Menu
Busca segunda, 24 de setembro de 2018
(67) 9860-3221
UFGD

Sem previsão de negociação, servidores mantém greve

02 junho 2015 - 13h00

A greve dos professores e técnicos em educação da UFGD (Universidade Federal da Grande Dourados) continua. Até o momento não se foi marcada entre as classes e governo federal nenhuma negociação. As informações foram repassadas ao Dourados News na manhã desta terça-feira (02), pelo comando de greve dos técnicos em educação e pelo presidente da ADUF (Associação dos Docentes da UFGD), Fábio Perboni.

De acordo com ele, as aulas estão paralisadas e apenas atividades essenciais continuam no Hospital Universitário e eventos que já estavam programados como palestras.

“As aulas estão paralisadas. Não foi agendada nenhuma reunião para negociação, o governo informou que irá analisar as reivindicações e assim que tiver uma proposta vai nos comunicar, para então reunirmos e discutirmos”, explicou o presidente.

As reivindicações estão divididas em cinco eixos, dentre elas a defesa do caráter público da universidade que entra em discussão a terceirização, condições de trabalho por conta da falta de recursos, corte de verbas, garantia de autonomia orçamentária, reestruturação da carreira dos docentes e a valorização salarial de ativo e aposentados.

Ele disse ainda que na tarde de segunda-feira (01), em uma assembleia realizada pelo DCE (Diretório Central dos Estudantes), foi definido o apoio dos alunos a greve. “Não participei da reunião, mas sei que eles decidiram a favor da causa dos professores, ou seja, eles apoiam a greve” disse o presidente.

Perboni informou que será realizada uma atividade na tarde da quarta-feira (03), no Simted (Sindicato Municipal dos Trabalhadores em Educação) de Dourados, onde serão discutidas as reivindicações da categoria e sobre o andamento da greve.

Assim como os professores, os técnicos em educação, que estão no quarto dia de greve, não tem previsão de negociação e com isso continuam com as atividades paralisadas.

“Todas as terças e quintas, participamos de atividades como hoje no plantio de árvores na avenida Guaicurus. Em outros dias da semana, nos reunimos para discutir sobre a paralisação e também as atividades que iremos realizar durante a próxima semana”, disse Rosiane Cruz, que faz parte da Comissão de Greve.

De acordo com Rosiane, a negociação é feita pela Fasubra (Federação de Sindicatos de Trabalhadores Técnico-Administrativos em Instituições de Ensino Superior Públicas do Brasil), MEC (Ministério da Educação) e Ministério do Planejamento e que não houve nenhum convite para negociação por parte deles.

Entre as reivindicações da categoria estão, o reajuste salarial de 27.3%, cálculo feito pela Dieese (Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos) baseado nos últimos cinco anos, o reposicionamento dos aposentados e pensionistas na categoria, jornada de trabalho de 30 horas semanais, piso mínimo de três salários mínimos para os iniciantes na carreira entre outros.

Deixe seu Comentário

Leia Também

FAMOSOS
Luisa Sonza relata críticas após procedimento: 'Acharam feio'
MEDIDA
ANP vai fazer consulta para substituir GNL importado por gás doméstico
LADÁRIO
Três pessoas ficam feridas em capotagem de carro
INVESTIGAÇÃO
Polícia Federal reforça versão de que agressor de Bolsonaro atuou sozinho
CAPITAL
Carreta tomba com 27 toneladas de agrotóxico
POLÍTICA
Temer viaja a Nova York para participar da Assembleia Geral da ONU; Toffoli assume Presidência
PONTA PORÃ
PM recebe solicitação por desentendimento familiar e captura foragido
CAPITAL
Homem é encontrado morto com tiro na cabeça
TRÁFICO DE DROGAS
PRF apreende 42kg de maconha e skank após fuga de condutor
BRASIL
Multas por uso de celular ao volante crescem 33% em 2018

Mais Lidas

DOURADOS
Amiga de jovem encontrada morta é presa acusada por tráfico e por alterar a cena do crime
TEMPORAL
Chuva e ventos fortes derrubam árvores em Dourados
POLÍCIA
Presos em Dourados são transferidos para capital
POLÍCIA
Homem sofre tentativa de homicídio em Dourados