Menu
Busca sexta, 16 de novembro de 2018
(67) 9860-3221
DOURADOS

Com Força Nacional na fronteira, aldeias ficam sem policiamento

07 julho 2015 - 14h00

Há duas semanas as aldeias de Dourados estão sem o policiamento da Força Nacional de Segurança Pública, segundo informações de uma liderança indígena. O efetivo foi todo deslocado para a região de Coronel Sapucaia e Aral Moreira, onde aconteceram conflitos entre povos indígenas e produtores rurais. O capitão da Aldeia Bororó, Gaudêncio Benites, disse que teme a falta dos policiais no local, pois com isso a quantidade de crimes podem aumentar.

“É complicado, tem duas semanas que não temos o policiamento da Força Nacional de Segurança Pública aqui. Ficamos sabendo que todo o efetivo foi para as áreas de conflitos na região de fronteira. Nós, líderes, não temos o que fazer para prevenir os crimes. Já teve até homicídio neste período que estamos sem policiamento”, conta o líder cacique.

O homicídio que o cacique se refere, aconteceu no domingo (05), [quando Ubirajara Machado, 27]( http://www.douradosnews.com.br/dourados/homem-e-assassinado-com-facada-no-peito), foi encontrado morto com uma facada no local conhecido como Travessão do Valdecir, na aldeia Bororó.

Um adolescente de 13 anos e um homem de 20 anos foram detido por lideranças indígenas e entregues para a Polícia Militar. Os motivos e se os suspeitos têm alguma ligação com o crime, estão sendo investigados.

A Força Nacional está no Estado, desde 2011. Em Dourados ela auxilia na segurança das aldeias Bororó e Jaguapiru e também na aldeia Tey’Kue, no município de Caarapó. Essas áreas são de tutela federal, local em que nos últimos anos vem aumentando a quantidade violência e crimes.

Segundo Gaudêncio, um dos motivos para o aumento nas ocorrências são as entradas de bebidas alcoólicas e drogas dentro das aldeias. Ele disse ainda que, o efetivo que estava disponível para a região é de apenas 25 homens que trabalham em escala, sendo duas viaturas realizando rondas num espaço muito grande de terras.

“Os crimes acontecem quando envolve bebida e drogas, e tem aumentado entre os jovens. Aqui na Bororó não é permitido a venda de bebidas, mas infelizmente ela (bebida) entra com pessoas de fora, que estão abrindo mercearias aqui perto das aldeias. Elas começam vendendo comida, depois vem a bebida e precisamos de mais fiscalização e de policiamento, sem isso mais crimes irão acontecer. Antes o que sei é que eram 25 homens que trabalhavam em escala, mas não sei ao certo a quantidade atual”, explica Benites.

Em 2014, o Dourados News fez uma série de reportagens sobre a atuação da Força Nacional de Segurança Pública dentro das aldeias indígenas de Dourados, relatando sobre como é feito o trabalho e também as dificuldades enfrentadas pelos policiais, dentre elas uma com relatos que mostram que o fator principal para a ocorrência de crimes é o uso de bebidas alcoólicas e drogas.

“É complicado. É muita gente, um terreno com muitas dificuldades de locomoção e uma demanda grande principalmente por conflitos que começaram por causa de bebida e drogas, que são os motivos que observamos nas ocorrências aqui”, disse um dos policiais que preferiu não se identificar na época.

Outro ponto levantado foi a questão do pouco efetivo e por atuarem em uma outra aldeia no município de Caarapó, distante 50 km de Dourados. Na época o efetivo era de oito policiais que realizavam o policiamento, para uma área com mais de 20 mil índios, somando as três aldeias.

Eles relataram que por várias vezes tiveram ocorrências no mesmo momento entre as aldeias de Dourados e Caarapó, ambas com a mesma gravidade, porém, deveriam 'escolher' uma delas para atender.

“Eu lidava com tráfico em uma cidade onde tinha dezenas de homicídios por dia. Aqui a situação é menos pior, mas o que nos complica é que somos poucos para lidar com muitos conflitos. Nos desdobramos como podemos”, relatou.

O grupo se revezava em plantões de 24h/48h, com um dia de sobreaviso, quatro de prontidão e um de serviço, circulando em duas viaturas. A matéria foi publicada no dia 14 de dezembro de 2014, [veja aqui](http://www.douradosnews.com.br/noticias/cidades/policiais-da-forca-nacional-relatam-improviso-para-cuidar-de-20-mil-indios).

A reportagem entrou em contato com a Funai (Fundação Nacional do Índio) e também no Ministério da Justiça que responde pela Força Nacional de Segurança Pública, por meio das assessorias, na manhã da segunda-feira (06) buscando confirmar a informação de que o efetivo foi deslocado para a região de conflito entre povos indígenas e produtores rurais na região de Aral Moreira e Coronel Sapucaia.

Porém, e até a manhã desta terça-feira (07) não houve resposta.

Área de conflitos

Os conflitos entre povos indígenas e produtores rurais teve início, após indígenas guarani kaiowá ocuparem a fazenda Madama no dia 22 de junho de acordo com a Funai. A situação no local era de muita tensão, [relembre aqui](http://www.douradosnews.com.br/noticias/cidades/indios-invadem-fazendas-e-fazem-quebra-quebra).

Em Mato Grosso do Sul, quase 90 fazendas estão ocupadas por índios que exigem a demarcação das terras para a ampliação das reservas.

Deixe seu Comentário

Leia Também

CAMPO GRANDE
Filho de empresário executado na porta de casa está em estado grave de saúde
BRASIL
Dólar abre o dia em baixa de 0,59% cotado a R$ 3,7655
BRASIL
Seleção para preencher vagas de médicos cubanos ocorre ainda este mês
PROCLAMAÇÃO DA REPÚBLICA
Radares flagram quase 500 motoristas por excesso de velocidade nas BR's de MS
HUMMMM!
Sagu com Manga e Maracujá
DOURADOS
Grupo ABV realiza sorteio de carro 0km
TRÂNSITO
Bêbado, homem é preso ao provocar acidente
ÁFRICA DO SUL
Prédio de apartamentos é construído com 140 contêineres
BRASIL
Bolsonaro diz que nomes de comandantes militares não estão definidos
PÓS-FERIADO
Centrão ‘calmo’ é reflexo do feriado no meio da semana em Dourados

Mais Lidas

CAMPO GRANDE
Empresário é executado e filho fica ferido em atentado
CAMPO GRANDE
Empresário executado na Capital era avalista em dívida de R$ 40 milhões
SUSTO
Veículo com placas de Dourados fica destruído ao ser atingido por vagões de trem
DOURADOS
Dupla armada rouba moto para assaltar empresa e levar R$ 3 mil