Menu
Busca sexta, 19 de outubro de 2018
(67) 9860-3221

“Terra não é solução para fim de conflito indígena”, diz Gino

09 junho 2011 - 08h15

O vereador Gino Ferreira (DEM) liderança rural em Dourados está preocupado com a situação de conflito entre proprietários rurais e índios após a invasão de uma fazenda em Dourados, próximo ao anel viário, por grupos das etnias guarani e caiuás, no início da semana.

Segundo Gino a situação se agrava à medida que não há uma intervenção mais efetiva dos órgãos competentes, como a Funai (Fundação Nacional do Índio), para resolver o impasse. “A invasão foi feita em uma propriedade rural praticamente dentro da cidade. Os ânimos vão se acirrando e nenhuma providência é tomada”, explica o vereador que diz ainda, “Quando a Funai é criticada pelo descaso com os índios acham que há falta de compreensão. Porém, os proprietários não conseguem falar com o órgão responsável pelos índios para que diálogos sejam mantidos para que se busque soluções para a questão”, relata.

Para o líder ruralista, o órgão competente que assiste aos indígenas tem a responsabilidade de investigar a origem dessas invasões, pois ‘há rumores de que os vários índios que estão acampados nas terras invadidas estariam alcoolizados’ e que ‘antropólogos são os incentivadores as invasões’. “É preciso fazer com que a verdade venha à tona. Não queremos ser injustos, mas também não podemos ser injustiçados. É preciso que as autoridades competentes avaliem de maneira ágil, toda essa situação e apresente uma solução”, afirma.

Gino salienta que a bancada ruralista, juntamente com os órgãos competentes, está discutindo com o governo federal a possibilidade de comprar as terras e instalar as famílias indígenas e assim, terminar com o conflito, porém acredita que esta medida não atenderá todas as necessidades do povo indígena.

“Sabemos que terra não é a solução para garantir uma vida digna aos índios. Mas quem tem que provar que terra é a solução e a Funai e o governo federal. Eles poderiam começar por Bodoquena, onde os índios da etnia Kadiwéu tem 500.00 hectares para uma população de dois mil índios que vivem em condições miseráveis e que, muitas vezes, a sociedade não toma conhecimento”, esclarece.

Gino reitera que não é contra os índios, mas é contra o não cumprimento da lei e a demagogia projetada nos índios e nos proprietários rurais por não saberem selar a paz.

Deixe seu Comentário

Leia Também

ELEIÇÕES 2018
Bolsonaro e Haddad têm propostas antagônicas para direitos humanos
FAMOSOS
"Foi uma decisão dele", diz Bruna Marquezine sobre fim de namoro com Neymar
RIBAS DO RIO PARDO
Mais de 400 atletas das modalidades individuais disputam Jems e Jojums nesta sexta
LAMA ASFÁLTICA
Defesa tenta recurso em HC de Puccinelli, filho e advogado
DOURADOS
Casa do Estudante acontece até o dia 31 na Unigran
DOURADOS
Mulher é presa furtando farmácia e confessa outros crimes
GERAL
Centro Internacional de Negócios detalha 4 passos para internacionalização de uma empresa
INFORME PUBLICITÁRIO
Representantes realizam café e apresentam nova linha da Natura para o Natal
DOURADOS
Peças artísticas são marcadas com suástica, “17”, “Bolsonaro” e ilustrações obscenas na UEMS
DOURADOS
Corrida Rosa Abevê 2018 continua com inscrições abertas até dia 23

Mais Lidas

MARACAJU
Empresário douradense e filho morrem em acidente na BR-267
DOURADOS
Afogamento de africano ocorreu após apostar garrafa de cachaça com colega
DOURADOS
Mulher é condenada a 12 anos de prisão pela morte do ex-marido
DOURADOS
Corpo de homem que morreu afogado em lago é encontrado