Menu
Busca segunda, 14 de outubro de 2019
(67) 9860-3221
DEBATE

Seminário em Dourados propõe maior proteção da criança e do adolescente

29 setembro 2017 - 10h26

Gestores, conselheiros tutelares, técnicos da assistência social e representantes da sociedade civil organizada se reuniram nesta semana, em Dourados, para debater estratégias capazes de fortalecer a denúncia, a identificação das vítimas do trabalho infantil, o encaminhamento e a assistência junto às entidades que integram a rede de proteção da criança e do adolescente.

No evento, a procuradora Cândice Gabriela Arosio abordou as principais frentes de atuação do Ministério Público do Trabalho, que alcançam as dimensões protetiva – retirada da criança/adolescente do trabalho, providenciando a inserção na escola ou em programas sociais/profissionalizantes –, repressiva – adoção de medidas judiciais para punição e responsabilização do explorador, intermediário ou beneficiário do serviço – e pedagógica – audiências públicas, seminários, reuniões, campanhas educativas e de conscientização –.

Além dos instrumentos legais para atingir esses objetivos, como inquérito civil, termo de ajustamento de conduta e ação civil pública, Cândice enfatizou também a importância de fomentar o diálogo entre as entidades de defesa e promoção dos direitos da criança e do adolescente, assim como a adoção de práticas cotidianas espelhadas em políticas públicas específicas.   

“Embora a legislação brasileira, nos últimos anos, tenha avançado consideravelmente em relação ao trabalho infantil, observa-se, infelizmente, um atraso substancial quanto à visão do problema por alguns setores da sociedade. Por isso, desde 2013, temos realizado em Dourados e região várias reuniões para sensibilizar diferentes atores com potencial de influência sobre essa realidade. Mais do que retirar a vítima da situação de trabalho infantil, é importante identificar a origem dessa criança ou adolescente explorado, conhecendo de perto suas condições de moradia, faixa etária, renda familiar”, disse a procuradora.

Com números, a especialista e consultora individual Maria Isabel da Silva traçou um diagnóstico do trabalho infantil no Brasil, em Mato Grosso do Sul e em Dourados. Segundo ela, o país possuía, em 2015, 40,1 milhões de crianças e adolescentes com idade entre 5 e 17 anos, sendo que 2,7 milhões (5%) trabalhavam.

Embora tenha ocorrido uma queda do trabalho infantil em relação a 2014 (redução de 659 mil pessoas naquela faixa etária), o total de crianças com 5 a 9 anos subiu de 70 mil para 79 mil. Ainda em 2015, o estado de Mato Grosso do Sul registrou 46 mil crianças e adolescentes, de 5 a 17 anos, em situação de trabalho irregular. Já os dados sobre o munícipio de Dourados (Censo 2010) mostram um total de 196 mil habitantes, sendo que 1.341 crianças, entre 10 e 15 anos, trabalhavam. Agricultura, indústria de transformação, comércio e trabalho doméstico são os ambientes que mais empregam esse tipo de mão de obra.

Em um recorte sobre o trabalho doméstico, a consultora frisou que 94% das vítimas são do sexo feminino e 97% são negras. A pena para os infratores, neste caso, é de multa de 3 a 20 salários mínimos de referência, aplicando-se o dobro do valor na reincidência. “Trata-se de um trabalho oculto, que figura na lista das piores formas de trabalho infantil e se difere em larga escala dos afazeres domésticos”, pontuou.

Maria Isabel também apresentou algumas das consequências do trabalho infantil para as crianças e adolescentes: dor de cabeça, insônia, tontura, dificuldade de concentração e de memorização, tristeza e insegurança. “O sistema nervoso não está totalmente desenvolvido e a visão periférica deles é menor que a do adulto. Por isso, são mais suscetíveis a estresse, desidratação, perda auditiva e acidentes de trabalho”, observou.

É considerado trabalho infantil aquele realizado por crianças ou adolescentes com idade inferior a 16 anos, salvo na condição de aprendiz a partir dos 14 anos. O seminário foi organizado pela Comissão de Erradicação do Trabalho Infantil e pelo município de Dourados, por meio da Secretaria de Assistência Social.     

Deixe seu Comentário

Leia Também

BRASIL
Bebê é sexta vítima de acidente na Via Dutra, sentido Rio de Janeiro
Unicef
26% das adolescentes brasileiras casam-se antes dos 18 anos
MS 42 ANOS
Identidade do Estado revela “Brasil profundo” nas artes plásticas
TUFÃO
Passagem do Hagibis no Japão provoca pelo menos 24 mortes
DOURADOS
Programação do “Outubro Rosa” tem evento no dia 16
FAMOSOS
Em meio aos rumos sobre affair, Grazi faz trilha com Caio Castro
DOURADOS
Universidade levará serviços à Praça Antônio João dia 23
ESTADO
Judiciário fará Semana da Conciliação no início de novembro
CRIME
Caçador foge da PMA, mas abandona moto, rifle e munições e acaba identificado
BRASIL
Após dez dias internado, general Villas Bôas recebe alta hospitalar

Mais Lidas

CLIMA
Previsão aponta dias chuvosos e queda de temperatura em Dourados
DOURADOS
Acionados para atender queda de moto, Bombeiros só encontram vítima no local
DOURADOS
Clima fica tenso com índios presos em confrontos às margens da Perimetral Norte
MS
Idosa é atingida por jaca durante procissão e precisa ser socorrida