Menu
Busca terça, 11 de dezembro de 2018
(67) 9860-3221
SUICÍDIO

UEMS promove ações dentro da Campanha Setembro Amarelo

06 setembro 2017 - 06h58

A Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS) vai desenvolver uma série de atividades referentes ao Setembro Amarelo, mês internacional de combate ao suicídio. As ações serão promovidas pelas Pró-Reitoria de Desenvolvimento Humano e Social (Prodhs) e Pró-Reitoria de Extensão, Cultura e Assuntos Comunitários (Proec) e objetivam conscientizar a comunidade acadêmica sobre a importância de se discutir a temática sem preconceitos, uma vez que uma simples conversa pode evitar tragédias maiores.

A Prodhs vai manter durante este mês, a exemplo de outras instituições, a iluminação noturna da fachada da UEMS de Dourados em tom amarelo. A prática tem sido adotada desde 2014, em vários monumentos e prédios públicos e da iniciativa privada. Como parte da ação desta pró-reitoria, visando levar informações ao seu quadro de servidores, será realizada no dia 11 de setembro, na Unidade de Dourados, uma palestra com o psiquiatra José Carlos Rosa Pires, docente do curso de Medicina da UEMS, na qual serão abordados vários aspectos sobre o suicídio, suas causas e como saber identificar e auxiliar estas pessoas.

Concomitantemente, a Proec irá distribuir a acadêmicos de todas as 15 unidades universitárias da UEMS folhetos informativos com orientações sobre como proceder nestas situações, uma vez que o assunto ainda é tido como tabu social. Serão distribuídos 5 mil folders para estudantes, que serão enviados para as gerências das Unidades façam o procedimento. A Proec também promoverá a exibição de vídeos nas redes sociais institucionais com outras informações sobre o assunto, que ainda é tido como tabu pela sociedade.

###É preciso conversar sobre o assunto
Abordagens sobre o suicídio são necessárias em ambientes universitários. De acordo com o Mapa da Violência 2017, que levantou dados do Sistema de Informações de Mortalidade (SIM), do Ministério da Saúde, houve um aumento de 10% no número de suicídios entre jovens de 15 a 29 anos, desde 2002. Caso a comparação seja feita com a década de 1980, o aumento é de 60%. Recentemente, a morte do vocalista da banda americana Linkin Park, Chester Bennington, trouxe à tona, mais uma vez, a discussão sobre o tema.

"É curioso notar que, mesmo que estejamos vivendo na era da informação, um tema com significado tão forte ainda seja ignorado ou tratado como um tabu. Os casos de suicídio vem crescendo de maneira espantosa em todo o mundo, agora atingindo também crianças e adolescentes - entre universitários, inclusive", destaca o psicólogo Jorge Miguel Rodrigues, técnico da UEMS lotado na Divisão de Desenvolvimento de Pessoas, setor vinculado à Prodhs.

Para ele, esse contexto de aumento de suicídio entre os jovens é resultado da grande influência que as redes sociais passarem a ter na vida das pessoas. "Elas funcionam como um termômetro de popularidade e fama, medidos por meio de curtidas e comentários. Então, quem não consegue atingir seus objetivos na busca por este sucesso virtual acaba desenvolvendo sentimentos de frustração, baixa autoestima e a perda de contato com a realidade. E vêm à tona uma percepção distorcida por parte destes jovens", analisa Rodrigues.

O ambiente universitário, propício à ocorrência de pressões de diferentes ordens, de acordo com os próprios alunos, deve manter o debate sobre o suicídio sempre vigente. "Conversar sobre o assunto é um passo primordial, primeiro para desmistificar conceitos construídos erroneamente a respeito do assunto, para que em seguida sejam discutidas as causas do suicídio e de que forma a sociedade pode contribuir para que este fenômeno tão perverso possa ser revertido", finaliza o psicólogo da UEMS.

Em 2016, a Assessoria de Comunicação Social da UEMS, em parceria com o projeto Mídia & Ciência, da Fundação de Apoio ao Desenvolvimento do Ensino, Ciência e Tecnologia do Estado de Mato Grosso do Sul (Fundect), produziu uma série de matérias que culminaram num especial que teve como pauta o estudo sobre a morte, sob diversas abordagens, dentre os quais o suicídio. O especial pode ser conferido, na íntegra, neste link .

###Serviço
Uma das iniciativas que tem mantido um importante trabalho dentro das ações deste período é o Portal Setembro Amarelo, uma página mantida pelo Centro de Valorização da Vida (CVV) que disponibiliza diversas informações sobre o assunto. Nele é possível verificar vários dados sobre o desenvolvimento de ações relativas ao Setembro Amarelo no Brasil, que surgiu de uma ação conjunta entre o CVV, o Conselho Federal de Medicina (CFM) e a Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP), com as primeiras atividades realizadas setembro de 2014, sendo concentradas em Brasília. Em 2015, o Setembro Amarelo obteve maior exposição na mídia, com ações desenvolvidas em todas as regiões do país.Faça sua matéria aqui

Deixe seu Comentário

Leia Também

SHOWBIZ
Yasmin Brunet renova o bronzeado em dia de praia de Ipanema
DOIS IRMÃOS DO BURITI
Servidores públicos flagram abuso de criança e detêm estuprador
CAPITAL
Bíblias são encontradas intactas depois de incêndio que destruiu hotel
PLANO DE MANEJO
Futuro ministro do Meio Ambiente responde por ação de improbidade
NOVA ANDRADINA
Mãe de menino com doença degenerativa pede ajuda para bazar solidário
UFMS
Abertas 74 vagas para professores substitutos com salário de até R$ 6 mil
FUTEBOL
Marta é a primeira mulher a eternizar os pés na calçada do Maracanã
OPERAÇÃO JOÃO DE BARRO
Proposta da UFGD é aprovada para o Projeto Rondon 2019
RURAL
Governo defende agricultura e turismo sustentável em Bonito e região
CAMPO GRANDE
TRE/MS mantém mandato de vereadora, acusada de infidelidade partária

Mais Lidas

DOURADOS
Criança morre no HV três dias após ser atropelada na Cachoeirinha
PREGÃO
Vereadora presa desde outubro tenta retomar cargo na Câmara de Dourados
CHAPADÃO DO SUL
Avião agrícola cai e mata piloto em cidade de MS
DOURADOS
Criança morta após acidente de trânsito teve órgãos levados para SP e Campo Grande