Menu
Busca sábado, 20 de julho de 2019
(67) 9860-3221
DOURADOS

TJ suspende sessão que julgaria Idenor Machado

26 junho 2019 - 17h05Por Adriano Moretto

O Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul atendeu pedido da defesa do vereador afastado judicialmente, Idenor Machado (PSDB), e suspendeu a sessão que poderia resultar na cassação de mandato do parlamentar, marcada para as 18h desta quarta-feira (26/6). 

A decisão é do desembargador Odemilson Roberto Castro Fassa e foi definida há pouco diante da alegação de “perigo de dano ou o risco ao resultado útil do processo”, que poderia resultar na cassação do parlamentar. 

“Assim, defiro a antecipação da tutela recursal para suspender a sessão especial de julgamento designada para hoje, dia 26/6/2019, às 18h00”, diz trecho do documento a qual o Dourados News teve acesso.

Na tarde de ontem (25), a defesa do vereador já havia entrado com recurso para tentar barrar o novo julgamento, porém, o juiz da 6ª Vara Cível de Dourados, José Domingues Filho, negou o pedido. 

O presidente da Casa, Alan Guedes (DEM), diz que se reunirá amanhã com a Mesa Diretora e o departamento jurídico para saber quais providências tomar. 

Já em relação as sessões agendadas para amanhã, elas continuam nos horários especificados. A primeira, às 13h julgará Cirilo Ramão (MDB) e a segunda, às 18h, Pedro Pepa (DEM).

Cifra Negra

Idenor é investigado por suspeita de integrar esquema de fraudes em processos licitatórios na Câmara de Dourados. 

No dia 5 de dezembro do ano passado ele foi preso dentro da Operação Cifra Negra, junto com empresários que prestavam serviço à Casa, ex-servidores e os colegas de Legislativo Cirilo Ramão (MDB) e Pedro Pepa (DEM).

Os três foram alvos de comissões processantes por quebra de decoro parlamentar e tiveram os pedidos de perda dos direitos políticos arquivados após a Câmara não conseguir maioria absoluta – 13, dos 19 votos – para cassar os mandatos dos investigados. 

Idenor foi absolvido em 20 de maio.

Porém, a Mesa Diretora da Casa, acatando recomendação do Ministério Público Estadual, anulou não só a sessão que julgou o vereador tucano, como também outras três envolvendo Denize Portollan (PR), Cirilo Ramão (MDB) e Pedro Pepa (DEM), os dois últimos absolvidos.

A argumentação do MPE é de que houve vícios nas votações, já que os suplentes foram impedidos de se posicionar. 

Na sessão em que Idenor escapou da cassação, Marinisa Mizoguchi (PSB) e Toninho Cruz (PSB) não puderam participar. 

Para que ocorra a perda dos direitos políticos, é necessário maioria absoluta dos votos, ou seja, 13 dos 19 vereadores precisam ser favoráveis. 

No caso em questão, com a impossibilidade de participação de Marinisa e Toninho, a sessão terminou com 11 votos pró-cassação contra seis pelo arquivamento, todos dados pela base aliada da prefeita Délia Razuk (PR) na Casa.  

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

NORONHA
Isis Valverde relembra foto de biquíni em cenário paradisíaco
FATALIDADE
Vítimas de grave acidente em Bataguassu serão veladas neste sábado
JUSTIÇA
Direitos da criança e do índio são preservados em adoções por indígenas
CAPITAL
Polícia pede prisão de comerciante suspeito de matar o próprio tio
LEGISLAÇÃO
Detran esclarece Lei que permite transferência de multas e pontos na CNH
CORRUPÇÃO
Traficantes acusam polícia paraguaia de cobrar R$ 30 mil para liberar droga
ESPORTES
Mundo Novo abre a 2ª fase da Copa Assomasul de futebol
CORUMBÁ
Justiça nega prisão de médico suspeito de cobrar por cirurgia do SUS
CAMPO GRANDE
Homem agride ex-esposa gestante em posto de saúde e acaba preso
MINISTÉRIO PÚBLICO
Concurso da PRF: após ação, banca convoca mais candidatos negros

Mais Lidas

DOURADOS
Homem é baleado com quatro tiros no Estrela Verá
DOURADOS
AGORA: Homem é baleado no Estrela Verá
INVESTIGAÇÕES
Preso no RJ, suspeito de planejar morte de “chefão da fronteira” é acusado de lavagem de dinheiro em MS
FRONTEIRA
Pistoleiro preso acusado de matar fazendeiro é membro do Comando Vermelho