Menu
Busca quinta, 24 de maio de 2018
(67) 9860-3221
BANNER AUDIÊNCIA ASSEMBLEIA

“Terra não é solução para fim de conflito indígena”, diz Gino

09 junho 2011 - 08h15

O vereador Gino Ferreira (DEM) liderança rural em Dourados está preocupado com a situação de conflito entre proprietários rurais e índios após a invasão de uma fazenda em Dourados, próximo ao anel viário, por grupos das etnias guarani e caiuás, no início da semana.

Segundo Gino a situação se agrava à medida que não há uma intervenção mais efetiva dos órgãos competentes, como a Funai (Fundação Nacional do Índio), para resolver o impasse. “A invasão foi feita em uma propriedade rural praticamente dentro da cidade. Os ânimos vão se acirrando e nenhuma providência é tomada”, explica o vereador que diz ainda, “Quando a Funai é criticada pelo descaso com os índios acham que há falta de compreensão. Porém, os proprietários não conseguem falar com o órgão responsável pelos índios para que diálogos sejam mantidos para que se busque soluções para a questão”, relata.

Para o líder ruralista, o órgão competente que assiste aos indígenas tem a responsabilidade de investigar a origem dessas invasões, pois ‘há rumores de que os vários índios que estão acampados nas terras invadidas estariam alcoolizados’ e que ‘antropólogos são os incentivadores as invasões’. “É preciso fazer com que a verdade venha à tona. Não queremos ser injustos, mas também não podemos ser injustiçados. É preciso que as autoridades competentes avaliem de maneira ágil, toda essa situação e apresente uma solução”, afirma.

Gino salienta que a bancada ruralista, juntamente com os órgãos competentes, está discutindo com o governo federal a possibilidade de comprar as terras e instalar as famílias indígenas e assim, terminar com o conflito, porém acredita que esta medida não atenderá todas as necessidades do povo indígena.

“Sabemos que terra não é a solução para garantir uma vida digna aos índios. Mas quem tem que provar que terra é a solução e a Funai e o governo federal. Eles poderiam começar por Bodoquena, onde os índios da etnia Kadiwéu tem 500.00 hectares para uma população de dois mil índios que vivem em condições miseráveis e que, muitas vezes, a sociedade não toma conhecimento”, esclarece.

Gino reitera que não é contra os índios, mas é contra o não cumprimento da lei e a demagogia projetada nos índios e nos proprietários rurais por não saberem selar a paz.

Deixe seu Comentário

Leia Também

CORPÃO
Gracyanne mostra flexibilidade em pole dance e impressiona por cinturinha
POLÍTICA
PT lançará pré-candidatura de Lula no dia 09 de junho, diz Gleisi
PARAÍSO DAS ÁGUAS
Engenheiro morre em acidente após carro passar em buraco e capotar
LOTERIA
Confira as dezenas sorteadas da Mega-Sena nesta quarta-feira
ESPORTES
Equipe Dourados Sobre Rodas é destaque em competição em Goiás
CORRUPÇÃO
TJ/MS revoga habeas corpus de ex-segurança do governador de MS preso
PRAZO
Continuam abertas as inscrições para 5º Festival Douradense de Música
JUSTIÇA
Acusado de matar homem por suspeita de furto de bicicleta vai a júri
FUTEBOL
Dias de jogos do Brasil na Copa do Mundo não serão feriado
DEBATE
MPT discute logística reversa de embalagens em Mato Grosso do Sul

Mais Lidas

TRAGÉDIA
Douradense morre em acidente na MS-270
RODOVIAS BLOQUEADAS
Greve dos caminhoneiros pode paralisar indústria em Dourados
MANIFESTAÇÃO
Caminhoneiros bloqueiam três trechos da BR-163 em Dourados
OPERAÇÃO OIKETIKUS
Gaeco volta às ruas contra "máfia do cigarro"