Menu
Busca terça, 12 de novembro de 2019
(67) 9860-3221

A descriminalização da maconha, por Dirceu Cardoso

01 junho 2011 - 11h52

A descriminalização da maconha, na forma simplória que tem sido defendida, é uma afronta à sociedade, que empenhou mais de meio século no combate à erva alucinógena. Não podemos ser céticos a ponto de ignorar as possíveis qualidades medicinais do produto atestadas por renomados profissionais, mas a razão nos leva a crer que seu emprego terapêutico jamais será no formato de “pacau” ou “bagana”, os populares nomes dados ao cigarro de maconha.

Também não é de nosso conhecimento que alguém, por usar a droga, tenha galgado a presidência da República, governos de estados ou outros altos postos da política ou da sociedade. Se o fizeram, foi na mais absoluta discrição e sem registros oficiais. Mas, em contrapartida, todos conhecemos a desgraça que se abate sobre milhares de jovens – especialmente os pobres – que enveredam pelo caminho dos entorpecentes. Eles começam pela maconha e, depois, em busca de novas emoções, partem para a cocaína, o crack e outras substâncias que os tiram da realidade e jogam no fundo do poço. Muitos deles até querem retornar à condição de “careta”, mas não conseguem sem ajuda especializada, que custa caro e suas famílias não têm condições de pagar.

Em vez de fazer campanha pela descriminalização, as personalidades nacionais e internacionais que hoje se ocupam do tema fariam melhor se canalizassem suas forças para o socorro às vítimas. Usassem todo seu prestígio para cobrar do governo e alavancar ONGs capazes de oferecer tratamento aos jovens pobres que se afundaram na própria maconha, no crack, na cocaína e até no álcool e no cigarro que, apesar de legais, também são drogas, viciam e provocam danos incomensuráveis.

Descriminalizar a maconha representa abandonar à própria sorte milhares de brasileiros e brasileiras que já se viciaram e precisam de uma oportunidade para retornarem à vida normal. Mais que isso, é um prêmio aos traficantes, que ganham muito dinheiro à custa do descaminho dos jovens e da desagregação da família.

Em vez de legalizar a droga, precisamos encaminhá-la para a confecção de medicamentos que possam ser elaborados a partir do seu princípio ativo e combater sem trégua o seu uso marginal. Proteger e amparar o viciado e perseguir sem qualquer concessão o tráfico. Hospital para o viciado e cadeia para o traficante.

Quanto às personalidades que embarcam na tese descriminalizadora, que se cuidem, pois elas próprias poderão ser vítimas dessa liberalidade desmedida e libertina. O ex-presidente FHC, que nos últimos dias pugnou pelo tema, deve cuidar-se para não manchar sua vitoriosa jornada. Pelo visto, dona Ruth está a lhe fazer mais falta do que todos nós imaginamos...



Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves – dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo)
aspomilpm@terra.com.br

Deixe seu Comentário

Leia Também

ALIMENTAÇÃO
‘Cozinha Experimental’ realiza edição sobre comida ‘Low-carb’, nesta terça-feira
SEM FAKES
TSE lança campanha para rádio e TV contra desinformação nas eleições 2020
CORUMBÁ
Preso apanha na cadeia após xingar mãe de desafeto
BRASIL
Bancos começam a enviar dados de clientes para cadastro positivo
OPORTUNIDADE
Instituto Federal abre mais de 900 vagas em MS
TRÁFICO
Homem é preso com maconha enrolada a banquetas
ENEM
Candidatos que se sentiram prejudicados podem pedir nova prova até o dia 18
ECONOMIA
Dólar fecha em queda após avançar por 3 sessões seguidas
LOTERIA
Com prêmio estimado em R$ 300 milhões, apostas da Mega da Virada começam a ser recebidas
BR-163
Motorista morre ao bater de frente com carreta em Dourados

Mais Lidas

CACHOEIRINHA
Jovem é espancada, sofre traumatismo craniano e está na UTI
VILA LILI
Jovem é preso e adolescente apreendido acusados de tráfico de drogas
PONTA PORÃ/PEDRO JUAN
Três são assassinados e um bebê fica ferido em "domingo sangrento" na fronteira
DOURADOS
Vítima de atropelamento, desconhecido morre no Hospital da Vida