Menu
Busca terça, 19 de março de 2019
(67) 9860-3221

“Terra não é solução para fim de conflito indígena”, diz Gino

09 junho 2011 - 08h15

O vereador Gino Ferreira (DEM) liderança rural em Dourados está preocupado com a situação de conflito entre proprietários rurais e índios após a invasão de uma fazenda em Dourados, próximo ao anel viário, por grupos das etnias guarani e caiuás, no início da semana.

Segundo Gino a situação se agrava à medida que não há uma intervenção mais efetiva dos órgãos competentes, como a Funai (Fundação Nacional do Índio), para resolver o impasse. “A invasão foi feita em uma propriedade rural praticamente dentro da cidade. Os ânimos vão se acirrando e nenhuma providência é tomada”, explica o vereador que diz ainda, “Quando a Funai é criticada pelo descaso com os índios acham que há falta de compreensão. Porém, os proprietários não conseguem falar com o órgão responsável pelos índios para que diálogos sejam mantidos para que se busque soluções para a questão”, relata.

Para o líder ruralista, o órgão competente que assiste aos indígenas tem a responsabilidade de investigar a origem dessas invasões, pois ‘há rumores de que os vários índios que estão acampados nas terras invadidas estariam alcoolizados’ e que ‘antropólogos são os incentivadores as invasões’. “É preciso fazer com que a verdade venha à tona. Não queremos ser injustos, mas também não podemos ser injustiçados. É preciso que as autoridades competentes avaliem de maneira ágil, toda essa situação e apresente uma solução”, afirma.

Gino salienta que a bancada ruralista, juntamente com os órgãos competentes, está discutindo com o governo federal a possibilidade de comprar as terras e instalar as famílias indígenas e assim, terminar com o conflito, porém acredita que esta medida não atenderá todas as necessidades do povo indígena.

“Sabemos que terra não é a solução para garantir uma vida digna aos índios. Mas quem tem que provar que terra é a solução e a Funai e o governo federal. Eles poderiam começar por Bodoquena, onde os índios da etnia Kadiwéu tem 500.00 hectares para uma população de dois mil índios que vivem em condições miseráveis e que, muitas vezes, a sociedade não toma conhecimento”, esclarece.

Gino reitera que não é contra os índios, mas é contra o não cumprimento da lei e a demagogia projetada nos índios e nos proprietários rurais por não saberem selar a paz.

Deixe seu Comentário

Leia Também

PROPOSTA
Projeto de lei sobre Programa de Desligamento Voluntário do governo de MS é entregue a deputados
ECONOMIA
Gasolina dispara em Dourados e preço médio sobe R$0,13 em uma semana
FAMOSOS
Anitta aparece com Medina e Neymar comenta: "Shippo"
BURAQUEIRA
Marçal cobra providências na recuperação da malha asfáltica em Dourados
BENEFÍCIO
Em MS, 150 mil pessoas têm direito a desconto na conta de energia
VANDALISMO
Menores são detidos após destruir câmeras de escola e defecar no pátio
DOURADOS
Projeto que altera data das eleições para diretores da Reme é aprovado
SAÚDE MENTAL
Depressão na adolescência: como identificar e o que fazer?
CAMPO GRANDE
Polícia flagra homem tentando enforcar mulher após bebedeira
TURISMO
Bonito: a beleza escondida do Abismo Anhumas

Mais Lidas

TRAGÉDIA
Família que morreu em acidente na BR-060 seguia para missa de colação de grau
BR-060
Morre no hospital terceira vítima de acidente na Capital
NAVIRAÍ
Corpo de foragido do semiaberto é encontrado em terreno baldio
SIDROLÂNDIA
Acidente entre carro e caminhão mata duas mulheres na BR-060