maconha.

Também não é de nosso conhecimento que alguém, por usar a droga, tenha galgado a presidência da República, governos de estados ou outros altos postos da política ou da sociedade. Se o fizeram, foi na mais absoluta discrição e sem registros oficiais. Mas, em contrapartida, todos conhecemos a desgraça que se abate sobre milhares de jovens – especialmente os pobres – que enveredam pelo caminho dos entorpecentes. Eles começam pela maconha e, depois, em busca de novas emoções, partem para a cocaína, o crack e outras substâncias que os tiram da realidade e jogam no fundo do poço. Muitos deles até querem retornar à condição de “careta”, mas não conseguem sem ajuda especializada, que custa caro e suas famílias não têm condições de pagar.

Em vez de fazer campanha pela descriminalização, as personalidades nacionais e internacionais que hoje se ocupam do tema fariam melhor se canalizassem suas forças para o socorro às vítimas. Usassem todo seu prestígio para cobrar do governo e alavancar ONGs capazes de oferecer tratamento aos jovens pobres que se afundaram na própria maconha, no crack, na cocaína e até no álcool e no cigarro que, apesar de legais, também são drogas, viciam e provocam danos incomensuráveis.

Descriminalizar a maconha representa abandonar à própria sorte milhares de brasileiros e brasileiras que já se viciaram e precisam de uma oportunidade para retornarem à vida normal. Mais que isso, é um prêmio aos traficantes, que ganham muito dinheiro à custa do descaminho dos jovens e da desagregação da família.

Em vez de legalizar a droga, precisamos encaminhá-la para a confecção de medicamentos que possam ser elaborados a partir do seu princípio ativo e combater sem trégua o seu uso marginal. Proteger e amparar o viciado e perseguir sem qualquer concessão o tráfico. Hospital para o viciado e cadeia para o traficante.

Quanto às personalidades que embarcam na tese descriminalizadora, que se cuidem, pois elas próprias poderão ser vítimas dessa liberalidade desmedida e libertina. O ex-presidente FHC, que nos últimos dias pugnou pelo tema, deve cuidar-se para não manchar sua vitoriosa jornada. Pelo visto, dona Ruth está a lhe fazer mais falta do que todos nós imaginamos...



Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves – dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo)
aspomilpm@terra.com.br

Deixe seu Comentário

Leia Também

ELEIÇÕES
Maduro é reeleito na Venezuela em votação contestada por opositores
SELEÇÃO
UFGD encerra inscrições para técnicos especializados em Libras
FUTEBOL
Novo vence Sinop por 2 a 1 e continua vivo na Série D
INSS
Pedidos de aposentadoria por telefone e internet começam hoje
COSTA RICA
Gerente de fazenda morre ao bater de frente em caminhão na MS-306
TEMPO
Segunda-feira de sol com algumas nuvens em Dourados; não chove
AOS 57 ANOS
Luiza Tomé ostenta corpão em rede social
AGENDA
Assembleia homenageia Força Expedicionária e debate Escola sem Partido
PREOCUPAÇÃO
Defesa Civil do Estado avalia impactos da cheia do Pantanal nas áreas ribeirinhas
FUTEBOL DE BASE
Definidos confrontos da segunda fase da Copa Mirim “João Ângelo Rocha”

Mais Lidas

BR-163
Caminhonete carregada com maconha é encontrada abandonada em posto de Dourados
CAMPO GRANDE
Chefe de quadrilha investigada pela PF foge de presídio
PEDRO JUAN
Mulher é executada a tiros na fronteira
DOURADOS
Mão cortada denuncia homem que quebrou porta de vidro para furtar loja no Centro