Menu
Busca quinta, 27 de fevereiro de 2020
(67) 9860-3221
DOURADOS

TJ manda Câmara dar nova posse a Cirilo e Pepa

20 setembro 2019 - 10h05Por André Bento

O TJ-MS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul) determinou que a Câmara de Dourados seja oficiada a dar nova posse aos vereadores Cirilo Ramão Ruis Cardoso, o Pastor Cirilo (MDB), e Pedro Alves de Lima, o Pedro Pepa (DEM). Ambos foram afastados dos cargos após serem presos e acusados de corrupção na Operação Cifra Negra, que acusa supostas fraudes licitatórias na Casa de Leis.

O Dourados News apurou que em sessão de julgamento realizada na quinta-feira (19), os desembargadores da 1ª Câmara Criminal da Corte, “por unanimidade, confirmaram a liminar e concederam a ordem para converter a prisão preventiva dos pacientes em medidas cautelares, nos termos do voto do 2º Vogal, vencido parcialmente o Relator, que mantinha o afastamento dos pacientes do cargo”.

Foi determinada ainda que o presidente da Câmara, vereador Alan Guedes (DEM), seja oficiado “com a máxima urgência” “a fim que tome ciência do teor do presente julgado, e, com isto, promova as providências correlatas em relação aos pacientes, de forma a adequar as respectivas circunstâncias inerentes a este Julgado e às decisões impostas pelo Juízo da causa, destacando-se que quaisquer inobservâncias poderão implicar no reconhecimento, ainda que indiciário, do crime de desobediência”.

Cirilo e Pepa haviam sido afastados dos cargos por decisão judicial que impôs restrições decorrentes da Operação Cifra Negra, na qual foram presos e acusados de corrupção ainda em 5 de dezembro de 2018. O afastamento judicial que persistia desde 12 de dezembro foi derrubado graças a habeas corpus do desembargador Paschoal Carmelo Leandro, presidente do TJ-MS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul).

Embora tenham sido reempossados na sessão do dia 19 de agosto, esses parlamentares sofreram novo revés em 27 de agosto, quando o juiz Lúcio R. da Silveira, relator da 1ª Câmara Criminal do TJ, decidiu manter vigentes medidas cautelares diversas da prisão estabelecidas contra os parlamentares, “inclusive quanto à suspensão do exercício do mandato”.

Com isso, o MPE-MS (Ministério Público Estadual) acusou os vereadores de desrespeitar medidas cautelares estabelecidas quando as prisões de dezembro passado foram convertidas para que pudessem deixar a cadeia.

Em 30 de agosto, o juiz Alessandro Leite Pereira, em substituição legal na 1ª Vara Criminal de Dourados, expediu as ordens de prisão cumpridas no início da noite daquele mesmo dia, durante sessão especial de julgamento do vereador Junior Rodrigues (PL), absolvido da acusação de crime político administrativo.

Mais uma vez, porém, Cirilo e Pepa foram soltos, ainda no dia 1 de setembro, por força de habeas corpus concedido pelo desembargador Divoncir Maran. No entanto, o plantonista do fim de semana no TJ-MS estabeleceu o impedimento da volta aos mandatos, exigência derrubada agora, na sessão de julgamento de ontem na 1ª Câmara Criminal do TJ.

Deixe seu Comentário

Leia Também

ECONOMIA
Reabertura dos EUA para carne brasileira é oportunidade para MS
PONTA PORÃ
Homem é executado com tiros de metralhadora na fronteira
PAGAMENTO
Salários de servidores estaduais serão pagos no próximo sábado
IMUNIZAÇÃO
Vacinação contra a gripe é antecipada por causa do coronavírus
REGIÃO
Traficante que consumia drogas na presença do filho de 2 anos é preso
FUTEBOL
CBF divulga tabela do Brasileirão; campeão Fla estreia contra o Galo
CAGED
Dados de emprego em janeiro só serão divulgados em março
OPORTUNIDADE
Cejusc de Dourados abre vagas para curso de mediação e conciliação
DOURADOS
Procura por máscaras cresce nas farmácias após suspeitas do coronavírus em MS
ECONOMIA
Dólar sobe e renova patamar recorde de fechamento

Mais Lidas

MULTIDÃO
Carnaval na praça central de Dourados termina em ‘confusão e sujeira’
DOURADOS
Mulher tenta sair de mercado com quase R$ 700 em compras sem pagar
INVESTIGAÇÃO
Ex-prefeito de Amambai foi morto após discussão por desacordo trabalhista
PONTA PORÃ
Estado monitora caso suspeito de Coronavírus na fronteira