Menu
Busca domingo, 26 de janeiro de 2020
(67) 9860-3221

TJ/MS nega recurso a Ari Artuzi em processo por improbidade

16 junho 2011 - 10h21

Em decisão unânime em sessão da última semana, os desembargadores da 5ª Turma Cível do TJ/MS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul) negaram provimento ao Agravo de Instrumento nº 2011.002794-5 interposto pelo ex-prefeito de Dourados Ari Valdecir Artuzi contra decisão prolatada nos autos da ação civil pública por ato de improbidade administrativa proposta pelo Ministério Público Estadual.

O agravante sustenta que, em se tratando de ato de improbidade administrativa, por ter ocupado o cargo de prefeito municipal, deveria ser aplicado ao caso o Decreto-lei 201/67, e não a Lei 8.429/92, já que os prefeitos, por estarem regidos por normas especiais, não se submetem ao regime comum da lei de improbidade.

Artuzi alega ainda que não há provas ou nexo de causalidade entre a conduta imputada ao agravante e os supostos prejuízos causados ao erário e que não obteve nenhum benefício com os gastos em razão da acumulação de cargos públicos.

O relator do processo , Desembargador Sideni Soncini Pimentel, explicou que “a Lei de Improbidade Administrativa tem natureza de ação civil, tanto que a presente ação é uma ação civil pública e não uma ação criminal, de modo que, em sendo o agravante à época dos fatos agente político, as sanções previstas na Lei 8.429/92 são aplicáveis ao responsável pelo ato de improbidade, 'independentemente das sanções penais, civis e administrativas, previstas na legislação específica', como dispõe de forma cristalina seu art. 12”.

O art. 1º, do Decreto-lei 201/67, diz que “são crimes de responsabilidade dos Prefeitos Municipais, sujeitos ao julgamento do Poder Judiciário, independentemente do pronunciamento da Câmara dos Vereadores”.

“Confrontando-se as respectivas normas, resta evidente que o Decreto-lei 201/67 disciplina as infrações penais, enquanto a Lei de Improbidade, conforme aduz o próprio agravante, refere-se às infrações na esfera cível. Portanto, em consonância com o artigo 37, § 4º, da CF/88, não há falar em aplicação de lei especial”, fundamentou o desembargador.

Argumentando ainda com relação à ausência de dolo por parte de Ari Artuzi, o Desembargador Sideni afirmou que “tal questionamento deverá ser apurado no curso do processo, cabendo neste momento processual (recebimento da inicial), a presença da materialidade (ato ímprobo) e indícios de sua autoria. E nem se diga que in casu haveria mera possibilidade de ilícito, já que o exercício irregular de cargo público do executivo municipal, à época em que o agravante era prefeito, encontra-se documentado nos autos”.

Deixe seu Comentário

Leia Também

CRIME AMBIENTAL
Homem é multado em R$ 11 mil por desmatamento de vegetação nativa
COURO
Feira da Indústria de Calçados começa com projeções positivas
LUTO NO ESPORTE
Kobe Bryant, astro da NBA, morre aos 41 anos em acidente de helicóptero
CONCURSOS
Ao menos 15 órgãos abrem inscrições nesta segunda para mais de 600 vagas
COSTA RICA
Polícia prende suspeito de matar homem com tiros pelas costas em bar
DESLIZAMENTOS
Defesa Civil confirma 37 mortes por causa da chuva em Minas Gerais
BATAYPORÃ
Mulher de 22 anos é multada em R$ 1 mil por maus-tratos a cachorro
ECONOMIA
Dourados recebe palestra com técnicas para fugir da rotina na empresa
CHAPADÃO DO SUL
Por ‘ciúmes’, homem espanca e fere com facada namorada de 19 anos
SAÚDE
Dia Mundial da Hanseníase destaca importância do tratamento

Mais Lidas

DOAÇÃO
Órgãos captados em Dourados vão salvar vidas em três Estados
DOURADOS
Motociclista bate em caminhão da coleta de lixo e fica em estado gravíssimo
MS
Homem é acusado de colocar sedativo no leite para abusar de enteada
DOURADOS
Designação para escolas e Ceim’s acontece neste sábado